O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 06 de Janeiro de 2016
  1. Em relação aos outros animais, temos tudo para ser diferentes, melhores. Mas, às vezes, parecemos iguais, para não dizer piores.

Jules Renard só entrevia uma diferença: «Descobri finalmente aquilo que distingue o homem dos outros animais: são os problemas de dinheiro».

 

  1. Não iria tão longe. Uma coisa, porém, é certa. Ninguém é tão humano como os homens. Mas também ninguém consegue ser tão desumano como os homens.

Aproveitemos cada instante para corrigir a trajectória. Não nos desumanizemos mais. Procuremos humanizar-nos cada vez mais.

 

  1. Porque é que tão poucos suportam a verdade? A sabedoria judaica acha que é por causa do peso: «a verdade é pesada; por isso poucos a suportam».

Mas, pensando bem, o peso da verdade é bem leve. O peso da mentira é muito mais difícil de suportar.

 

  1. A escola prepara para o teste e deve preparar sobretudo para a vida. É por isso que a educação é mais que o ensino.

O conhecimento é fundamental, mas o comportamento é decisivo.

 

  1. Alain anotou: «Os trabalhos de estudante são provas para o carácter e não para a inteligência. Seja ortografia, versão ou cálculo, trata-se de aprender a querer».

Sem carácter, nem a inteligência consegue ser inteligente.

 

  1. Num mundo de altos e baixos, de exploradores e explorados, de senhores e escravos,

Francisco de Assis ensina-nos o melhor trato entre os seres humanos: «irmão». Ser homem é ser irmão. De todos os outros homens.

 

  1. A juventude entusiasma, mas também preocupa. Sentimos que há toda uma geração motivada pelo sonho, mas igualmente tolhida por muitos bloqueios.

Não podemos dar muito aos jovens. Mas, pelo menos, não deixemos de lhes dar esperança.

 

  1. Retenhamos estas palavras (imaginem!) de Elvis Presley: «Tudo o que os jovens precisam é de esperança e do sentimento de que pertencem a algo. Se eu pudesse fazer ou dizer alguma coisa que desse a eles este sentimento, eu acredito ter contribuído em algo para o mundo».

Como dizia Teilhard de Chardin, «o futuro pertencerá àqueles que derem ao mundo um pouco de esperança». Um pouco pelo menos. Um pouco de esperança já é muito.

 

  1. As ocupações gastam. Mas são as preocupações que desgastam. É por isso que o maior envelhecimento não ocorre no corpo, mas no espírito.

Esta era, pelo menos, a percepção de Montaigne: «A velhice faz-nos mais rugas no espírito do que na cara». Mas essas rugas não retiram encanto. Há rugas que trazem a marca da coerência. E trazem o selo da fidelidade. Por isso embelezam. E comovem.

 

  1. Só o sábio é capaz de reconhecer que não sabe. Quem se apresenta como portador do saber nem sequer se apercebe de que lhe falta o primeiro saber: saber que não sabe, saber que nem tudo se sabe.

Poder-se-á chegar ao segundo momento sem passar pelo primeiro passo? Só os sábios são humildes. Só os humildes são sábios!

 

 

 

 

 

 

publicado por Theosfera às 22:25

É habitual as pessoas começarem a «arrumar» os adereços de Natal a partir do dia 7 de Janeiro.

Dizem que o Natal acaba no Dia de Reis, que seria hoje.

Acontece que o Dia de Reis coincide com a solenidade da Epifania. É aqui que se celebra a ida dos «reis» a Belém para adorar Jesus Menino.

Só que, como o dia 6 não é feriado, o Dia de Reis passa para o Domingo a seguir ao dia 1. Pelo que este ano, o Dia de Reis (para usar a terminologia popular) já foi no Domingo, dia 3.

Mas o tempo de Natal não termina no Dia de Reis. O tempo de Natal só termina com a festa do Baptismo de Jesus, que ocorre no próximo Domingo, 10 de Janeiro.

É a partir desse dia que podemos arrumar os adereços. Mas nunca devemos «arrumar» as incontáveis lições recebidas no Natal!

publicado por Theosfera às 10:30

Nestes tempos convulsos, é difícil encontrar um norte, divisar um rumo ou descortinar uma direcção.

Os que criticam não costumam gostar de ser criticados.

Numa altura em que lembramos (e lamentamos) a morte dos trabalhadores de uma revista satírica, era bom que aproveitássemos (todos!) a oportunidade para reflectir.

A capa da última edição nem merece apreciação.

Não é assim que se fala de Deus. Não é assim que se respeita quem acredita em Deus.

Não percamos o último suplemento de serenidade que nos resta!

publicado por Theosfera às 10:20

Atenção ao que se diz, cuidado com o que se faz.

A realidade mostra-nos tanta coisa que o melhor é pensar (e pensar muito bem) antes de falar ou de agir.

Era por isso que o salmista se mostrava atento ao seu proceder «não pecar com a língua»(Sal 39, 1).

É que os desmandos da língua dificilmente têm solução.

Na sua simplicidade sábia, o povo diz: «Graças a Deus muitas; graças com Deus poucas». E um velho (e há falecido) mestre costumava sentenciar: «Quem com Deus graceja desgraçado fica».

Na altura, confesso que me arrepiava ao ouvir isto.

Na Sua misericórdia, Deus não castiga. Mas a própria vida revolta-se. E revolta-se muito quando em causa está Deus.

Uma lição que a vida nos dá é que o mal que se faz volta-se sempre sobre quem o faz.

Nunca façamos o mal!

publicado por Theosfera às 07:06

Hoje, 06 de Janeiro, é dia de Sto. André Bessette e Sta. Rafaela Maria.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro