O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quinta-feira, 23 de Julho de 2015

A comunicação redundante torna-se um bocejo e arrisca-se a ser inútil.

Limitar-se a dizer o que acontece é pouco. Dizer o que toda a gente vê serve para quê? Toda a gente vê.

Comunicar tem de ser, por isso, questionar o que acontece.

É claro que se trata de um risco. Mas fora desse risco, valerá a pena comunicar?

Kingsley Amis recomendava: «Se não irritas alguém com o que escreves, não te dês ao trabalho de escrever».

O problema é que não é propriamente fácil suportar o efeito de certas irritações. Mas Jesus deixou o critério decisivo: «Ai de vós quando todos disserem bem de vós»(Lc 6, 26).

É preciso ter coragem para se expor à irritação. Embora custe. Muito!

publicado por Theosfera às 10:42

Até o jornalista se espanta com o cenário.

«Cá fora, filas de turistas em trânsito e um engarrafamento com táxis e "tuk tuks". Lá dentro, guias com bandeiras conduzem dezenas de visitantes apontando para pinturas e castiçais, capelas e túmulos. Ouve-se falar em várias línguas e o ambiente assemelha-se ao de uma estação de comboios. Recolhimento é coisa que ali parece inteiramente impossível».

O repórter não está a falar de um espaço qualquer. Está a falar de um espaço sagrado, no caso a Sé de Lisboa.

Olhando para o que se passa numa tarde de Verão, «é difícil imaginá-la como uma igreja aberta ao culto, onde ainda se celebram baptizados e casamentos e há festa no Natal e na Páscoa». No Natal e na Páscoa, e não só.

Eis uma situação que importa reflectir e urge inflectir.

A recuperação patrimonial dos espaços sagrados tem de ser acompanhada por uma séria recuperação da sua identidade espiritual.

Ou será que vai ser preciso colocar um cartaz à porta das igrejas lembrando: «Aqui "também" se reza»? Também?

Porque, pelos vistos, os templos parecem servir para tudo menos para aquilo para que foram construídos!

publicado por Theosfera às 10:21

A mentira nega a realidade. O sofisma distorce a realidade.

A diferença não é muita.

Só que há mentiras de que nos apercebemos com rapidez. Já de certos sofismas só damos conta muito tarde.

Demasiado tarde?

publicado por Theosfera às 10:08

A liberdade é indissociável dos direitos, mas também é inseparável dos deveres.

George Orwell pensou nos direitos quando afirmou: «Se a liberdade significa alguma coisa, será sobretudo o direito de dizer aos outros o que eles não querem ouvir».

Mas esse direito inclui o dever de acolher o que, muitas vezes, não se quer escutar.

Na sua sabedoria simples e na sua simplicidade sábia, o povo avisa: «Quem diz o que quer arrisca-se a ouvir o que não quer»!

publicado por Theosfera às 10:02

  1. O conhecimento não pode estacionar. Ele emerge em alguém, mas destina-se a todos. Já dizia Winston Churchill: «Se você possui conhecimento, deixe os outros acenderem as suas velas com ele».

O conhecimento tem uma nascente. Nunca saberemos onde se encontra a foz.

 

  1. Os outros raramente nos conhecem. Nós dificilmente conhecemos os outros. E é nessa altura que somos mais prejudicados. Aliás, já Confúcio o notara: «O mestre disse: Não é grave se os homens não te conhecem, grave é se tu não os conheces».

Não é em vão que a palavra «pessoa» remonta ao grego «prosopón», que significa máscara. E, às vezes, leva tempo até que as máscaras caiam. Mas acabam por cair.

 

  1. O mal do nosso tempo é haver tanta gente que sabe. Ou, melhor, que pensa que sabe. É por isso que, nos debates, se fala muito e se ouve nada. É por isso que se erra tanto.

Quem perde somos todos. Os que erram não largam o erro não largam os lugares donde erram. Nem sequer equacionam a possibilidade de o seu muito saber integrar algum (pouco que seja) não saber.

 

  1. Está visto e revisto. Se quisermos (re)encontrar o afecto em estado puro olhemos para a nossa Mãe.

Edmondo Amicis notou: «Se fosse possível descobrir o primeiro e verdadeiro germe de todos os afectos elevados e de todas as acções honestas e generosas de que nos orgulhamos, encontrá-lo-íamos quase sempre no coração da nossa Mãe». Pela nossa Mãe, podemos entrever um vislumbre do grande, do imenso, amor de Deus, do amor que é Deus. Se a nossa Mãe nos ama assim, como não nos há-de amar Deus?

 

  1. Muito se fala hoje do poder e muito se tende a esquecer o dever. O poder é importante. Mas o dever é decisivo. É pelo poder que mostramos o que queremos. Mas é pelo dever que revelamos o que somos.

A sentença de Confúcio mantém-se, pois, actual: «Aprende a viver como deves e morrerás bem».

 

  1. É preciso acreditar o que se deve para saber o que se pode. Acreditar ajuda a saber. Saber ajuda a acreditar. Nunca se consegue saber tudo. E jamais se deverá acreditar em tudo.

Jan Neruda entendia que «quem não sabe nada tem de acreditar em tudo». Mas quem não acredita em nada chegará a saber alguma coisa?

 

  1. Luís XIV achava que «o trabalho só assusta as almas fracas». Mas hoje o que assusta é a falta de trabalho.

A falta de trabalho assusta os fracos e não deixa de assustar os fortes.

 

  1. A vida mostra, a experiência ensina: o que custa vale, o que vale custa. Adam Smith assinalou que «o verdadeiro valor das coisas é o esforço e o problema de as adquirir».

Quanto mais alguma coisa custa, tanto mais a valorizamos.

 

  1. Muito se exalta o pluralismo. Mas muito se estigmatiza a diferença. Quem se afasta do cânon dominante é fustigado ou, então, ignorado. Isto é, acaba por ser condenado à não-existência. E, no entanto, é impossível derrear a identidade e anular o pensamento.

Por muito que pisem a semente, o fruto acabará por surgir. Já Adriano Correia de Oliveira confessava: «Meu pensamento fugiu do vento; podem prendê-lo, mas matá-lo, não».

 

  1. A dor dói. É redundante, mas é a verdade. Porém, quando se supera a dor, a lembrança da dor infunde serenidade. Sobretudo quando a dor foi encarada com dignidade. Aí notaremos que até valeu a pena ter doído, ter sofrido.

Já Cícero se apercebera: «A lembrança serena de uma dor passada traz um prazer». Quando se faz o que deve, tudo se nos pode escapar. Mas a paz não fugirá!

 

 

publicado por Theosfera às 09:57

Hoje, 23 de Julho, é dia de Sta. Brígida (Padroeira da Europa), Sto. Apolinário, Sta. Cunegundes e S. Nicéforo e seus Companheiros mártires.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:26

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro