O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 01 de Junho de 2010

1. Entre a crise que não nos larga e o futebol que não nos deixa, mais um feriado.

 

Bem recebido por um povo cansado e com a alma abatida, ele serve, acima de tudo, para repousar. Quiçá, para afogar as mágoas e verter, ainda que escondidamente, algum pranto.

 

Bem tentam alguns que o feriado sirva também para celebrar e, nessa medida, para reflectir.

 

Mas estas não são, consabidamente, as nossas prioridades. Quando chega um feriado, o habitual é o deserto invadir as ruas e o tédio encobrir as almas.

 

 

2. O feriado do 10 de Junho é um feriado sobre nós, sobre Portugal.

 

Tirando as cerimónias e discursos oficiais, além de mais um estendal de condecorações, que vestígios há de uma paragem para reflectir?

 

No limite, cada um vai meditando sobre si e sobre os seus. Os problemas de cada um já são suficientemente aflitivos. Pouco — ou nenhum — espaço sobra, assim, para a comunidade.

 

E, no entanto, Portugal, na hora que passa e parafraseando Alexandre O’Neill, é uma questão que cada um transporta consigo mesmo.

 

Trata-se de uma questão momentosa e, aparentemente, insolúvel. A bem dizer, somos uma contradição contínua.

 

Fazemos publicidade ao território, mas temo-lo cada vez mais despovoado.

 

Gostamos muito do nosso país, mas, para progredir, temos de ir cada vez mais lá fora.

 

Não é de agora este nosso destino. É de há muito. É de sempre. Já o Padre António Vieira condensava com a mestria do seu génio: «Para nascer Portugal, para morrer o mundo».

 

Somos, pois, um povo pequeno, mas que, mesmo assim, não cabe em si.

 

Agigantamo-nos lá por fora e, não obstante, parece que nos acanhamos aqui dentro.

 

Conseguimos dar novos mundos ao mundo e, apesar disso, não resolvemos os problemas que asfixiam o nosso viver comunitário.

 

Dizem-nos que somos um país adiado, mas, nesse caso, já o somos há muitos séculos.

 

 

3. Houve algum momento em que Portugal não esteve em crise? Em que altura não se disse que vinham aí tempos difíceis?

 

A tudo temos sobrevivido. Temos sobrevivido à realidade, cruel. E temos sobrevivido aos diagnósticos, nada estimulantes.

 

Como refere Romana Petri, parece que já não há heróis e que dá a impressão de que o futuro acabou.

 

Quanto ao passado, também não se insiste muito. Navegamos à vista, nas ondas de uma conjuntura que não empolga, mas que também não nos anula.

 

Somos uma terra que se estende por todas as terras. E constituímos uma pátria em que se acolhem filhos de muitas pátrias.

 

Somos, por isso e como afirmava o Padre Manuel Antunes, uma excepção.

 

Formamos um país que «não é muito compreendido nem por estranhos nem por si próprio, um país, ao mesmo tempo, cêntrico e periférico».

 

Transportamos um paradoxo vivo. Somos «um povo místico mas pouco metafísico; povo lírico mas pouco gregário; povo activo mas pouco organizado; povo empírico mas pouco pragmático; povo de surpresas mas que suporta mal as continuidades, principalmente quando duras; povo tradicional mas extraordinariamente poroso às influências alheias».

 

 

4. Há já várias décadas, Manuel Antunes assinalava a chegada da «hora da acção».

 

Anotava, porém, que essa acção tinha de ser acompanhada pela reflexão.

 

Hegel avisa-nos de que se aprende muita história, mas que se aprende muito pouco com a história.

 

No fundo, resumimo-nos de mais, como recentemente alertava D. Manuel Clemente.

 

Mas é neste resumo que continuamos a sentir Portugal, a fazer Portugal e, não raramente, a chorar Portugal.

 

Tantas vezes, são essas lágrimas que nos identificam e pacificam. Aquilo que soa a desespero acaba por saber a esperança.

 

Apesar das tardes sofridas, acreditamos sempre que uma manhã radiosa voltará a brilhar.

 

É por isso que nunca desistimos de nós. É por isso que, não obstante as nuvens, há sempre um Portugal a nascer em milhões de corações espalhados pelo mundo!

 

publicado por Theosfera às 12:02

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9

13

26

27
28
29


Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro