O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 30 de Março de 2010

Foi Thomas Merton um dos espíritos mais vibrantes do século passado.

 

Luminosamente inteligente e desconcertantemente místico, teve a arte de dizer o que não é óbvio, mas de uma forma que poucos questionarão.

 

Monge trapista, faleceu já em 1968, mas estes mais de quarenta anos não lhe subtraíram actualidade. Ao invés, acrescentaram-lhe pertinência.

 

Eis o que ele escreveu sobre o que considerava ser um dos maiores paradoxos do cristianismo.

 

«O maior paradoxo da Igreja é que ela é, ao mesmo tempo, essencialmente tradicional e essencialmente revolucionária. Mas, no entanto, o paradoxo não é tão grande como parece, porque a tradição cristã, ao contrário de outras, é uma revolução viva e perpétua.

 

As tradições humanas tendem todas à estagnação e à decadência. Procuram perpetuar coisas que não podem ser perpetuadas. Prendem-se a objectos e a valores que o tempo destrói impiedosamente. Estão ligadas a uma série de coisas contingentes e materiais que mudam inevitavelmente e dão lugar a outras tantas.

 

A presença, na Igreja, de um forte elemento conservador não impede que a tradição cristã, sobrenatural na sua origem, seja uma realidade totalmente oposta ao tradicionalismo humano.

 

A tradição viva do catolicismo é como a respiração do corpo: renova a vida impedindo a estagnação. É uma revolução constante, serena e pacífica contra a morte».

publicado por Theosfera às 11:14

De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro