O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 02 de Novembro de 2009

 

Se o pensamento da morte já infunde suficiente temor, sobre o que se passa depois dela o desconforto não é menor. Como é a eternidade? Que nos é dado saber acerca dela?
 
Antes de mais, deve dizer-se que a vida eterna faz parte da promessa de Jesus: «Vou preparar-vos um lugar. E quando Eu tiver ido e vos tiver preparado um lugar, virei outra vez, e levar-vos-ei coMigo, para que, onde Eu estiver, estejais vós também»(Jo 14, 2-3).
 
Não se trata, evidentemente, de um lugar com as feições topográficas próprias deste mundo. Na morte, o homem ascende a uma experiência que não é extralocal e supratemporal. A realidade que então nos é proporcionada tem essencialmente a ver com uma nova forma de participação na vida divina. O resultado deste encontro, que ocorre no momento da morte, entre o homem e a verdade absoluta de Deus pode ser triplo.
 
Primeira possibilidade: o homem opta por Deus num acto de liberdade que o leva a entregar-se a Ele, a assemelhar-se a Ele ao longo da vida. Esta decisão é assumida como a prioridade das prioridades. Dando origem a uma existência plenamente modelada pelo Evangelho e pelo Espírito de Jesus Cristo.
 
Neste caso, a morte mais não é (e já é muito, já é tudo) que o encontro definitivo com Deus. É precisamente a este encontro definitivo que denominamos céu. Por aqui se vê que o céu não impede, antes favorece, o compromisso com as grandes causas do mundo e no homem.
 
Com efeito, é no coração do mundo e no coração do homem que vamos ao encontro de Deus. Fazendo já, no tempo, a experiência do céu. «Onde quer que o homem encontre Deus — diz Olegario González de Cardedal — aí está o seu céu».
 
Não há, na verdade, céu sem terra. Como escreveu Isabel da Trindade, «encontrei o céu na terra; porque o céu é Deus e Deus está dentro de mim».
publicado por Theosfera às 00:03

De António a 2 de Novembro de 2009 às 00:53
Não acreditaria em Deus se admitisse que Ele não nos destinasse a todos à vida eterna. Mesmo Hitler e outros iguais ? Sim. Todos,sem excepção.Mas cada qual no seu passo próprio.Como é que isso poderá acontecer ? Por mim, julgo ter encontrado a resposta na teoria da reencarnação, que me parece ser a mais plausível e lógica para a evolução de todas as almas no Caminho da Perfeição.E o Inferno existirá ? Na minha visão, existe o Inferno das nossas consciências e é através dos momentos dos remorsos e dos arrependimentos sinceros que vamos progredindo espiritualmente.Deus é Bondade Suprema e só Ele é capaz de amar infinitamente todos os Seus filhos...


mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro