O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sexta-feira, 26 de Julho de 2013

Muito avisado, com a sua sapiência humilde, esteve Eduardo Lourenço quando escreveu: «Nós não enterramos os mortos. Os mortos é que se enterram em nós».

Muito de nós parte com eles. Muito deles permanece em nós.

Antoine de Saint-Exupéry percebeu muito bem este mútuo entranhamento: «Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós».

É assim o mistério da morte. É assim o mistério da vida.

Todos partem. Todos ficam enquanto não partem.

Somos peregrinos de uma pátria que se chama eternidade.

A saudade e a fé são os únicos bálsamos para tanta dor!

publicado por Theosfera às 22:36

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro