O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 24 de Novembro de 2019

Tu és rei, Senhor, e o Teu trono é a Cruz.

 

Tu és rei, Senhor, e Teu reino é o coração de cada Homem.

 

Tu és rei, Senhor, e estás presente no mais pequeno.

 

Tu és rei, Senhor, e estás à nossa espera no pobre.

 

Tu és rei, Senhor, e queres mais o amor que o poder.

 

Tu és rei, Senhor, e moras em tantos corações.

 

Tu és rei, Senhor, e primas pela mansidão e pela humildade.

 

Tu és rei, Senhor, e não tens exército nem armas.

 

Tu és rei, Senhor, e não agrides nem oprimes.

 

Tu és rei, Senhor, e não ostentas vaidade nem orgulho.

 

Tu és rei, Senhor, e a tua política é a humildade, a esperança e a paz.

 

Tu és rei, Senhor, e continuas a ser ignorado e esquecido.

 

Tu és rei, Senhor, e continuas a ser silenciado.

 

Tu és rei, Senhor, e vejo-Te na rua, em tanto sorriso e em tanta lágrima.

 

Tu és rei, Senhor, e vais ao encontro de todo o ser humano.

 

Tu és rei, Senhor, e és Tu que vens ter connosco.

 

Hoje, Senhor, vou procurar-Te especialmente nos simples, nos humildes, nos que parecem estar longe.

 

Hoje, Senhor, vou procurar estar atento às Tuas incontáveis surpresas.

 

Obrigado, Senhor, por seres tão diferente.

 

Obrigado, Senhor, por seres Tu!

publicado por Theosfera às 11:38

A. Só Cristo pode usar o possessivo em relação à Igreja



  1. Nos últimos tempos, há muita gente a usar uma linguagem de posse em relação à Igreja. Não raramente, deparamos com expressões do género «a minha Igreja» ou «a nossa Igreja».

Acontece que, talvez sem pensarmos muito nisso, acabamos por ofuscar que a Igreja é de Cristo. Só Cristo tem direito de usar o possessivo em relação à Igreja. E, de facto, Ele usa-o. Na primeira vez em que a palavra «Igreja» aparece no Evangelho — em Mateus 16, 18 —, Cristo não hesita em falar da «Minha Igreja»: «Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a Minha Igreja».



  1. São Paulo, sem esquecer que todos nós somos membros da Igreja (cf. 1Cor 12, 12; Rom 12, 5; Ef 5, 30), tem o cuidado de lembrar — e com muita ênfase — que só Cristo é a «cabeça» da Igreja. Fá-lo na Carta aos Efésios por três vezes (cf. Ef 1,23; 4,16; 5,23) e na Carta aos Colossenses por duas vezes (cf. Col 1,18; 2,19).

Daqui decorre que a Igreja não tem identidade própria. A identidade da Igreja não é própria, é derivada: vem-lhe de Cristo. Esta é a verdadeira — mas, por vezes, tão esquecida — «hierarquia». Recorde-se que, segundo alguns, «hierarquia» significa não tanto «poder sagrado», mas sobretudo «princípio (“archê”) sagrado». Para a Igreja, o «princípio sagrado» é Cristo, a vida de Cristo, a mensagem de Cristo, o seguimento de Cristo.


B. Mundanizar o Cristianismo ou cristianizar o mundo?



  1. Pertencer à Igreja significa pertencer a Cristo. Fazer parte da Igreja significa fazer parte de Cristo. Sacramentalmente, é o que acontece; mas, existencialmente, será o que se verifica? Desde o Baptismo, deixamos de ser nós para ser Cristo em nós (cf. Gál 2, 20).

Há quem diga — e com razão — que o segredo do êxito está na adaptação. Assim sendo, o segredo do êxito da Igreja está na sua contínua adaptação a Cristo. Não é Cristo que tem de Se adaptar a nós; nós é que temos de nos adaptar a Cristo. Não é Cristo que tem de ser como nós; nós é que temos de ser como Cristo.



  1. Aliás, é aqui que reside a nossa felicidade e a nossa salvação. Seremos felizes — e estaremos salvos — quando seguirmos Cristo, quando procurarmos ser como Cristo. É por isso que, quando se fala da necessidade de um Cristianismo moderno, devíamos falar também — e sobretudo — da urgência de uma modernidade cristã.

O Cristianismo tem as marcas do nosso tempo. Mas o importante é que o nosso tempo tenha as marcas do Cristianismo. É preciso trazer o mundo até Cristo e é (absolutamente) decisivo levar Cristo até ao mundo. Nesta interacção, não é o mundo que há-de ser o critério para Cristo; Cristo é que há-de ser sempre o critério para o mundo. Assim, o nosso propósito deve ser não «mundanizar» o Cristianismo, mas cristianizar o mundo. Não tornemos o Cristianismo mais mundano; tornemos, antes, o mundo mais cristão.


C. Mais necessário que mudar com o mundo é mudar o mundo



  1. O habitual é aplaudir quem ao mundo se acomoda. Só que Cristo aprova sobretudo quem com o mundo se incomoda. O mundo é o nosso lugar, mas não é a nossa lei. Jesus foi bem claro: os Seus discípulos estão no mundo, mas não são do mundo (cf. Jo 17, 16). Como entender então que os cristãos olhem para Cristo com os olhos do mundo em vez de olharem para o mundo com os olhos de Cristo?

A prioridade não devia ser mudar com o mundo, mas contribuir para mudar o mundo, que tanto precisa de ser mudado. Aliás, se o objectivo da Igreja fosse acomodar-se ao mundo, haveria ídolos, mas não haveria mártires. Os ídolos são aqueles que o mundo aplaude. Os mártires são aqueles que o mundo condena.



  1. Nós veneramos os mártires, mas, frequentemente, optamos por imitar os ídolos. Se a lógica dos mártires fosse a acomodação, não teriam sido mortos. Mas alguma vez seriam uma referência? Os mártires foram mortos por não se acomodarem ao mundo. E tornaram-se uma referência porque incomodaram o mundo.

Daqui se segue que, se o mundo não está melhor, é talvez porque nós, cristãos, nem sempre temos estado bem. O mundo não melhora quando os cristãos se conformam. O mundo só acorda quando os cristãos despertam.


D. A realeza de Cristo e a realidade da Igreja



  1. Comecemos por perceber que a realidade da Igreja está, indelevelmente, marcada pela realeza de Cristo. Por conseguinte, é a realeza de Cristo que há-de orientar sempre a realidade da Igreja.

Hoje, solenidade de Cristo Rei, é dia de começarmos a perceber — se ainda não percebemos — que, como recorda São Paulo, foi Deus «que nos transferiu [há quem diga “transportou”] para o Reino de Seu Filho muito amado» (Col 1, 13). Ao fazer esta «transferência» — ou este «transporte» —, Deus quer que nos deixemos guiar sempre por Seu Filho, Jesus Cristo.



  1. Só em Cristo, encontramos a redenção, o perdão dos pecados (cf. Col 1, 14). Daí a natureza única deste reinado, que nós, porventura, ainda não compreendemos nem agradecemos.

Cristo não é um rei que tira; é um rei que dá. Parafraseando Bento XVI, diria que Cristo não tira nada; dá tudo. Trata-se, pois, de um rei incomparável. O Seu trono é a Cruz e o Seu território é toda a humanidade. É na Cruz que Cristo dá tudo. É na Cruz que Cristo Se dá por todos.


E. Não tentemos mudar Cristo; deixemo-nos sempre mudar por Cristo



  1. Deus criou tudo por Cristo e para Cristo (cf. Col 1, 16), Deus mantém tudo em Cristo (cf. Col 1, 17). Cristo está antes de tudo, está em tudo e está depois de tudo: «nos céus e na terra, nos seres visíveis e invisíveis […], nos senhorios, nos principados e nas potestades» (Col 1, 16).

Somente em Cristo encontramos «a plenitude de todos os bens» (Col 1, 19). Em tudo, «Ele tem o primeiro lugar» (Col 1, 18). Este primeiro lugar é um lugar de serviço, é um lugar de dádiva, é um lugar de entrega. É pelo sangue derramado na Cruz que Cristo faz a paz entre todos (cf. Col 1, 20).



  1. É por isso que Cristo é um rei universal e eterno, sem condicionalismos de espaço e sem limites de tempo. Cristo é rei para todos, Cristo é rei para sempre. É pela Igreja, Seu Corpo, que Cristo continua a reinar, dando tudo, dando-Se a todos, dando sempre. Curiosamente, foi um condenado o primeiro a perceber — e a receber — o reinado de Cristo. «Lembra-Te de mim — suplica um dos crucificados com Cristo — quando vieres com a Tua realeza» (Lc 23, 42). A resposta não se fez esperar: «Hoje mesmo estarás coMigo no Paraíso» (Lc 23, 43).

No reino de Cristo, não há muros nem fronteiras. Não há exclusões nem empurrões. E até os que parecem estar fora podem ser os primeiros a entrar. Deixemos então que Cristo reine sobre nós. Não tentemos mudar Cristo, coisa aliás impossível. Deixemos que seja Cristo a mudar-nos. Deixemos que Cristo mude a nossa vida. Que Cristo seja rei. E que, para todos, o Seu amor seja Lei, a única Lei!

publicado por Theosfera às 05:44

Hoje, 24 de Novembro (34º e Último Domingo do Tempo Comum, Solenidade de Cristo Rei), é dia de Sto. André Dunc-Lac e seus Companheiros, Sta. Flora, Sta. Maria, Sta. Eanfleda, Sta. Ana Maria Sala, S. Clemente Delgado, S. Vicente Lién e S. Domingos Khan.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2019
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

13

19
20
21
22



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro