O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 25 de Outubro de 2010

José Mattoso é uma das pessoas que mais admiro. Não apenas pelo seu saber, que é muito, mas também pela sua humildade, que é ainda maior.

 

Ontem, deu uma entrevista sobre o seu percurso de vida, onde transparece toda uma panóplia de valores que cativam o mais desatento.

 

Assume-se como aluno de 13, 14 e não tem rebuço em qualificar-se como sofrível.

 

Isto dá logo que pensar. Como é que alguém excelente se apresenta como sofrível em contraste com tanta gente sofrível que se pavoneia como excelente?

 

Fala das suas opções, da sua entrada e da sua saída do mosteiro e do sacerdócio. No ar, fica uma necessidade de melhor se encontrar com Deus.

 

Há uma busca de pureza e autenticidade muito grande, que nem sempre é compreendida nem acolhida.

 

Evoca, com pesar, uma vida religiosa barroca, formal, assente nas exterioridades.

 

O que mais me toca é a referência a S. Francisco de Assis e à sua pureza que consiste em viver «o Evangelho sem glosa». Trata-se do «Evangelho despojado das derivas que foram acontecendo ao longo dos tempos». Trata-se, enfim, de uma procura da «autenticidade inicial».  

publicado por Theosfera às 10:50

De Maria da Paz a 26 de Outubro de 2010 às 01:17
As pessoas "do meu tempo" recordam-se de que, no Liceu, estudávamos História em compêndios da autoria de José Mattoso .
Que saudades!
Há dias li, algures, que José Mattoso era o autor dos «compêndios liceais aprovados pelo Estado Novo.»
Mas a verdade é que sabíamos História. Universal e Pátria.

Hoje, em Democracia (será?!), um desgraçado de um professor que tente leccionar 'Os Lusíadas' ou a 'Mensagem' fica de cabelos em pé quando os alunos "casam" a pobre Inês de Castro com D. Sebastião, ou quando "colocam" no trono, como primeiro rei de Portugal, o Infante D. Henrique, ou quando "descobrem" que os Portugueses derrotaram os Castelhanos na batalha de... "Alves Barrota". Juro que não estou a inventar nada: estas "anedotas" aconteceram nas minhas aulas, de há uns vinte anos a esta parte.
Caso para perguntar: afinal, que diabo aprendem os alunos nesta época?!!!
Caso para repensar o ensino nestes tempos!...
Saudades dos compêndios de Mattoso !
Maria da Paz



De Maria da Paz a 26 de Outubro de 2010 às 12:45
Confundi "Mattoso" Pai e Filho...´"Fica tudo em família", é certo: mas peço desculpa do erro.
Maria da Paz

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro