O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2016

Dizem que 83% dos salários em Portugal não passam dos 1500 euros.

Nós sabemos (e sentimos) isso.

Curiosamente, este dado surge no mesmo dia em que um futebolista vê o seu ordenado aumentar...1500%.

Os pontapés na bola são mais caros que os pontapés na vida!

publicado por Theosfera às 09:45

  1. É tudo tão simples, afinal. Deus só quer uma coisa de nós: que sejamos felizes (cf. Mt 5, 1-12).

E só pretende que saibamos uma (outra) coisa: que só seremos felizes fazendo felizes os outros. Ou, pelo menos, não os fazendo mais infelizes.

 

  1. O alpinismo não é um exclusivo dos alpinistas. Há quem goste de subir montanhas e há quem goste subir na vida. Para muitos, o caminho é encostar-se aos grandes.

Nicolas de Chamforte percebeu que «os grandes vendem sempre o seu convívio à vaidade dos pequenos». Mas é tudo tão oco. O vácuo avulta sempre. Há quem não consiga ser grande mesmo quando se encosta aos grandes. A maior grandeza está na humildade. E quem é grande até nas profundezas mostra a grandeza que o habita. Aliás, desde há muito que me habituei. Quando quero encontrar alguém verdadeiramente grande, olho para baixo, para o fundo.

 

  1. Se repararmos bem, pensamos mais na experiência quando erramos. Oscar Wilde dizia que «a experiência é o nome que damos aos nossos erros».

O problema é que, apesar de os repetirmos, parece que não aprendemos. Os erros, muitas vezes, levam-nos a repeti-los cada vez mais.

 

  1. A ingratidão atrai a infelicidade. A infelicidade atrai a ingratidão. É um círculo vicioso, um dédalo insanável sem saída nem solução.

Victor Hugo notou: «Os infelizes são ingratos: isso faz parte da sua infelicidade». Há quem esteja sempre a reclamar dos outros de tal modo que nem tempo sobra para agradecer aos outros.

 

  1. É fácil encontrar o lado errado. Mais difícil é localizar o lado certo. Na política e na vida em geral, há quem aponte erros e exiba certezas. Quando se fala, parece que está tudo certo. Já quando se age, é quase só erros.

Olhando para a actualidade nacional, parece que estamos em presença de uma contenda entre o errado e o errado. Pouco faz sentido: nem os actos de uns, nem as palavras de outros. Haverá uma nesga de sol que rompa este persistente manto de nevoeiro?

 

  1. John Kennedy assinalou: «O fracasso não tem amigos». Eu diria que o fracasso selecciona os amigos.

Os que fogem na hora do fracasso merecerão o nome de amigos? Amigo é para sempre. Sobretudo para as horas difíceis.

 

  1. Parece-me que, hoje mais do que nunca, temos de reaprender a modéstia. Mas a modéstia mesmo, a modéstia a sério. Não uma modéstia para ser elogiada, e que deixaria de ser modéstia.

Consta que Salgado Zenha terá dito: «Sejamos modestos. A modéstia é a melhor forma de vaidade». Muito antes, a sabedoria judaica também alertava: «Demasiada modéstia é meia vaidade». O importante é ser, intrinsecamente, modesto. Ou seja, que cada um, em si, abra caminhos para além de si.

 

  1. O esforço não é tudo, mas é o que abre a porta para tudo. Emerson dizia que «nada se obtém sem esforço; tudo se pode conseguir com ele».

Por isso, nunca deixemos de nos esforçar. O resultado inebria. Mas o que conta mesmo é o esforço.

 

  1. A vida passa por nós. Nós passamos pela vida. Mas será que chegamos a viver?

Já Victor Hugo se inquietava: «A vida passou antes que pudéssemos viver». Não desaproveitemos o momento mais decisivo: este. Vivamo-lo como se fosse o único. Porque cada momento é único.

 

  1. O melhor governo não é o que nos complica a vida. Também não é o que nos resolve a vida. Não lhe cabe complicar. Também não lhe incumbirá substituir.

O governo deveria deixar-nos ser nós próprios. Goethe assim o percebeu: «O melhor governo é o que nos ensina a governar-nos a nós mesmos».

publicado por Theosfera às 09:40

Respeito toda a gente e não julgo ninguém até porque o juízo é de Deus (cf. Deut 1, 17).

Mas há coisas que, por mais que me esforce, não encaixo.

Achava eu que «morte assistida» era morte acompanhada, não morte provocada.

É preciso, sem dúvida, acompanhar quem morre, mas não provocar-lhe a morte.

Aliás, não devia haver assistência só na morte. Devia haver sempre assistência em vida.

Há muita eutanásia por antecipação. Há quem provoque a morte durante a própria vida.

A injustiça, a suspeita e a calúnia não eutanasiam precocemente tantas vidas?

É preciso aliviar o sofrimento de quem sofre. E o melhor alívio é sempre a presença.

Dizem para não metermos Deus nesta discussão.

Esse é o problema. Deus é para sempre: para a vida e para a morte.

Deus é indispensável para viver e é fundamental para sobreviver mesmo depois de morrer!

publicado por Theosfera às 09:38

Hoje, 10 de Fevereiro (Quarta-Feira de Cinzas, Dia de Jejum e Abstinência), é dia de Sta. Escolástica (irmã de S. Bento), S. Luís Stepinac, Sta. Sotera e Sto. Arnaldo.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:12

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro