O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 29 de Maio de 2018
  1. Hoje em dia, as pessoas não vão ao futebol para ver um jogo; mas para ver uma vitória.

É por isso que o futebol deixou de ser (apenas) desporto. Mais que desporto, o futebol tornou-se essencialmente competição.


  1. Se fosse apenas desporto, o importante seria participar. Como o futebol se transformou em competição, o único objectivo é vencer.

Basta conferir as reacções a que nos fomos acostumando. Ninguém faz festa por participar. Só se faz festa por vencer. É normal. Será saudável?


  1. Se repararmos, o futebol não tem espectadores; tem adeptos.

Em princípio, os espectadores vão a um espectáculo por causa de todos os que nele estão envolvidos. Pelo contrário, os adeptos vão a um jogo só por causa de uma parte dos seus intervenientes.


  1. Por aqui se vê como o futebol transporta, congenitamente, um certo lastro de beligerância.

Se a esta predisposição acrescentarmos um forte investimento financeiro e uma enorme projecção mediática, temos pela frente um sério problema global.


  1. O que está a acontecer é uma consequência da dimensão que o futebol alcançou.

A violência no futebol é grande porque poucos suportam perder o que no futebol há para ganhar. É cada vez maior a dificuldade em aceitar os limites e em lidar com a adversidade.



  1. Como é desmedida a pressão para vencer, a resposta ao insucesso é muito mais difícil de prever.

Acresce que a animosidade dos adeptos não se limita às equipas adversárias, atingindo igualmente os seus próprios clubes.


  1. A irracionalidade e o descontrolo emocional parecem não ter fim.

Preocupante já é a violência que alguns exercem sobre os outros. Como não há-de ser assustadora a violência que tantos descarregam contra os seus?


  1. Sucede que muita desta violência não é espontânea, o que já seria inquietante. Aflitivo é notar que muita desta violência é premeditada, dirigida e organizada.

Mas é deste ambiente que emergem as claques e até alguns dos mais aplaudidos dirigentes.


  1. É inevitável que o futebol seja o retrato da vida e das suas pulsões mais violentas.

Antes do futebol, é a vida que se mostra violenta. Se a vida está cheia de violência, como é que o futebol haveria de escapar à violência? O fundamental é não ceder à violência.


  1. Se não possível impedir que o futebol se apresente como um negócio, não consintamos que ele degenere numa guerra.

Há, pois, um imenso trabalho a fazer. Nos estádios, sem dúvida. Mas, desde logo, em casa. Eis o que falta. Eis o que urge!

publicado por Theosfera às 10:59

Hoje, 29 de Maio, é dia de S. Maximino, Sta. Úrsula de Ledochowska e S. José Gérard.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:01

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2018
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro