O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sexta-feira, 16 de Novembro de 2018

Hoje, 16 de Novembro, é dia de Nossa Senhora da Saúde, Sta. Margarida da Escócia, Sta. Gertrudes, S. Roque González, Sto. Afonso Rodríguez e S. João del Castillo.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 05:29

Quarta-feira, 14 de Novembro de 2018

Hoje, 14 de Novembro, é dia de S. Nicolau de Tavelic, S. José de Pignatelli e S. Serapião.

Um santo e abençoado dia para todos.

publicado por Theosfera às 00:00

Terça-feira, 13 de Novembro de 2018

Hoje, 13 de Novembro (1664º aniversário do nascimento de Sto. Agostinho e 89º aniversário do nascimento de minha Mãe), é dia de Sto. Estanislau Kostka, Sta. Agostinha Lívia Pietrantoni, S. Diogo de Alcalá, Sto. Homembom, Sto. Eugénio Bossinok e Sto. Artémis Zatti.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

Segunda-feira, 12 de Novembro de 2018

Hoje, 12 de Novembro (27º aniversário do Massacre de Santa Cruz, em Díli), é dia de S. Josafat de Kuncevicz, S. Teodoro Studita e S. Cristiano e companheiros calmadulenses.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

Domingo, 11 de Novembro de 2018

Tudo sobe para cima.
Tudo caminha para o alto.
Tudo tende para o fim.

 

E, na verdade, o que importa é o fim,
o fim para o qual nos chamas.

 

Tu, Senhor, chamas-nos para a felicidade,
para a alegria, para a justiça, para a paz.

Tu, Senhor, chamas-nos para Ti.

A vida é cheia de sinais.
É importante estar atento a eles.
É fundamental deixarmo-nos guiar por eles.

 

Neste mundo, tudo passa.
Nesta vida, tudo corre.
Neste tempo, tudo avança.
Só a Tua Palavra permanece, Senhor.

 

Obrigado por nos reunires,
por nos congregares,
por nos juntares.

 

De toda a parte Tu chamas,
Tu convocas,
Tu reúnes.

Obrigado, Senhor, pela esperança
e pelo ânimo,
Pelo vigor e pela presença.

 

O importante não é saber a hora do fim.
O fundamental é estar pronto, preparado, disponível.

 

Para Ti, Senhor, o fim não é destruição nem dissolução.
ConTigo, Senhor, o fim é plenitude, realização, felicidade.

Em Ti já sabemos o que nos espera.

Tu, Senhor, és a esperança e a certeza da esperança.

Tu já abriste as portas.
Tu já inauguraste os tempos últimos, os tempos novos.

 

ConTigo nada envelhece.
Em Ti tudo se renova.
Renova sempre a nossa vida,
JESUS!

publicado por Theosfera às 11:28

A. Não rica porque tem, mas rica porque dá

 

  1. Não há dúvida de que Jesus é o maior — para não dizer o único — revolucionário da história. Ele não Se limita a trazer novidades; Ele mesmo é a novidade. Ele não muda apenas o exterior; Ele muda tudo a partir do interior. Ele não altera somente as estruturas; Ele transforma toda a vida. Para Jesus, o muito não é o critério para o pouco; o pouco é que é critério para o muito. Para Jesus, o grande não é critério para o pequeno; o pequeno é que é critério para o grande. No fundo, só o pequeno é verdadeiramente grande.

Neste Domingo, aquele Jesus que proclama «felizes os pobres» (Mt 5, 3) apresenta-nos como modelo uma mulher pobre (cf. Mc 12, 42), que, no fundo, até era rica. Ela não é rica porque tem; ela é rica pelo que dá. Ao dar o pouco que tinha (cf. Mc 12, 44), ela mostrou ser mais rica que os maiores ricos. É que enquanto os outros davam do que tinham, ela deu o que tinha, que era esse pouco. Ao dar esse pouco, ela deu tudo, deu-se a si mesma. Os outros eram ricos de ter, mas vazios de ser. Pelo contrário, esta mulher, vazia de ter, revelou que era imensamente rica de ser.

 

  1. Esta diferença encerra uma grande — enorme — lição. De facto, Deus não aprecia quem dá pouco, mas também não se satisfaz com quem dá muito. Deus gosta de quem dá tudo, de quem se dá todo, de quem se entrega completamente. Foi, aliás, essa a atitude do próprio Jesus. Como reconheceu São Paulo, Jesus, que era rico, fez-Se pobre para nos enriquecer com a Sua pobreza (cf. 2Cor 8, 9).

Isto significa que a pobreza é a maior riqueza. Não se trata de um contraste nem sequer de um paradoxo. Ser pobre é sobretudo ser disponível. Ser pobre é vencer as prisões que nos esganam. Ser pobre é não ser possuído; é repartir o que se possui, o que se é.

 

B. Pobreza não é o mesmo que miséria

 

3. Facilmente percebemos que pobreza não é o mesmo que miséria. O mal não está na pobreza; o mal está na miséria. Pelo que se todos soubessem ser pobres, a miséria terminaria. Miséria é quando não se tem; pobreza é quando se reparte o que se tem. Daí que o Abbé Pierre tenha sinalizado a diferença: «A miséria é aquilo que impede um homem de ser homem. A pobreza é a condição para ser homem».

Assim sendo, é a pobreza que nos faz perceber que viver é conviver. É a pobreza que nos permite entender que não somos proprietários definitivos de nada, mas somente administradores provisórios de tudo. O que temos não nos pertence só a nós. De resto, nem nós mesmos somos donos de nós.

 

  1. É por isso que, ao contrário de Sartre, que achava que «o inferno são os outros», o mesmo Abbé Pierre proclamava que «o inferno é viver sem os outros». A miséria é infernal porque há corações que são como muros. Jesus declara felizes os pobres (cf. Mt 5, 3) porque não suportam viver sem os outros, porque não estão condicionados pelo espaço, pelo tempo nem pela posse.

Os pobres são felizes porque vivem expropriados. Não se sentem donos de nada nem tão-pouco se consideram donos de si. Eles são felizes com a felicidade dos outros. Os pobres são felizes porque são, literalmente, «extro-vertidos», ou seja, vivem voltados para fora de si, são totalmente descentrados. O seu centro é Deus e são os irmãos, que eles encaram como filhos de Deus.

 

C. Só a dádiva cobre a dívida

 

5. Não há dúvida de que o século XX foi o século dos direitos humanos. Mas também foi o século da violação de muitos desses direitos. O século XXI terá de ser, pois, o século dos direitos de todos e dos deveres de cada um. Já o Abbé Pierre sintetizara: «O século XXI será fraterno ou fracassará». É urgente não ignorar que Deus está não só no Céu, mas também na Terra. É particularmente imperioso estar atento à presença soterrada de Deus nos que são atirados para a miséria.

Cada pessoa tem uma alma. Mas, «antes de lhe falarmos dela, coloquemos uma peça de roupa e um tecto por cima dessa alma. Depois disso, explicar-lhe-emos o que está lá dentro». Não se trata apenas «de dar algo de que viver, mas de oferecer aos infelizes razões para viver».

 

  1. A dívida não é só quando temos algo para pagar. A dívida existe também — e sobretudo — quando vemos alguém a necessitar. Regra geral, preocupamo-nos com as dívidas em relação aos bens. Era bom que nos preocupássemos com as dívidas que temos para com as pessoas. É que se pensarmos bem, todos somos devedores, todos estamos em dívida e todos devemos ser dádiva. Só a dádiva cobre a dívida!

Esta mulher pobre deu tudo para o templo de Deus. Sucede que, hoje em dia e como nos recorda S. Paulo, o verdadeiro templo de Deus é o ser humano (cf. 1Cor 3, 16). Foi por isso que Sto. Ireneu notava que «a maior glória de Deus é o homem vivo». Pelo que tudo aquilo que for feito ao ser humano acaba por ser feito ao próprio Deus. Daí que S. João nos avise: «Quem ama a Deus, ame também o seu irmão»(1Jo 4, 21).

 

D. Cuidado com as vistas curtas

 

7. Acresce que a atitude da mulher pobre — que, afinal, era mais rica do que todos os ricos — mostra que, neste mundo, tudo é passageiro. A mulher pobre — mais rica do que todos os ricos — ensina-nos que, no presente, é preciso olhar para o futuro e avançar para o eterno.

O presente há-de ser construção do futuro. Mas, para isso, é preciso estar disposto a transformar o presente, a não ficar amarrado às vistas curtas que acabamos por ter em cada presente. Já Xavier Zubiri olhava para o presente como «transcorrência», isto é, como passagem para o futuro. E, nessa medida, como porta aberta para o eterno.

 

  1. É possível que, muitas vezes, nos deixemos amarrar pelas mesmas vistas curtas dos senhores importantes da época de Jesus. Só partilhamos as sobras. Se repararmos bem, gastamos muito — em tempo e dinheiro — em inutilidades, em inanidades, em futilidades.

O que não fazemos para passearmos «longas vestes» e para registarmos «cumprimentos» nas praças (cf. Mc 12, 38)! As praças de hoje podem ser as redes sociais e os cumprimentos podem ser os «likes» que gostamos de exibir. O que não fazemos para disputar os «primeiros assentos» e os «primeiros lugares» (cf. Mc 12, 39). Achamos que é assim que triunfamos.

 

E. Nunca perdemos quando (nos) damos

 

9. No fundo, corremos o risco de viver a fingir (cf. Mc 12, 40). Fingimos que rezamos, fingimos que partilhamos, fingimos que somos amigos. Fingimos que vivemos? Jesus não gosta do fingimento e tem palavras muito duras para com os fingidos (cf. Mc 12, 40).

É preciso ser e não fingir ser. É importante dar e não fingir que se dá. Ser e dar só na totalidade. Somos sempre o que damos e devemos dar sempre o que somos. É fundamental que a nossa língua esteja em sintonia com a nossa alma. E é decisivo que o nosso exterior seja o eco do nosso interior.

 

  1. Só o pobre entende o pobre. Só quem sente privações é sensível às provações. Aprendamos, então, com os pobres e peçamos a Deus que nos dê um coração de pobre. Aprendamos com Jesus, que nos enriquece com a Sua pobreza (cf. 2Cor 8, 9). Se meditássemos na riqueza que há na pobreza, estaríamos mais atentos à pobreza de tantas riquezas. Com efeito, se olhássemos para a pobreza de tantas riquezas, pediríamos a Jesus que nos enriquecesse com a Sua pobreza.

Aliás, nós sabemos que, ainda hoje, quem mais ajuda são os pobres, são os simples, são os humildes. Só que, tantas vezes, nós recebemos o dinheiro dos pequenos e fazemos agradecimentos aos grandes. Também em Igreja temos de perceber que, sem discriminar ninguém, são os pobres que nos dão lições. Assim fez Jesus. Jesus valorizou esta «pobre viúva»: porque não deu pouco, porque não deu muito, mas porque deu tudo. Como seria diferente o mundo se cada um de nós conjugasse mais o verbo «dar». Comecemos hoje. Nunca perdemos quando nos damos. Quando nos damos, deixamos de habitar só em nós. Quando nos damos, muitas portas se abrem além de nós. Quando nos damos passamos a habitar naqueles a quem nos entregamos!

publicado por Theosfera às 05:09

Hoje, 11 de Novembro (32º Domingo do Tempo Comum), é dia de S. Martinho de Tours e de S. Menas.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

Sábado, 10 de Novembro de 2018

Hoje, 10 de Novembro, é dia de S. Leão Magno, Sto. André Avelino e Sta. Natalena.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

Sexta-feira, 09 de Novembro de 2018

Hoje, 09 de Novembro, é dia da Dedicação da Basílica de S. João de Latrão (sé catedral do Papa enquanto Bispo de Roma), S. Teodoro e S. Luís Morbióli.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

Quinta-feira, 08 de Novembro de 2018

Hoje, 08 de Novembro, é dia de S. Carpo, S. Papilo, Sta. Agatónica, S. Severo, S. Severiano, S. Carpóforo, S. Vitorino, Sta. Isabel da Trindade e S. João Duns Escoto.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:31

Quarta-feira, 07 de Novembro de 2018

Hoje, 07 de Novembro, é dia de Sto. Herculano, S, Vicente Grassi, S. Vilibrordo, Sto. Ernesto, Sta. Catarina de Cattaro e S. Francisco de Palau e Quer.

Um santo e abençoado dia para todos.

publicado por Theosfera às 00:00

Terça-feira, 06 de Novembro de 2018

Hoje, 06 de Novembro, é dia de S. Nuno de Santa Maria (D. Nuno Álvares Pereira), Sto. Inácio Delgado, S. Francisco Capillos, Sto. Afonso de Navarette e S. Leonardo de Noblat.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

Segunda-feira, 05 de Novembro de 2018

Hoje, 05 de Novembro, é dia de S. Zacarias, Sta. Isabel, Sta. Francisca Amboise e S. Caio Coreone. Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

Domingo, 04 de Novembro de 2018

É tanto o que dás, Senhor.

Tudo em Ti é dom, tudo em Ti é dádiva.

 

Tu dás o Pão, Tu dás a Palavra.

Tu és o Pão, Tu és a Palavra,

Pão que alimenta, Palavra que salva.

 

 

Há muita gente que só olha para os grandes.

Mas são os mais pequenos que têm os gestos grandes,

os gestos maiores, os gestos de maior generosidade.

 

Ensina-nos, Senhor, a dividir

e ajuda-nos a saber multiplicar.

 

Afasta de nós todo o fingimento,

toda a duplicidade.

 

Ajuda-nos a sermos autênticos, sinceros, inteiros.

Faz de nós pessoas transparentes e serviçais.

 

Que não olhemos para as aparências nem para a posição social.

Que só queiramos fazer o bem e dizer a verdade.

 

 

Que não disputemos os primeiros lugares

e que saibamos abrir os lugares para os outros.

 

Que não queiramos tudo só para nós.

Que saibamos repartir com quem se aproxima de nós.

 

Que não queiramos convencer com as palavras dos lábios

e que apostemos sobretudo no testemunho de vida.

 

Que não queiramos ser os melhores.

Que aprendamos a dar o nosso melhor.

 

Que tudo em nós não seja só para nós.

Que tudo em nós seja para os outros.

Como a pobre viúva do Evangelho.

Como Tu, JESUS!

publicado por Theosfera às 11:01

A. A pergunta sobre o primeiro mandamento

 

  1. No meio de tantas leis, como discernir qual é a lei mais importante, a mais necessária e a mais urgente? Afinal, no meio de tantas leis, qual será a primeira lei? Foi essa a pergunta que fizeram a Jesus: «Qual é o primeiro de todos os mandamentos?» (Mc 12, 28).

Aparentemente, a resposta até seria fácil. À partida, não seria muito difícil escolher um de entre dez.

 

  1. Sucede que a Lei (Thora) compreendia não só os Dez Mandamentos, mas tudo quanto estava inserido nos cinco primeiros livros da Bíblia: Génesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronómio.

Foi a partir deles que os doutores da Lei chegaram a contabilizar 613 preceitos: 365 negativos, que estipulavam o que não se podia fazer, e 248 positivos, que apontavam o que se devia realizar. Uma coisa é escolher o maior de entre dez e outra coisa — bem diferente e bem mais difícil — é seleccionar o mais importante no meio de 613.


 

B. O segundo mandamento faz parte do primeiro

 

  1. Acontece que, na magistral resposta que dá, Jesus não só diz qual é o primeiro mandamento como aponta logo o segundo. Dá mesmo a entender que os dois só podem ser compreendidos — e vividos — em conjunto, em «pacote».

Jesus não deixa subsistir qualquer dúvida de que o amor a Deus está acima de tudo. Mas, ao colocar o amor ao próximo em estreitíssima ligação com o amor a Deus, mostra que é impossível amar a Deus não amando o próximo. Não é possível amar a Deus sem amar o próximo e é inteiramente impossível amar o próximo sem amar a Deus. Dir-se-ia que o amor a Deus imprime o amor ao próximo e o amor ao próximo exprime o amor a Deus.

 

  1. É espantoso verificar como a acção contida neste duplo mandamento é o amor. Ou seja, o que Jesus espera de nós — para com Deus e para com o próximo — é o mesmo, é o amor. A prioridade não é o conhecimento, não é sequer o trabalho; é o amor. No fundo, o amor é a lei; no fundo, a lei é o amor. Que temos feito nós desta lei? Que estamos nós dispostos a fazer desta lei?

Se repararmos, o amor foi a lei que Jesus nos deixou pois foi a lei que Jesus sempre viveu. Trata-se de uma lei que se encontra esculpida no Mandamento Novo: «Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei» (Jo 13, 34). Só que a lentidão com que nós, cristãos, vivemos essa lei é exasperante. Nos começos, notava-se um grande entusiasmo à volta desta lei. Tertuliano dá-nos conta de que os outros, olhando para os cristãos, exclamavam: «Vede como eles se amam!» Ou seja, «vede como eles fazem o que dizem»; «vede como eles cumprem a sua lei».


 

C. A lei do amor consegue mais que o amor da lei

 

  1. Se a lei do amor fosse mais observada, as outras leis quase poderiam ser dispensadas. Já dizia Disraeli: «Quando os homens são puros, as leis são desnecessárias; quando são corruptos, as leis são inúteis». Com efeito, um homem honesto não precisa da lei para melhorar. Já um homem desonesto nem com a lei melhora.

Tudo isto certifica que obtemos mais com a lei do amor do que com o amor da lei. O mero amor da lei esquece, quase sempre, que a lei é um instrumento, não uma finalidade. A lei existe para proteger as pessoas, nunca podendo servir de pretexto para destruir pessoas. Importa ter presente que, como lembrou Luther King, «tudo o que Hitler fez na Alemanha foi legal». Arrepia, mas é verdade: há sempre vidas que vão sendo degoladas à luz da lei, na escuridão de certas leis.

 

  1. Jesus não veio revogar as leis, mas aperfeiçoar a Lei (cf. Mt 5, 17). E o critério de Jesus para aperfeiçoar a Lei foi sempre o amor. O amor deve ser vivido junto dos que pensam como nós e não deve esquecido junto dos que pensam diferente de nós.

Parafraseando Pedro Laín Entralgo, diria que é preciso ser «consensuante» mesmo com quem se mostra «discrepante». Assim, o crente amará os que merecem ser amados e não deixará de amar os que, não merecendo, também precisam de ser amados.


 

D. É impossível amar a Deus não amando o próximo

 

  1. Jesus está em sintonia com a Lei. Situa o amor a Deus no Livro do Deuteronómio 6, 5: «Amarás o Senhor, teu Deus, com todo o teu coração, com toda a tua alma e com todas as tuas forças».

E enquadra o amor ao próximo no Livro do Levítico 19, 18: «Amarás o próximo como a ti mesmo». Aqui, cita uma outra passagem da Lei.

 

  1. Se este segundo mandamento é semelhante ao primeiro, podemos concluir que ele não é apenas segundo, mas que também faz parte do primeiro. Sendo assim, o amor a Deus é realizado no amor ao próximo. É impossível amar a Deus não amando o próximo. Só amando o próximo mostraremos que amamos a Deus.

Aliás, já São João perguntava: «Quem não ama o irmão que vê, como pode amar a Deus que não vê?» (1Jo 4, 20). Por isso — prossegue o mesmo apóstolo — «quem ama a Deus, ame também o seu irmão» (1Jo 4, 21).


 

E. Sem amor, não há nada; nem sequer há fé

 

  1. A ligação entre o amor a Deus e o amor ao próximo é tão estreita que São Gregório Magno entreviu aqui uma razão simbólica para Jesus mandar os discípulos em missão dois a dois. Mandou-os dois a dois porque «dois são os mandamentos, a saber, o amor a Deus e o amor ao próximo». No amor está tudo: está a Lei e estão os Profetas (cf. Mt 22, 40), isto é, está toda a Sagrada Escritura.

Por aqui se vê como Jesus vai muito mais além da pergunta que Lhe tinha sido feita. Ele deixa bem claro que é toda a Bíblia que está perfumada pelo amor: pelo amor a Deus e pelo amor ao próximo. A qualidade do nosso amor a Deus mede-se pela intensidade do nosso amor ao próximo. Se não há amor, não há nada, nem sequer há fé.

 

  1. É por isso que quem mais sabe a Lei não é quem mais a conhece, mas quem melhor a vive. É preciso viver o amor a partir da nascente, a partir de Deus. E Deus tem um amor de predilecção pelos mais necessitados. É quando nos damos a eles que mais nos damos a Ele, a Deus.

Afinal e como garante Jesus, «há mais alegria em dar do que em receber» (Act 20, 35). Até porque quando damos, somos presenteados com a alegria de quem recebe. Nunca recebemos tanto como quando damos tudo. Nunca recebemos tanto como quando nos damos totalmente!

publicado por Theosfera às 04:57

Hoje, 04 de Novembro (31º Domingo do Tempo Comum), é dia de S. Carlos Borromeu, S. Vital e Sto. Agrícola.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

Sábado, 03 de Novembro de 2018

Hoje, 03 de Novembro, é dia de S. Martinho de Porres, S. Huberto, S. Tito de Brandsma e S. Roberto Meyer.

Um santo e abençoado dia para todos

publicado por Theosfera às 00:00

Sexta-feira, 02 de Novembro de 2018

Hoje, 02 de Novembro, é dia da Comemoração dos Fiéis Defuntos, de S. Malaquias e de S. Pio Campidelli.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

Quinta-feira, 01 de Novembro de 2018

Santo és Tu, Senhor,
 
 
 
Santo é o Teu ser,
 
 
 
Santo é o Teu amor,
 
 
 
Santa é a Tua generosidade.
 
 
 
Santos são os Teus gestos.
 
 
 
Tudo é santo em Ti, Senhor.
 
 
 
 
 
Hoje é, pois, o Teu dia,
 
 
 
Como Teus, Senhor, são todos os dias.
 
 
 
Mas Tu queres que também nós sejamos santos.
 
 
 
A nós parece-nos um sonho impossível.
 
 
 
Mas para Ti, Senhor, é tarefa realizável, é missão que está ao nosso alcance.
 
 
 
Não estás aí, no alto, à nossa espera.
 
 
 
Está connosco, aqui, ao nosso lado, dentro de cada um de nós.
 
 
 
 
 
Ser santo é, afinal, ser (ou procurar ser) como Tu:
 
 
 
Manso, humilde, despojado, puro, pacífico.
 
 
 
Ser santo não é deixar a vida: é colocar a Tua vida no centro da vida.
 
 
 
Ser santo não é deixar o mundo: é depositar o Teu amor no coração do mundo.
 
 
 
Ser santo não é ser desumano: pelo contrário, é ser autenticamente humano, inteiramente humano, plenamente humano.
 
 
 
Ser santo é ser irmão, é ser fraterno, é estender a mão, é abrir o coração.
 
 
 
 
 
A santidade está no Céu, mas não está ausente da terra.

Ajuda-nos no caminho,
 
 
 
Acompanha-nos na viagem.
 
 
 
Apoia-nos quando cairmos.
 
 
 
Enxuga as nossas lágrimas.
 
 
 
Dá-nos a Tu mão, agora,
 
 
 
E recebe-nos no Teu coração, depois, na eternidade.
 
 
 
Que sejamos santos
 
 
 
E, por isso, felizes.
 
 
 
E, por isso, cada vez mais amigos,
 
 
 
Cada vez mais unidos,
 
 
 
Cada vez mais irmãos!

publicado por Theosfera às 11:58

A. Santos são muitos, santos deveríamos ser todos


  1. Hoje é dia de louvar Todos os Santos. E, nessa medida, hoje também é dia de recordar que todos somos chamados a ser santos. Para tal, basta não esquecer que somos filhos de um Deus santo (cf. Lev 19, 2) e membros de uma Igreja santa (cf. Ef 5, 27). Era por isso que, nos começos, os membros da Igreja eram conhecidos como «santos» (Act 9, 32). Tem lógica: se a Igreja é santa, os que dela fazem parte devem ser santos.

Sabemos, porém, que nem sempre isso acontece. Estamos num tempo em que se fala muito dos pecados na Igreja. Só que nem os pecados na Igreja obscurecem a santidade da Igreja. A Igreja é um corpo que é santo na sua cabeça (Jesus Cristo) e pecador nos seus membros.


  1. Como é que o Corpo de Cristo pode estar forrado com uma «massa tão grosseira», que somos nós? Sucede o nosso pecado é impotente para impedir que Jesus Cristo faça fluir a Sua santidade. E, apesar de tudo, são muitos os membros que têm deixado fluir a santidade da Cabeça. São esses membros que celebramos neste dia e honramos nesta festa,

Efectivamente, são muitos os santos. Mas deviam ser ainda mais. Afinal, santos deveríamos ser todos. É que, embora a resposta à santidade não venha de todos, a proposta de santidade chega sempre a todos.


 

B. Quantos são os santos?


  1. Muitos perguntarão: quantos são os santos canonizados? No início, os santos eram aclamados santos pelo povo. O primeiro santo a passar por um processo de canonização foi Santo Ulrico, no século X.

A canonização mais rápida foi a de São Pedro de Verona. Tendo falecido a 6 de Abril de 1252, subiu aos altares a 9 de Março do ano seguinte. Ou seja, 11 meses e três dias depois do seu falecimento, A segunda canonização mais célere foi a de Santo António. Tendo morrido a 13 de Junho de 1231, foi canonizado a 30 de Maio de 1232. Precisamente 11 meses e 17 dias após a sua morte.


  1. O «Martirológio Romano» contém cerca de 6.500 nomes. Sucede que, muitas vezes, um nome é acompanhado de vários «companheiros mártires». Ora, os «companheiros mártires» de um único santo podem ascender a dezenas ou até a centenas.

Basta notar que, no dia em que tornou pública a sua renúncia (11 de Fevereiro de 2013), Bento XVI anunciou a canonização de 802 pessoas. Eram Santa Laura Upegui, Santa Maria Guadaluppe Zavala e Santo António Primaldo com os seus 799 «companheiros mártires»!


 

C. Porquê esta festa nesta altura?


  1. Assim sendo, se aos 6.500 santos e beatos incluídos no Martirológio somarmos «os companheiros mártires» de muitos deles, obteremos um total bastante superior. São seguramente mais de 10.000, havendo mesmo quem tenha apurado perto de 20.000.

Importa, entretanto, realçar que, para lá dos santos reconhecidos, há muitos mais que só Deus conhece. É por isso que a Igreja reservou um dia para honrar «Todos os Santos»: os canonizados e beatificados e os que nunca serão beatificados nem canonizados.


  1. É curioso notar que esta festa de Todos os Santos começou por ser a festa de Todos os Mártires. Tal festa era celebrada no dia 13 de Maio. É que foi no dia 13 de Maio de 609 que o Papa Bonifácio IV transformou o Panteão Romano num templo dedicado à Virgem Maria e a todos os mártires. No século VIII, o Papa Gregório III dedicou uma capela, em Roma, a todos os santos, criando uma festa, em sua honra, no dia 1 de Novembro.

Não se sabe com segurança a razão de se ter optado por esta data. É sabido que, no princípio de Novembro, os povos celtas festejavam o «Samhain». Era uma festa pagã que assinalava o início do Inverno e em que se prestava culto aos mortos. Tendo em conta que sempre foi preocupação da Igreja cristianizar as festas pagãs, não surpreende que ela tenha procurado introduzir uma celebração cristã na data do «Samhain». A cristianização desta festa terá motivado — é uma hipótese que alguns levantam — que na véspera se mantivessem actividades lúdicas, de teor pagão. Estará aqui a origem do famoso «Halloween». Na verdade, «Halloween» é a contracção de «All Hallows'Eve», que significa precisamente «Véspera de Todos os Santos».


 

D. Os santos do céu começaram a ser santos na terra


  1. E, de certa maneira, é na véspera que nos encontramos. O tempo é a «véspera» da eternidade. Ao celebrarmos, hoje, aqueles que já chegaram à santidade, sentimo-nos estimulados a fazer da vida um caminho de santidade. Ao ser meta, a santidade também é caminho. A santidade não deixa ninguém de lado nem põe ninguém de fora. A santidade é o que há de mais agregador e de mais inclusivo. Daí que O Concílio Vaticano II lembre que «todos nós somos chamados à santidade».

Há, aliás, quem veja figurada este chamamento universal à santidade nos 144.000 tatuados com o sinal de Deus, de que fala o Apocalipse (cf. Ap 7, 2-8). Como é sabido, 144.000 resulta de 12 multiplicado por 12.000. Uma vez que 12 é o número das tribos de Israel, a multiplicação por 12.000 sinaliza a «multidão inumerável, que ninguém pode contar» (Ap 7, 9). É uma multidão proveniente de «todas as nações, tribos, povos e línguas» (Ap 7, 9). Assim sendo, fácil é concluir que os santos são muitos mais do que aqueles que conhecemos e incomensuravelmente mais do que aqueles que são reconhecidos como tal.


  1. Muitos destes santos fizeram parte da nossa família e do nosso círculo de amigos. Quem não guarda memória de pessoas santas que atravessaram a sua vida? O seu exemplo pode ter chegado ao conhecimento de poucos, mas não terá deixado de contribuir para mudar a vida de muitos. Há tanta gente que passou por nós e testemunhou a fé em grau heróico. São santos de vida simples, muitos deles de enxada na mão e sempre com muito amor no coração.

Os santos não estão apenas no altar nem figuram somente nos andores. Não há só santos de barro. Há muitos santos de carne e osso; às vezes, mais osso que carne. Há muitos santos que conseguem aceitar a adversidade com uma dose sobre-humana de serenidade. E há outros tantos que são capazes de denunciar a injustiça com porções espantosas de coragem.


 

E. A santidade é uma necessidade, não um luxo


  1. Nos santos, não celebramos apenas uma morte santa; em cada santo, celebramos toda uma vida santa. É que, embora celebremos os santos depois da morte, há que perceber que eles foram santos durante a vida. Os santos do céu começaram a ser santos na terra. Se eles conseguiram, porque é que nós não havemos de tentar?

Acontece que a santidade não faz bem apenas ao santo. Como notou Teresa de Calcutá, «a santidade é uma necessidade» — não um luxo — para o mundo. Um dia, havemos de concordar com Gounod quando afirmou que «uma gota de santidade vale mais do que um oceano de génio».


  1. A meta está apresentada e o caminho também nos é constantemente disponibilizado: é o caminho das Bem-Aventuranças, das felicitações, da felicidade. O mais espantoso é que nem a adversidade é capaz de travar a felicidade. Até na adversidade podemos ser santos, ou seja, felizes.

Não esqueçamos que os santos são humanos como nós. Que nós não desistamos de ser santos como eles!

publicado por Theosfera às 04:39

Hoje, 01 de Novembro, é dia da Solenidade de Todos os Santos, de S. Benigno, Sto. Austremónio, S. Magno e Maturino.
Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2018
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

15
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
contador
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro