O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 06 de Agosto de 2017

Tudo sobe para cima.

Tudo caminha para o alto.

Tudo tende para o fim.

 

E, na verdade, o que importa é o fim,

o fim para o qual nos chamas.

 

Tu, Senhor, chamas-nos para a felicidade,

para a alegria, para a justiça, para a paz.

Tu, Senhor, chamas-nos para Ti.

 

A vida é cheia de sinais.

É importante estar atento a eles.

É fundamental deixarmo-nos guiar por eles.

 

Neste mundo, tudo passa.

Nesta vida, tudo corre.

Neste tempo, tudo avança.

Só a Tua Palavra permanece, Senhor.

 

 

Obrigado por nos reunires,

por nos congregares,

por nos juntares.

 

De toda a parte Tu chamas,

Tu convocas,

Tu reúnes.

 

Obrigado, Senhor, pela esperança

E pelo ânimo,

Pelo vigor e pela presença.

 

 

 

O importante não é saber a hora do fim.

O fundamental é estar pronto, preparado, disponível.

 

Para Ti, Senhor, o fim não é destruição nem dissolução.

ConTigo, Senhor, o fim é plenitude, realização, felicidade.

 

Em Ti já sabemos o que nos espera.

Tu, Senhor, és a esperança e a certeza da esperança.

 

Tu já abriste as portas.

Tu já inauguraste os tempos últimos, os tempos novos.

 

ConTigo nada envelhece.

Em Ti tudo se renova.

Renova sempre a nossa vida,

JESUS!

publicado por Theosfera às 10:41

A. Uma antecipação da luz pascal

  1. Duas vezes por ano assinalamos a Transfiguração do Senhor: no segundo Domingo da Quaresma e neste dia 6 de Agosto. É uma festa celebrada no Oriente desde o século V e no Ocidente a partir de 1457.

Os arménios têm uma palavra — «Varvatar» —, que significa «decoração com rosas». Era uma festa pagã que ocorria no primeiro dia do mês de Navasart. Durante essa festa, decoravam-se os altares com rosas. Foi São Gregório, o Iluminador, que transformou esta festa pagã numa festa cristã, a Transfiguração.

 

  1. Situada antes do anúncio da Paixão e da Morte, a Transfiguração prepara os Apóstolos para a vivência desse mistério, desse drama. Não espanta, por isso, que a Igreja celebre esta festa cerca de quarenta dias antes da Exaltação da Cruz, a 14 de Setembro.

A Transfiguração, manifestação da vida divina que está em Jesus, é uma antecipação da luz que encherá a noite da Páscoa. É um estímulo para que os Apóstolos, quando virem Jesus como Servo, não esqueçam a Sua condição divina. No fundo, Jesus está sempre a preparar-nos para a vivência do Seu mistério pascal. Ser cristão é vivenciar — pela celebração, pela adoração e pelo testemunho — o mistério pascal de Jesus.

 

B. Longe dos triunfos mundanos

 

3. Estamos em presença de um episódio tão marcante que o Novo Testamento nos apresenta, dele, quatro versões. Além desta — de São Mateus (cf. Mt 17, 1-9) — temos as versões de S. Marcos (Mc 9, 2-10), de São Lucas (cf. Lc 9, 28-36) e de S. Pedro (2Ped 1, 16-18).

É possível que, depois de terem ouvido falar do caminho da Cruz, os discípulos sentissem algum desânimo e frustração. À primeira vista, tudo parece encaminhar-se para um rotundo fracasso. E, no seu pensar, não era só o projecto de Jesus que fracassava. Fracassavam também os sonhos de glórias, de honras e de triunfo dos Seus seguidores. É muito provável que se perguntassem: valeria a pena seguir um mestre que nada mais tem para oferecer além da morte na Cruz?

 

  1. Jesus torna bem claro que o Seu projecto não passa por triunfos mundanos, mas pela oferta da vida na Cruz. Jesus sobe para o alto, mas não para o alto do poder. Ele sobe para o alto da Cruz, descendo até à morte. Jesus sobe descendo. Também nós só subiremos até Jesus descendo com Jesus.

É neste contexto que surge o episódio da Transfiguração. Trata-se de uma forma de animar os discípulos — e os crentes, em geral —, pois, na Transfiguração, manifesta-se a glória de Jesus e atesta-se que Ele é, apesar da morte que se aproxima, o Filho muito amado de Deus (cf. Mt 17, 5).

 

C. Jesus transfigura-Se para nos transfigurar

 

5. Os discípulos recebem a garantia de que o projecto de Jesus é o projecto do próprio Deus para nós. Jesus transfigura-Se para nos transfigurar. A Sua figura transforma-se para que toda a nossa vida se altere.

Há todo um envolvimento de Jesus com os discípulos e dos discípulos com Jesus. Esse envolvimento não prescreve. Esse envolvimento permanece para sempre. Também para nós é bom estar com Jesus. Estar com Jesus transfigura a nossa vida e altera a nossa história. Agora, já não contam os nossos planos; a partir de agora, só devem contar os planos de Jesus.

 

  1. Temos diante de nós uma Cristofania e uma Teofania, ou seja, uma manifestação de Cristo que conduz a uma revelação de Deus. A iniciativa é sempre de Jesus. Tal como tomou conSigo Pedro, Tiago e João, também hoje nos toma, a nós, com Ele. É Ele que nos atrai, é Ele que nos convida, é Ele que nos faz subir até ao monte alto da Transfiguração.

Na Transfiguração, tudo é diferente com Jesus e tudo será diferente em nós se nos dispusermos a transfigurar-nos em Jesus. A brancura das vestes de Jesus não era terrena (cf. Mc 9,3). Nós, na terra, somos convidados a transfigurar-nos em seres não apenas terrenos. Jesus leva-nos a participar na vida divina (cf. 2Pe 1, 4).

 

D. O caminho de Jesus e o nosso caminho com Jesus

 

7. O aparecimento de Elias, juntamente com Moisés (cf. Mc 9, 4), é como uma espécie de adesão do Antigo Testamento a Jesus. Ele é o esperado e anunciado. Ele é o Messias anunciado pela Lei (figurada em Moisés) e pelos Profetas (representados por Elias). Ele é o novo Moisés, aquele que vai guiar o povo para a verdadeira libertação, já não pelas águas do Mar Vermelho, mas pelas águas do Baptismo. E Ele é o definitivo profeta, que transfigura o nosso ser e nos encaminha para a Verdade e para a Vida (cf. Jo 14, 6).

Desta acção libertadora e profética de Jesus irá nascer um novo homem e um novo povo. É com este homem e com este povo que, em Jesus, Deus vai fazer uma nova Aliança. É com este homem e com este povo que, em Jesus, Deus vai percorrer os caminhos da nossa história.

 

  1. A reacção de Pedro é compreensível. Ele nota que é bom estar ali, com Jesus transfigurado (cf. Mt 17, 4). Por isso, quer fazer três tendas (cf. Mt 17, 4). Pedro queria ficar já com Jesus glorioso. Só que, antes, é necessário acompanhar Jesus crucificado. Nunca esqueçamos que, como diz o Hino, «não há ressurreição sem haver morte».

Antes de armar a tenda junto de Jesus glorioso, é preciso levar Jesus junto de tantos que não têm tendas: nem tendas para viver, nem tendas para comer, nem tendas para dormir, nem tendas para trabalhar. Este ainda não é o tempo de descansar com Jesus. Este é o tempo para, incansavelmente, anunciar Jesus. O caminho de Jesus há-de ser o nosso caminho com Jesus e para Jesus.

 

E. A nuvem não deixa ver, mas não impede de escutar

 

9. Não é por acaso que a voz de Deus se faz ouvir através de uma nuvem (cf. Mt 17, 5). A nuvem é o que não deixa ver ou não deixa ver bem. A nuvem é, por isso, o que nos faz sentir que não sabemos tudo e que nem sequer sabemos o bastante.

Mas se a nuvem nos impede de ver, não nos impede de escutar. É da nuvem que o Pai fala. É na nuvem que devemos escutar o Pai que fala. Enfim, não devemos andar nas nuvens, mas devemos escutar o se diz na nuvem.

 

  1. Seria bom que, concretamente neste tempo de férias, prestássemos mais atenção ao que ainda não sabemos sobre Deus. O nosso problema é pensar que já sabemos muito sobre Deus. Fazia-nos bem reconhecer que, como reparou o teólogo Karl Barth, «tudo aquilo que diga sobre Deus é um homem quem o diz». Isto significa que só sabe alguma coisa sobre Deus quem se dispõe a aprender, a escutar. Só quem está com Deus aprenderá a conhecer Deus.

Para nos ensinar, Deus oferece-nos o melhor mestre: o Seu próprio Filho. Se Deus dá o melhor por nós, como é que nós não havemos de dar o melhor a Deus?

publicado por Theosfera às 05:27

Hoje, 06 de Agosto, é dia da Transfiguração do Senhor (festa celebrada, em alguns locais, como do Santíssimo Salvador), S. Justo e S. Pastor.

Uma vez que a Transfiguração é uma festa do Senhor, o Domingo cede-lhe a celebração. Por tal motivo, a Liturgia das Horas e a Santa Missa são da Transfiguração e não do 18º Domingo do Tempo Comum. 

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

Sábado, 05 de Agosto de 2017

Hoje, 05 de Agosto, é dia de Sta. Maria Maior (ou Nossa Senhora das Neves), Sto. Abel de Reims e Sto. Emídio.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

Sexta-feira, 04 de Agosto de 2017

Hoje, 04 de Agosto, é dia de S. João Maria Vianey (St. Cura d'Ars), Sto. Aristarco, Sto. Eleutério de Társia, S. Gonçalo e S. Rúben Estilita.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

Quinta-feira, 03 de Agosto de 2017

Hoje, 03 de Agosto, é dia de Sta. Lídia (padroeira dos tintureiros), S. Nicodemos, S. Gamaliel e S. Pedro de Anâgni.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 01:07

Quarta-feira, 02 de Agosto de 2017

222 milhões de euros por Neymar?

É obsceno porque é pouco.

Nem todo o dinheiro do mundo chega para comprar uma pessoa.

Nenhuma pessoa é comprável, nenhuma pessoa é vendível.

Uma pessoa não é uma mercadoria, pelo que não tem preço. U

ma pessoa tem dignidade. Há que respeitá-la. Sempre!

publicado por Theosfera às 20:51

Hoje, 02 de Agosto, é dia de Nossa Senhora da Porciúncula, Sto. Eusébio de Vercelas, S. Pedro Juliano Eymard, S. João de Rieti, Sta. Joana de Aza, S. Pedro Fabro e Sto. Augusto Czartoryski.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

Terça-feira, 01 de Agosto de 2017
  1. A maioria da população continua a declarar-se cristã.

Só que a condição cristã não é determinada pelo modo como as pessoas se declaram, mas pelo modo como as pessoas vivem.

 

  1. Com base no ensinamento de Cristo (cf. Mt 7, 21), fica claro que ser cristão não é uma questão de dizer, mas de viver.

O critério não somos nós. O critério é Cristo e a Igreja de Cristo.

 

  1. É cristão quem quer e qualquer. Mas não do modo como cada um quer.

Cristão é quem se identifica com Cristo e se compromete com a Igreja de Cristo.

 

  1. Acontece que há pessoas cujo critério são elas próprias e não Cristo. Nem a Igreja de Cristo.

Basta olhar para o que se passa com os sacramentos.

 

  1. Enquanto celebração da fé, os sacramentos pressupõem um conhecimento e uma vivência da mesma fé.

É por isso que a Igreja propõe uma formação permanente e requer uma «vida consentânea com a fé».

 

  1. Como celebrar o que não se conhece e o que não se vive?

Esquece-se que todo o sacramento é um dom, não um direito. Deve, pois, ser acolhido não como cada um entende, mas como Cristo (presente na Sua Igreja) quer.

 

  1. Há quem, vivendo afastado da Igreja ou não levando uma «vida consentânea com a fé», pretenda ser padrinho de Baptismo.

Como é que pode ser testemunha da fé quem não dá testemunho da fé? E que condições tem para integrar na Igreja quem não está integrado na Igreja?

 

  1. Quanto à Eucaristia, nota-se que as pessoas comungam mais, embora se confessem (muito) menos.

Não temos presente que o mesmo Cristo, que nos convida a comer o Seu corpo (cf. 1Cor 11, 24), também nos exorta à conversão (cf. Mc 1, 15).

 

  1. Como podemos receber o Corpo de Cristo se não procuramos converter-nos a Cristo?

É sabido que nunca O receberemos dignamente (cf. Mt 8, 8). Mas não deveremos fazer tudo para O receber o menos indignamente possível (cf. 1Cor 11, 27)?

 

  1. No fundo, há cada vez mais cristãos em «autogestão». Entre eles, estão os cristãos «pós-católicos».

Não contestam a Igreja. Apenas vivem à margem dela ou, então, concebem-na à sua imagem: sem autoridade, sem normas e, quase, sem transcendência. Como ajudar a mudar os que julgam não precisar de mudança?

 

 

publicado por Theosfera às 10:23

O mais óbvio é, muitas vezes, o que mais desleixamos.

Vivemos, mas será que saberemos viver?

Como lidamos com cada fase da vida?

Será que saberemos envelhecer? Será que saberemos lidar com o nosso envelhecimento e com o envelhecimento dos outros?

Hermann Melville dizia que «saber envelhecer é a obra-prima da sabedoria e um dos capítulos mais difíceis da arte de viver».

Só quem sabe envelhecer é que sabe viver!

publicado por Theosfera às 09:35

Hoje, 01 de Agosto, é dia de Sto. Afonso Maria de Ligório e S. Félix de Gerona.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro