O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quinta-feira, 28 de Outubro de 2010

Religião e diálogo é uma relação que tem tudo para dar certo. Só que nem sempre o que se mostra promissor à partida pode ser dado por garantido à chegada.

 

Há muitos tropeços no percurso e o fluxo das origens fica, amiúde, ofuscado pelas tormentas da caminhada. A impressão que dá é que, não raramente, quando avançamos no tempo, vamo-nos afastando da fonte.

 

A experiência atesta que, muitas vezes, uma coisa é a identidade e outra coisa, bem diferente, acaba por ser a realidade.

 

Pela sua natureza, religião é ligação. As portas para o diálogo parecem, por isso, abertas. Só que os atalhos da história parecem transformar uma combinação natural numa articulação quase impossível.

 

E se algum défice tem havido neste campo é precisamente quanto à substância. Existem hábitos de encontro, mas ainda estamos longe de uma verdadeira cultura do diálogo: do diálogo entre religiões e, já agora, do diálogo no interior de cada religião.

 

Daí a pertinência de um livro que acaba de aparecer. Não é um livro grande, mas é, sem dúvida, um grande livro.

 

Religião e diálogo inter-religioso é o título da mais recente publicação de Anselmo Borges, que mãos amigas me fizeram chegar e que, agora mesmo, acabei de ler.

 

É um texto com densidade, espessura e alma. Transporta com ele a vibração de alguém que milita no que apresenta. É obra de um homem culto e, coisa nada despicienda, de um homem livre.

 

Antes de mais, o Autor cumpre uma missão semelhante à que Zubiri atribuía a Ortega em finais do século XIX e princípios do século XX. Trata-se de uma missão ressoadora em relação ao melhor que se vai pensando e dizendo pelo mundo acerca desta temática.

 

Com efeito, Anselmo Borges faz ressoar um conjunto de preocupações e propostas que têm vindo a fazer caminho nos últimos tempos.

 

Por estas páginas desfilam assim as questões mais inquietantes (como a multiforme tipologia do fenómeno religioso) e as interpelações mais aliciantes (designadamente o problema da violência, do fundamentalismo, o lugar do religioso na escola pública, a verdade em todas as religiões, a complementaridade entre elas e o lugar dos ateus em toda esta discussão).

 

Foi sempre difícil (e continua a não ser fácil) conciliar a religião com o diálogo. E, no entanto, esta articulação é fundamental. Ainda sobram muitos preconceitos que facilmente desaguam numa combustão e delapidam os melhores esforços.

 

Partindo da referência ao tempo-eixo na introdução, podemos dizer que, de certa forma, vivemos uma época também ela axial para o diálogo e, consequentemente, para a paz.

 

A tese de Hans Küng (por muitos assumida) é recordada: não haverá paz no mundo enquanto não houver paz entre as religiões.

 

 O diálogo não amortece as convicções. Pelo contrário, fortalece o testemunho. Ver cada religião no conjunto não obscurece a sua força intrínseca, antes empresta um novo vigor à sua identidade.

 

Este é um domínio em que o todo tende a ser visto a partir das partes. É importante que nos habituemos a ver também cada parte a partir do todo. As sementes do Verbo, de que já falava S. Justino, não deixam ninguém de fora. Não professamos nós que o Espírito sopra onde quer?

 

Numa altura em que a política é atravessada pela adversidade, seria de esperar que a religião fosse olhada como oportunidade.

 

Infelizmente, o panorama não é entusiasmante e nem sempre as diversas configurações religiosas têm sabido responder às aspirações mais fundas da hora presente.

 

No fundo, as religiões ainda não conseguiram constituir a alternativa de que a humanidade precisa. Continuam a portar-se como a redundância que a humanidade lamenta. Também as religiões, de facto, são trucidadas por conflitos e por uma legião interminável de vítimas. No fundo, também a religião certifica que o ser humano tem dificuldade em conviver com o diferente.

 

Tudo isto toca um problema decisivo, que as religiões transportam em si e que nem sempre sabem gerir entre si: o Absoluto.

 

Esta é, sem dúvida, uma aspiração a que a religião dá um horizonte de sentido. Mas é preciso perceber que o Absoluto transcende todas as configurações. O Absoluto está presente (mas não prisioneiro) nas instituições.

 

Tem havido muitas tentativas de diálogo. Mas ainda não se obteve uma plataforma de encontro permanente.

 

É preciso, como assinala o livro, passar do multi para o inter. A multiculturalidade, que se observa, há-de assumir a forma de uma interculturalidade, que importa consolidar. 

 

Eis, portanto, um livro precioso para a compreensão do presente. E que certamente se vai transformar numa referência indispensável durante muito muito tempo no futuro.

 

Portugal carecia de um livro destes. Parabéns a Anselmo Borges, que soube suprir esta carência e dar corpo a esta urgência.

 

O religioso resplandece aqui como questão humana. Uma questão humana básica. E uma questão humana decisiva. Porque abrangente. Porque mostra como tudo (a começar por Deus) tem que ver com tudo!

publicado por Theosfera às 16:17

De António a 28 de Outubro de 2010 às 17:30
Um texto excepcional.Uma luz para a alma e para o intelecto. Muitos parabéns estimado Padre João António...

De Theosfera a 28 de Outubro de 2010 às 19:19
Bondade sua. Obrigado, bom Amigo. Vale mesmo a pena ler este livro. De um homem culto. E, acima de tudo, de um homem livre. Sem amarras.
Abraço amigo.

De António a 28 de Outubro de 2010 às 19:42
Posso fazer aqui uma confidência:

Quando um dia a minha querida mulher ateia me veio surpreendentemente dizer que também se considerava cristã, não obstante não acreditar em Deus nem na Divindade de Cristo, mas porque reconhecia a grandeza ética da Doutrina de Jesus de Nazaré, disse-me que isso aconteceu depois de ter lido algo de um padre católico. Perguntei-lhe quem. E ela respondeu-me: " Anselmo Borges"...

De Theosfera a 28 de Outubro de 2010 às 20:48
Extraordinária atitude essa. No fundo, esse foi também o percurso do grande teólogo-mártir Dietrich Bonhoffer. Isso coloca o prioblema da transformação de uma proximidade em distância. Que é que a Igreja de Jesus tem feito da mensagem de Jesus. Quando estiver com o Padre Anselmo, dar-lhe-ei conta deste testemunho da sua querida esposa. Ele é de uma terra vizinha da minha.
Abraço amigo no Senhor Jesus.

De António a 28 de Outubro de 2010 às 22:48
Fico muito grato, estimado Padre João António, se transmitir essa informação ao Padre Anselmo Borges. A posição da minha mulher levanta duas questões, a meu ver, muito importantes. A primeira é que a Mensagem de Cristo acaba por ser transversal a toda a condição humana,de tal forma é grande a sua superioridade ética.Depois interpela-nos para o critério de exigência que decorre da aceitação da Doutrina de Cristo. Anselmo Borges tem também a minha grande admiração. Nem sempre concordo com as suas posições, mas isso é o que há de mais natural na especificidade de cada ser humano....

De Theosfera a 28 de Outubro de 2010 às 23:03
Por isso é que Jesus desponta como o «universal concreto». Como diz Leonardo Boff, «Ele é o melhor presente que a humanidade ofereceu a Deus e o melhor presente que Deus ofereceu à humanidade».
Muito obrigado. Abraço amigo.


mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro