O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 10 de Janeiro de 2017

 

 

  1. O paradoxo da «pós-verdade» é que ela, não sendo verdade, chega a ser tida como verdade.

A «pós-verdade» é um eufemismo que pretende apresentar a mentira como um (descontraído) sucedâneo da verdade.

 

  1. A repetida enunciação deste conceito como que já sugere um subtil apelo a que nos habituemos a ele.

Não estará a «pós-verdade» a abrir caminho para um mundo sem verdade?

 

  1. É sabido, como já Aristóteles tinha notado, que a verdade repousa na realidade.

Em princípio, passa-se o mesmo com a «pós-verdade».

 

  1. Acontece que a realidade em que assenta a «pós-verdade» não é, necessariamente, a realidade verificada.

É, cada vez mais, uma realidade fabricada.

 

  1. O critério para aferir a verdade já não é apenas o contacto imediato com a realidade. É, crescentemente, um contacto mediado pela comunicação.

Concretizando, para nós, a verdade não é tanto o que experimentamos, mas o que nos é comunicado.

 

  1. No fundo, a «pós-verdade» também está em conexão com a realidade. Mas com a realidade da comunicação.

As pessoas tendem a tomar como verdadeiras as informações veiculadas pela comunicação social e pelas redes sociais.

 

  1. Só que estas são «verdades» cada vez mais provisórias.

Invariavelmente, chegamos a um momento em que o que era garantido acaba por ser desmentido. Mas o efeito — positivo para alguns e tremendamente negativo para muitos — já foi alcançado.

 

  1. O que aconteceu nas recentes eleições nos Estados Unidos dá bastante que pensar.

Alguém terá inundado as redes sociais com notícias falsas sobre um dos candidatos.

 

  1. O problema é que o debate não foi indiferente a essas falsidades, que não poucos tomavam por verdades.

A «revolução da conectividade» (Mark Zuckerberg) que lugar reserva para a verdade? Estando conectados uns com os outros, será que estamos todos conectados com a realidade?

 

  1. É suposto que a comunicação se baseie na realidade. Mas não é cada vez mais notório que é a realidade que se baseia na comunicação?

Que tempo — e que disponibilidade — existe para olhar para lá da rede? Mas talvez seja isso que urge fazer. Regressemos, como pedia Edmund Husserl, às coisas mesmas, ou seja, à realidade. Sem filtros. E com o ar puro da verdade!

 

publicado por Theosfera às 10:00

Hoje, 10 de Janeiro (início do Tempo Comum), é dia de S. Gonçalo de Amarante, S. Guilherme de Bourges, Sto. Agatão, Sta. Irmã Francisca de Sales Aviat e S. Gregório de Nissa.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro