O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 25 de Outubro de 2010

É um caso em que tendemos a separar o que Deus uniu.

 

Deus une a fé ao amor e o amor à fé. Nós, porém, gostamos de estabelecer fracturas e cisões.

 

Hoje, é cada vez mais frequente ouvirmos dizer que o importante é amar e que acreditar é secundário.

 

Mas também não basta acreditar. Acreditar sem amar não é evangélico. É coisa impossível a fé sem o amor. S. Paulo, de resto, já alertou que a fé actua pelo amor (cf. Gál 5, 6).

 

Amar é, por isso, fundamental e decisivo. Mas a fé é que inspira e enforma o amor. Longe da fé, tudo é oco, vazio e inane.

 

Amor sem fé seria como um invólucro sem conteúdo. Mas fé sem amor seria como um discurso sem acção. É o amor que dá crédito à fé.

 

A fé não precisa de se dizer quando existe amor. O amor, em si mesmo, já diz a fé. Onde há amor, flui a fé.

 

Deixa pois que Deus ame dentro de ti. Os outros terão um lugar central no teu ser.

 

Com fé, o amor brilha. Sem fé, o amor fenecerá. Mas, sem amor, a fé também murcha.

 

Um dia, talvez haja, na Santa Sé, uma sagrada Congregação para a vivência do Amor, tal como existe uma sagrada Congregação para a Doutrina da Fé.

 

Será uma forma de tornar visível o vínculo entre a fé  e o amor. Tudo sob a égide da esperança. A tal que, como alvitra Charles Péguy, «espanta o próprio Deus».

publicado por Theosfera às 11:00

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro