O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 05 de Setembro de 2017
  1. A Procissão de Nossa Senhora dos Remédios não é a única com bois.

Mas talvez seja uma das poucas a ter autorização para incluir bois.

 

  1. Desde que começou, nunca os bois dispensou.

Sabemos que estiveram na primeira Procissão (em 1894) por causa de um desentendimento com o decorador dos carros e «dos arreios dos bois». Este queria receber 20 mil réis. Mas a Irmandade só lhe entregou metade.

 

  1. Foi em 1925 que a presença dos bois esteve em perigo.
  2. Agostinho de Jesus e Sousa, cumprindo orientações dimanadas da Santa Sé, emitiu um decreto em que proibia «os bois nas procissões».

 

  1. A Irmandade ficou apreensiva e toda a cidade terá entrado em alvoroço.

É neste entretanto que emerge a figura do Dr. Alfredo de Sousa. É a sua sugestão que vai «salvar» a Procissão.

 

  1. Entre uma estrita obediência à lei e uma indesejável violação da lei, alvitra uma terceira via.

Porque não investir na alteração da lei ou, pelo menos, numa excepção à lei?

 

  1. Ao Bispo de Lamego faz chegar a seguinte proposta: «Apesar de os católicos deverem respeitar as leis da Igreja, esta também pode modificar as suas leis por meio de uma portaria».

«Peça-se à Santa Sé esse rescrito, alegando costume antiquíssimo e dificuldade de transporte por causa de os andores serem muito pesados».

 

  1. É claro que a invocação de um «costume antiquíssimo» constitui uma hiperbolização da linguagem para tornar o argumento mais convincente.

Em 1925, a Procissão contava 31 anos (começou, de forma regular, em 1894) e 28 edições (não saiu em 1899, 1909 e 1912).

 

  1. O pedido seguiu para Roma em nome da Irmandade: não através do Juiz que estava em funções, Joaquim Rodrigues dos Santos, mas pela mão do Juiz eleito, Padre Avelino Monteiro.

O destinatário era o Papa Pio XI e o texto era acompanhado de uma carta de recomendação de D. Agostinho de Jesus e Sousa.

 

  1. No dia 27 de Abril de 1925, foi remetida a esperada resposta.

Era assinada pelo Prefeito (Cardeal Antonio Vico) e pelo Secretário (D. Alexandre Verde) da Sagrada Congregação dos Ritos.

 

  1. Atendendo às circunstâncias particulares expostas na petição, a Santa Sé acedeu às preces lamecenses.

E os bois, com todo o esmero e dedicação, continuaram a integrar a Procissão!

publicado por Theosfera às 11:23

  1. Parece uma redundância, mas é uma das verdades mais importantes: tudo começa no princípio.


  1. O dia mais importante para estudar não é a véspera do teste, o dia mais importante é cada dia.


  1. O estudo deve começar logo no primeiro dia. Mesmo que o teste ainda esteja longe, o trabalho tem de estar perto.


  1. Nem sempre é possível estudar o que se gosta nem gostar do que se estuda, mas é sempre possível estudar, goste-se ou não.


  1. É necessário estudar muito as matérias de que se gosta e, ainda mais, as matérias de que não se gosta.


  1. O segredo do êxito é a persistência e a repetição; se não se perceber à primeira vez, insiste-se pela segunda vez; se não perceber à décima vez, insiste-se pela décima primeira vez; quanto mais cedo se começar a estudar, tanto mais — e melhor — se pode repetir e compreender.


  1. No estudo, a atenção é decisiva e a calma é preciosa.


  1. O êxito no estudo começa na atenção na sala de aula e culmina com a serenidade no teste.


  1. Para obter calma, pensar mais no trabalho do que no resultado e ter presente que quem trabalhou mais está mais perto de alcançar melhores resultados.


  1. Antes do estudo e dos testes, fechar um pouco os olhos e pedir a Deus inspiração e serenidade; Deus não falta a quem trabalha e a quem confia!
publicado por Theosfera às 11:21

  1. Quando Nossa Senhora a Fátima voltou, desanimados os pastorinhos encontrou. Não tinha sido fácil o último mês. O descrédito geral abateu-se sobre eles. Sobretudo a mãe de Lúcia sentia a honra da família afectada. Por todos os meios tentou que a filha dissesse que nada tinha acontecido. As pressões foram constantes, mas nem a intervenção do pároco fez vacilar a criança. Foi ameaçada de, num quarto, ficar fechada. Até a agressão aconteceu. A mãe, com um cabo de vassoura, em Lúcia bateu.

Não admira, portanto, o pedido que, a 13 de Junho (uma quarta-feira), a pastorinha fez. Se, antes, tinha perguntado à Senhora se iria para o Céu, desta vez pede-Lhe que a leve para o Céu. Como São João de Brito no século XVII, também os pastorinhos «queriam mais o Céu do que a Terra».

 

  1. Em resposta, a Senhora diz que ao Francisco e à Jacinta os levaria «em breve». A Lúcia iria ficar «cá mais algum tempo». Efectivamente, Francisco foi para o Céu (com 10 anos) a 04 de Abril de 1919 e Jacinta (com 09 anos) partiu a 20 de Fevereiro de 1920. Lúcia ficou por cá mais 88 anos, tendo falecido a 13 de Fevereiro de 2005. Ir para o Céu era a sua vontade. Mas Deus tinha outros planos e o que conta são os planos de Deus, não os nossos. Para Lúcia, ainda não era a hora de ir para o Céu. Era a hora de preparar — e ajudar o mundo a preparar — o caminho para o Céu.

Iria ficar incumbida de uma missão muito concreta: «fazer conhecer e amar» a Mãe de Deus, através da devoção ao Seu Imaculado Coração. A Mãe de Deus não iriam abandonar Lúcia. «Eu nunca te deixarei», diz Maria. «Eu nunca te deixarei», diz-nos Maria. Ela nunca nos deixa. Ela é o «nosso refúgio» e, em Cristo, o caminho que «nos conduz até Deus».

 

  1. Dito isto, a Senhora abre as mãos, projectando uma luz imensa. Nessa luz, os pastorinhos sentiam-se submersos na luz que é Deus (cf. Sal 36, 10). Como que antecipando o destino de cada um deles, a Jacinta e o Francisco pareciam estar na parte da luz que se elevava para o Céu e Lúcia na que se derramava sobre a Terra. À frente da palma da mão direita de Nossa Senhora, estava um coração cercado de espinhos que parecia estarem cravados. Era o Imaculado Coração de Maria, «ultrajado pelos pecados da humanidade».

Depois de ponderar não voltar mais à Cova da Iria, por pressão do próprio pároco, Lúcia, acompanhada pelos primos Francisco e Jacinta, volta ao encontro da Senhora a 13 de Julho, uma sexta-feira. Milhares de pessoas estavam na sua companhia. Eis um novo apelo ao sacrifício: «Sacrificai-vos pelos pecadores e dizei muitas vezes e, em especial, quando fizerdes alguns sacrifícios: "Ó Jesus, é por Vosso amor, pela conversão dos pecadores e em reparação pelos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria"».

 

  1. Esta é a «aparição do segredo» ou das «verdades inconvenientes», mas que não deixam de ser importantes. Desta vez, ao abrir as mãos, a Senhora mostra um «grande mar de fogo», inundado de figuras e gritos. Com «bondade e tristeza», Nossa Senhora descreve o sentido da visão e do segredo: 1) o «mar de fogo» é imagem do inferno; 2) para dele nos salvar, Deus anuncia o estabelecimento da devoção ao Imaculado Coração; e 3) a visão dos sofrimentos do «Bispo vestido de branco», que os pastorinhos identificaram como sendo o Santo Padre.

As primeiras duas partes do segredo são conhecidas desde 1941. A terceira parte foi revelada, como ainda nos lembramos, no ano 2000. Entretanto, para cada mistério do Terço, Nossa Senhora propõe esta súplica: «Ó meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as alminhas todas para o Céu, principalmente aquelas que mais precisarem».

 

  1. Em Agosto, não houve aparições no dia 13 porque os três pastorinhos foram detidos pelo Administrador de Ourém, Artur de Oliveira Santos, latoeiro de profissão. Foram mantidos, por três dias, debaixo de apertada vigilância. O Administrador, com chantagens, enganos e ameaças (como a de matar as crianças numa caldeira de azeite a ferver), queria arrancar os segredos a eles confiados. Durante a detenção, os pastorinhos começaram a rezar o Terço. Vários detidos os acompanharam, incluindo um homem que tinha o chapéu na cabeça. Quando em tal reparou, Francisco foi ter com ele e retirou-lhe o chapéu. Infelizmente, hoje em dia, até na Casa de Deus, há quem entre com o chapéu na cabeça. Não é por mal. Mas será bem?

Foi por tudo isto que os videntes não puderam comparecer na Cova da Iria, no dia 13 de Agosto. Mesmo assim, alguns dos 18.000 presentes testemunharam a ocorrência de um trovão e o surgimento da pequena nuvem, leve e branca, a pairar sobre a azinheira.

 

  1. Recuperada a liberdade, os pastorinhos voltaram à sua actividade. A 19 de Agosto, um Domingo, estavam nos Valinhos. Lúcia e Francisco sentiram uma atmosfera sobrenatural a envolvê-los. Acontece que Jacinta não se encontrava com eles. Pediram, então, ao seu irmão João que, a troco de dois vinténs, fosse chamá-la. Lúcia e Francisco viram o reflexo da luz como um relâmpago. Mal Jacinta chegou, Nossa Senhora apareceu sobre uma azinheira parecida com a da Cova da Iria.

Ela queria que viessem no próximo dia 13 e que rezassem o Terço todos os dias. Pediu que, com o dinheiro que tinham conseguido, comprassem dois andores. O que sobrasse seria para ajudar na construção de uma capela. No fim, nova insistência na oração: «Rezai, rezai muito e fazei sacrifícios pelos pecadores».

 

  1. Em Setembro, o ambiente era de muita agitação. Calcula-se que cerca de 30.000 pessoas estariam naquele dia 13, uma quinta-feira, na Cova da Iria. Eram muitos os pedidos de cura que faziam aos pastorinhos. Nossa Senhora insistiu na recitação diária do Terço e recomenda que as crianças tragam o cilício só durante o dia. Até então, dormiam com ele. Lúcia oferece duas cartas e um vidro com água-de-cheiro. Nossa Senhora declina a oferta: «Isso não é conveniente, lá para o Céu».

Por ocasião desta visita de Nossa Senhora, como das outras vezes, ocorreram diversos fenómenos. Observaram, perto do sol, um globo luminoso, que começou a descer em direcção ao poente e que voltou a subir de novo em direcção ao sol. Acresce que a atmosfera tomou uma cor amarelada, verificando-se uma diminuição da luz solar, ao ponto de se ver a lua e as estrelas. Do céu choviam como que pétalas de rosas ou flocos de neve, que se desfaziam um pouco acima das cabeças dos peregrinos.

 

  1. O Outono já tinha começado e aquele início de Outubro estava a ser chuvoso e frio. Mesmo assim, no dia 13, um sábado, cerca de 70.000 pessoas estavam firmes no lamaçal da Cova da Iria. Logo que chegaram os videntes, Lúcia pediu que fechassem os guarda-chuvas para rezarem o Terço. Pouco depois, houve um reflexo de luz e Nossa Senhora apareceu. Depois de insistir na construção da capela, apresenta-Se como Nossa Senhora do Rosário. No final, os pastorinhos vêem-n’A como Nossa Senhora das Dores e Nossa Senhora do Carmo. Segue-se um pedido muito concreto: «Não ofendam mais a Nosso Senhor que já está muito ofendido».  

Quando Nossa Senhora começou a elevar-Se, as nuvens entreabriram-se, dando lugar ao sol. Ao lado do sol, surgem três quadros que simbolizam os mistérios gozosos, dolorosos e gloriosos. O primeiro mostra Nossa Senhora (com veste branca e manto azul) e São José com o Menino, que pareciam abençoar o mundo. O segundo quadro apresenta Nosso Senhor e Nossa Senhora sob a forma de Nossa Senhora das Dores. O terceiro quadro permitia ver Nossa Senhora como Nossa Senhora do Carmo, Rainha dos Céu e da Terra.

 

  1. Foi então que a multidão viu o sol a «dançar». Depois, parou. A seguir, voltou a girar sobre si mesmo. Finalmente, os bordos tornaram-se escarlates e espalharam chamas pelo firmamento. Uma luz estranha projectou-se sobre a Terra. Tinha tons vermelhos, verdes, azuis, alaranjados e violetas. Por três vezes, este globo de fogo parecia precipitar-se sobre a multidão.

Um grito de terror se ouviu. Muitos actos de contrição foram proferidos. Dez minutos depois, o sol voltou à «aparência» normal. Era o sol de todos os dias. A conclusão era unânime: «As crianças tinham razão. Bendito seja Deus. Bendita seja Nossa Senhora!»

 

  1. Mas se, a 13 de Outubro, foi o «Seu adeus», a Virgem Maria, que «voltou para o Céu», não deixou de continuar a enviar as Suas maternais mensagens. A 10 de Dezembro de 1925, em Pontevedra, aparece a Lúcia com o Menino. Este pede à vidente que repare no Coração de Maria «coberto de espinhos». Depois, é Nossa Senhora que solicita a devoção dos Cinco Primeiros Sábados, através da Confissão, Comunhão, recitação do Terço e meditação durante 15 minutos.

A 15 de Fevereiro de 1926, também em Pontevedra, o Menino insiste com Lúcia para que divulgue os Cinco Primeiros Sábados. Finalmente, a 13 de Junho de 1929, em Tuy, Lúcia é visitada pela Santíssima Trindade e Nossa Senhora. A Mãe de Deus, sob o braço esquerdo, trazia uma inscrição: «Graça e Misericórdia». Pede que faça chegar ao Papa o Seu desejo de que proceda à consagração da Rússia ao Seu Imaculado Coração». São estes os Remédios que, em Fátima (e a partir de Fátima), Maria traz para nossa salvação. Fazendo o que Ela diz, a nossa vida será feliz!

 

publicado por Theosfera às 08:00

Hoje, 05 de Setembro (7º Dia da Novena de Nossa Senhora dos Remédios), é dia de Sta. Teresa de Calcutá, S. Bertino e S. Vitorino.

Um santo e abençoado dia para todos.

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro