O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 29 de Setembro de 2019

Obrigado, Senhor, por não nos deixares sós.

Obrigado por estares sempre connosco, sempre em nós.

 

A Tua presença é a nossa vida,

a cor dos nossos sonhos,

o horizonte do nosso olhar.

 

Tu és família,

uma família de amor formada pelo Pai, pelo Filho e pelo Espírito Santo.

 

Que todas as famílias vivam esse amor.

Que o amor de todas essas famílias seja alimentado pelo Teu amor.

 

Que os problemas não vençam as famílias.

Que as famílias possam vencer os problemas.

 

Mas sem Ti nada se consegue.

ConTigo tudo se obtém,

tudo se alcança.

 

As famílias são um pequeno mundo.

Que o mundo possa ser uma grande família.

 

Que estejamos todos unidos.

Que sejamos sempre amigos.

Que sejamos sempre irmãos.

 

Que as famílias não sejam fonte de sofrimento.

Que as famílias sejam espaço de paz,

tolerância, concórdia e amor.

 

Que sejamos como as crianças:

simples, humildes e puras.

 

Que saibamos acolher as crianças,

os mais simples e os mais pequenos.

 

Que as crises nos deixem mais fortes.

Que não vacilemos no amor.

 

A eternidade é amor.

O amor é eterno.

 

Que saibamos alimentar o amor

com a Tua palavra e o Teu pão.

 

Obrigado, Senhor, por tanto.

Obrigado, Senhor, por tudo.

 

Mãe do amor formoso,

inspira os nossos corações,

lava o nosso espírito.

 

Faz projectar no mundo

a paz de Teu Filho,

a paz de JESUS!

publicado por Theosfera às 11:57

A. Bela é a Festa, mas superficiais são muitas festas

  1. Nada há mais belo do que a Festa, mas, por vezes, poucas coisas há tão superficiais como as festas. Há quem salte de festa em festa não para celebrar, mas apenas para ostentar e para humilhar quem não pode festejar.

Habitualmente, as festas são mais para divertir do que para celebrar. Mas era bom que não deixássemos de reflectir sobre o que fazemos quando nos andamos a divertir. O Evangelho deste Domingo é uma bela oportunidade para fazer tal meditação.

 

  1. Há um grande investimento na «indústria da diversão» e um reduzido empenhamento no combate à miséria. Será que a melhor festa não seria o apoio aos mais desfavorecidos? A festa que mais agrada a Deus não será a que promove a dignidade do homem?

O Evangelho deste dia fala-nos de alguém, rico, que andava sempre em festas. Vestia-se de púrpura e linho fino para, todos os dias, participar nas tais «esplêndidas festas» (Lc 16, 19).

B. Deus olha para o que mais ninguém vê

3. Acontece que, à porta deste homem rico, estava um homem pobre, que se contentaria com as sobras dos banquetes que se repetiam naquela casa. É curioso notar que do rico não se diz o nome, ao passo que o pobre é nomeado. Chamava-se Lázaro (cf. Lc 16, 20).

Deus toma o partido dos mais desfavorecidos. Ao contrário do que possamos pensar, Deus não é imparcial. Deus toma partido pelos preteridos deste mundo. Os preteridos do mundo são os preferidos de Deus.

 

  1. Acresce que há uma outra mensagem que, em filigrana, atravessa este texto. Os bens que temos não são apenas nossos. Foram-nos entregues não apenas para nós. Foram-nos entregues para nosso sustento, mas não para nossa ostentação. O que é dado a cada um tem de ser colocado ao serviço de todos.

Um dos elementos estruturantes da tão esquecida Doutrina Social da Igreja é o destino universal dos bens. Porque cada um de nós faz parte da mesma humanidade, em relação a todos tem de haver solidariedade. Eis o que falta, eis o que urge. Este investimento tão avultado no entretenimento muita falta faz para que o alimento possa chegar a todos.

C. O que temos será que nos pertence?

5. A Liturgia deste Domingo volta a propor uma reflexão muito assertiva sobre a nossa relação com os bens deste mundo. Somos convidados a vê-los não como algo que nos pertence de forma absoluta, mas como dons que Deus colocou nas nossas mãos, para que os administremos e partilhemos, com gratuidade e amor.

Na Primeira Leitura, o profeta Amós denuncia — com veemência e até alguma violência — uma classe dirigente ociosa, que vive no luxo, à custa da exploração dos pobres e que não se preocupa minimamente com o sofrimento e a miséria dos humildes. O profeta anuncia que Deus não pactua com esta situação, pois este sistema de injustiça atenta flagrantemente contra o projecto de Deus.

 

  1. O mais grave é que todo este luxo e esbanjamento resultam da exploração dos mais pobres e das reiteradas agressões cometidas contra os fracos. Esta classe rica — e indolente — vive egoisticamente mergulhada no seu mundo cómodo e não se preocupa minimamente com a miséria e o sofrimento que aflige os seus irmãos.

Acresce que os pobres trabalham não para si, mas para sustentar as excentricidades dos ricos que os exploram. Naquele tempo, os profetas falavam. Será que, neste tempo, podemos ficar calados? Se Deus não pactua com esta situação, podemos nós ser coniventes com esta realidade?

D. Ter a mais faz tão mal como comer demais

7. A «gula de possuir» é tão prejudicial como «a gula de comer». O que se possui a mais, tal como acontece quando se come demais, faz mal ao que possui e faz falta a quem nada tem. Aos bens pode aplicar-se a conhecida máxima: «Circular é viver». Os bens devem circular entre nós e não estacionar em ninguém.

Ao tomar partido pelos mais desfavorecidos, Deus inverte o sentido da história. Aqueles que o mundo exalta são reprovados por Deus. Aqueles que o mundo humilha são exaltados por Deus. Qual é a nossa opção?

 

  1. Esta parábola tem duas partes. Na primeira (cf. Lc 16, 19-26), Lucas apresenta dois personagens: um rico, que vive luxuosamente, e um pobre, que vive miseravelmente e está doente. No entanto, a morte dos dois muda radicalmente a situação.

Deus lembra-Se dos esquecidos sem esquecer os habitualmente lembrados. Aos primeiros acolhe, aos segundos adverte. Lázaro foi «levado pelos anjos ao seio de Abraão» (Lc 16, 22). Ou seja, entrou no «banquete do Reino», onde os eleitos se juntarão. Curiosamente, não se diz se Lázaro levou na terra uma vida exemplar ou se cometeu más acções. Não é isso que conta. Deus acolhe-o porque, sendo misericordioso, não é indiferente a quem está na miséria.

E. Os bens devem circular sempre

9. Porque é que o rico vai para um «lugar de tormento» (Lc 16, 24)? Fundamentalmente, porque se esqueceu de fazer circular o que tinha. Porque não olhou para quem estava à sua porta. Porque só pensava em si e naqueles que o poderiam favorecer. O Reino de Deus é para todos, mas não é para tudo. A indiferença não tem lugar junto de Deus. Se Deus é diferente, como é poderemos nós ser indiferentes?

É preciso perceber que tudo o que temos é recebido. As coisas que temos, antes de serem coisas nossas, são dons de Deus. E uma vez que Deus é Pai de todos, o que Ele nos deu é também para chegar aos outros, sobretudo aos que mais precisam. Quem usa os bens para ter uma vida luxuosa e ostentatória, esquecendo-se das necessidades dos outros homens, está a pecar contra Deus porque não olha devidamente para muitos dos Seus filhos.

 

  1. A segunda parte do Evangelho (cf. Lc 16, 27-31) apresenta o caminho certo para aprender a atitude correcta em relação aos bens. Não é um milagre de última hora, como enviar os mortos avisar os vivos (cf. Lc 16, 26) que nos assegura a salvação. O que conta é escutar a Palavra de Deus: «Têm Moisés e os profetas; que os oiçam» (Lc 16, 29). Nós temos Moisés, nós temos os profetas, nós temos Jesus; será que os escutamos?

No fundo, toda esta parábola é uma ilustração das Bem-Aventuranças. Anuncia-se que o projecto de Deus passa por um Reino de fraternidade, de amor e de partilha. Quem recusa esse projecto, escolhendo viver enclausurado no seu egoísmo, não pode fazer parte do mundo novo de fraternidade que Deus oferece aos homens. A eternidade começa no tempo, o Céu começa na Terra. O que queremos para nós depois ofereçamo-lo aos outros agora. Colheremos aquilo que semearmos. Deus está atento ao nosso agir. Não nos esqueçamos de — com os outros — repartir!

publicado por Theosfera às 04:50

Hoje, 29 de Setembro (26º Domingo do Tempo Comum), é dia de S. Miguel, S. Gabriel, S. Rafael e S. Nicolau de Forca Palena.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2019
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro