O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 16 de Março de 2010

 

1. Uma regra existe para ser observada. Mas, como é sabido, não há regra sem excepção.
 
E se a regra tem de ser respeitada, a excepção também tem de ser atendida. Na regra, seguir-se-á a regra. Na excepção, a atitude também tem de ser de excepção.
 
Será que já nos apercebemos de que se todas as leis fossem seguidas, nenhuma mudança se faria e, pior, a injustiça ter-se-ia perpetuado?
 
Portugal seria independente se os nossos antepassados fossem obedientes a Castela?
 
Quantas vidas não se teriam perdido se Aristides de Sousa Mendes cumprisse, estritamente, as ordens do Governo?
 
O nosso país seria uma democracia se os militares de há três décadas fossem obedientes ao Regime?
 
O leste da Europa viveria em liberdade se figuras como Lech Walesa, Vaclav Havel ou o Padre Jerzy Popielusko fossem obedientes ao poder constituído?
 
Noutro plano, o Sporting teria vencido a Taça das Taças em 1964 se Morais tivesse sido obediente ao treinador? Este, como se sabe, proibira-o de marcar cantos directos. Pois foi de canto directo (e, portanto, de uma desobediência) que resultou a vitória.
 
 
2. É óbvio que não se pode transformar a excepção em regra. Mas também não é lícito apelar para a regra quando estamos diante de uma excepção.
 
Os apóstolos desobedeceram à ordem do tribunal que os impedia de falar ou ensinar em nome de Jesus.
 
Optaram por obedecer antes a Deus que aos homens. Prevaleceu o ditame da consciência: «Não podemos calar o que vimos e ouvimos» (Act 4, 20).
 
Os cristãos dos primeiros séculos desobedeceram em massa às imposições dos juízes que os intimavam a abandonar a fé cristã.
 
Pagaram com o sangue a sua ousadia. Mas o seu martírio fez com que muitos aderissem a Cristo: «Sangue de mártires, semente de cristãos».
 
 
3. O próprio Jesus deu sempre mostras de uma soberana liberdade. Para com o Pai cultivou uma obediência incondicional (cf. Jo 4, 34). Já diante das leis dos homens (incluindo as leis religiosas) algumas vezes arriscou a desobediência.
 
Respeitava o sábado, mas não hesitou em desobedecer a algumas prescrições sobretudo em vista de um bem maior: o bem das pessoas (cf. Mt 12, 1-14).
 
Sabia também que a Lei estipulava que toda a mulher apanhada em adultério fosse apedrejada. Era a Lei e ponto final.
 
Uma vez mais, Jesus desconcertou. Não disse que a mulher procedeu bem. Mas não apoiou a condenação (cf. Jo 8, 11).
 
Era tão fácil dizer: «Cumpra-se a Lei». Mas Jesus arrisca desobedecer a uma lei por causa de uma outra lei, que Ele mesmo anuncia: a lei do amor.
 
 
4. Confesso que até a mim me arrepia esta soberana liberdade de Jesus. E assumo que tenho muita dificuldade em imitá-Lo. As convenções são muito fortes. E as pressões acabam por se fazer sentir.
 
Uma obediência estrita ajuda a manter a ordem. Mas nem sempre contribui para a salvaguardar a verdade e a justiça.
 
A obediência deve ser feita ao bem maior. A verdade e a justiça estão por cima da ordem e da conveniência.
 
Às vezes, é preciso abalar a ordem, sobretudo quando a ordem é injusta. John Bunyan não tinha dúvidas: «Prefiro ficar na prisão a atraiçoar a minha consciência».
 
Não basta não promover a injustiça. Urge que não nos conformemos com ela. Calar ante a injustiça é pactuar com ela.
 
Luther King denunciava: «A nossa geração vai ter de se arrepender não apenas das odiosas palavras e acções dos maus, mas também do confrangedor silêncio dos bons».
 
 Muitas vezes, a ordem encobre muita injustiça. Daí que, perante uma ordem injusta, desobedecer desponte como um imperativo.
 
Decidir não segundo a simples lei, mas segundo os ditames da consciência (o santuário secreto de que fala o Vaticano II) é um dom de Deus. É um sinal de fidelidade ao espírito do tempo e ao tempo do Espírito.
 
A obediência é uma virtude. Mas, em certos momentos, a desobediência pode ser uma necessidade.
 
Quando percorremos a história da humanidade, uma pergunta se acerca de nós: que seria do mundo sem a (persistente) desobediência de muitos?
publicado por Theosfera às 00:08

De António a 16 de Março de 2010 às 02:36
Há uma lei não escrita, mas, para mim, insuperável: O Amor de Deus que nos fala ao coração...

De Maria da Paz a 16 de Março de 2010 às 20:48
Rev.mo Senhor Doutor:
Sinto-me, finalmente, ressarcida!
Tenho passado a vida (na família e fora dela) a ser acusada de ser desobediente e, portanto, polémica.
Por todos os motivos, tenho imensa pena de que o meu santo Pai não possa ler este post " de V. Rev.ª (O que eu duvido é de que ele reconhecesse que, algumas vezes, a filha teve razão...)
Afectuosamente,
Maria da Paz


mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro