O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 07 de Setembro de 2016
  1. A Novena está a chegar ao fim, mas não para ti nem para mim. Para nós, a Novena nunca termina; ela é um farol que sempre nos ilumina. A Novena parece desgastante, mas torna-se muito reconfortante. A Novena nunca de nós sai; é uma vivência que sempre connosco vai. Quando daqui saímos, acompanha-nos o que aqui sentimos. Os nossos pés podem aqui não estar, mas o nosso coração aqui está sempre a regressar.

A Novena é uma contínua viagem, que só nesta Casa tem paragem. Para nós, a Casa da Mãe não é um mero lugar de passagem. Para todos nós, esta Casa é cada vez mais um lugar de paragem. Aqui, paramos — e reparamos — para prosseguir um caminho em que ninguém se sente sozinho. Se, alguma vez, nos empurram para o chão, eis que a Mãe nos estende a Sua mão. Por isso, é para Ela que o nosso olhar se levanta. Por isso, é em honra d’Ela que a nossa alma canta.

 

  1. A Novena traz-nos até à Festa de Maria e projecta-nos para a vivência cristã de cada dia. Poderia ser diferente a Festa? Poderia. Mas é desta forma que ela se torna única.

Esta oração matutina muito nos ensina. Começamos de noite e acabamos ao amanhecer. Grande é a lição que nos vem desta multidão: é possível superar a obscuridade quando enchemos o tempo com a luz da eternidade. É preciso, a esta hora, aqui subir para tudo isto se poder sentir. Nada disto se explica, mas tudo isto se sente.

  1. Amanhã, 8 de Setembro, é o Natal de Maria. O ponto alto é o que vai acontecer neste lugar alto. O ponto alto do dia dos anos da Mãe é a refeição em que o Seu Filho nos é dado como Pão. No aniversário de Maria, esta Sua Casa enche-se para a Eucaristia. Durante muitos anos, houve Festa sem Procissão, nas nunca houve Romaria sem Eucaristia. Como aqui já dissemos, a Festa começou pela Novena que culminava com a Eucaristia do grande dia. É o que continua a acontecer hoje. A Procissão nasceu como o belo corolário de quanto se vive dentro do Santuário.

Como poderia faltar a Eucaristia no aniversário de Maria? A Eucaristia é não só o primeiro grande momento do dia 8. Ela é o principal momento de todo o dia 8. A melhor homenagem a Maria é, sem dúvida, a Eucaristia. Aliás, São João Paulo II apresentou-nos Maria como «mulher eucarística». Como bem notou Frei Amador Arrais, Ela é «a perfeita Capela de Deus». É que «se o corpo do Senhor foi formoso, não podia o desta Senhora ser feio».

 

  1. A beleza de Maria resplandece maximanente na Eucaristia. O Corpo e o Sangue que Jesus nos deu é o Corpo e o Sangue que em Maria cresceu. Assim sendo e como perguntava o já mencionado São João Paulo II, «quem pode, melhor do que Maria, fazer-nos saborear a grandeza do mistério da Eucaristia?».

Maria ofereceu o Seu corpo para formar o Corpo de Deus. Por conseguinte, Maria não está apenas no Céu; está também no mundo, acompanhando-nos a cada segundo. Quem recebe Jesus em forma de Pão recebe também Sua Mãe no coração.

 

  1. Acontece que a Casa da Mãe não está aberta apenas nos grandes dias. Aqui, não há somente o «Mês de Maria»; aqui procuramos oferecer todo um «Ano com Maria». É que, acompanhados ou estando sós, a nossa Mãe espera sempre por nós. Por isso, tão importante como a peregrinação dos grandes dias é a romaria de cada dia.

E o certo é que, faça sol ou esteja frio, o Santuário nunca está vazio. A riqueza da peregrinação não está só na multidão; está, desde logo, no que se acende em cada coração. É impossível, pois, falar de peregrinações no total sem valorizar cada peregrinação pessoal.

 

  1. A «peregrinação silenciosa» é, sem dúvida, menos vistosa, mas não é menos valiosa. Até pode ser — só Deus sabe — mais proveitosa. A «peregrinação solitária» não tem necessariamente menos valor que a «peregrinação multitudinária». E, no fundo, nunca está isolado quem a Mãe tem a seu lado. Nós temos sempre Maria ao nosso lado, à nossa beira, como Mãe e fiel companheira.

 

  1. Só Deus e Sua Mãe são capazes de olhar para aquilo em que mais ninguém consegue reparar. O que não vem nos jornais é o que, no fundo, acontece mais. A peregrinação de cada dia tem, indiscutivelmente, uma enorme valia. Deus dá muito valor a quem, todos os dias, entra no Santuário com fé e amor.

É à volta do Altar e do Sacrário que decorre toda a acção do Santuário. Maria é para venerar, não para adorar. A adoração é só — e sempre — para Deus. Aliás, é de Maria nos vem a melhor instrução na arte da oração. É por isso que, em cada dia, adoramos a Deus com Maria.

 

  1. Nossa Senhora dos Remédios, Mãe de Misericórdia, está sempre presente na nossa história. Desde que a Lamego chegou, nunca mais Lamego deixou. A devoção deste povo pela sua Senhora é imensa. É por isso que nem por instantes A dispensa. Alguém, hoje em dia, imagina Lamego sem os Remédios de Maria?

É lá em baixo que corre a cidade, mas é neste alto que escorre a sua identidade. Foi por isso que Lamego se ergueu quando a Sacristia do Santuário ardeu. E foi por isso que Lamego entrou em convulsão quando, por algum motivo, não saiu a Procissão.

 

  1. Quem pensa em Lamego pensa logo na Senhora dos Remédios. É como se de um pacto se tratasse. Lamego pertence a Nossa Senhora dos Remédios e Nossa Senhora dos Remédios pertence a Lamego. Lamego é da Senhora dos Remédios e a Senhora dos Remédios é de Lamego. As estradas da cidade fundem-se com os caminhos do Santuário. Os peregrinos de Nossa Senhora dos Remédios acabam por ser hóspedes de Lamego. É por Ela que Lamego tem chegado ao local mais longínquo. É por Ela que há-de chegar ao futuro mais distante. Todos sabem que Lamego seduz porque, nela, a Senhora reluz.

Verdadeiramente, Nossa Senhora dos Remédios é o rosto de Lamego. Ela é a «primeira Dama» de Lamego. É Ela que lhe dá fama. É Ela que mais gente para aqui chama. Dir-se-ia que, entre a Senhora da cidade e a cidade da Senhora, «existe um namoro antigo que não conhecerá fim».

 

  1. Nós vamos partir, hoje. Mas havemos de voltar amanhã. E não deixaremos de vir depois de amanhã. Afinal, quando aqui não estamos, para aqui caminhamos. Digamos, então, com os lábios e voltemos a dizer com a alma: «Nossa Senhora dos Remédios/Padroeira de Lamego/ Eis-nos aqui peregrinos/À espera do Vosso aconchego». Todos nós sabemos, todos nós sentimos que Nossa Senhora dos Remédios, Padroeira de Lamego, nunca nos faltará com o Seu aconchego. No aconchego da Mãe, a manhã ressurge e a esperança reluz. No aconchego da Mãe, (re)encontramos Jesus.

Na jornada da nossa vida, toda a nossa prece será atendida. Em cada dia, Maria estará na nossa companhia. É por tudo isto que vale sempre a pena participar na Novena. Vale sempre a pena levantar-nos cedo para honrar a Senhora de Lamego. Se Deus quiser, continuaremos sempre a honrar esta Mulher. Da Novena não nos afastaremos. Para o ano, aqui estaremos!

publicado por Theosfera às 08:00

Hoje, 07 de Setembro, é dia de S. Vicente de Santo António e S. Clodoaldo.

Um santo e abençoado dia para todos.

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro