O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sábado, 04 de Abril de 2015

Este é um dia propício à meditação.

Diante de Jesus sepultado, há muito para reflectir e haverá muito mais para inflectir.

Há sinais de uma repaganização da sociedade.

Outrora, o que se passava no interior repercutia-se no exterior. Estes eram dias em que até cá fora se respirava silêncio e compunção.

Hoje, é o exterior que se repercute cada vez mais no interior. Mesmo nestes dias, há sempre algum frenesim e bastante agitação.

Uma neopaganização nota-se não só no afastamento dos actos litúrgicos. Nota-se também na forma como se está nos actos litúrgicos.

A atitude é tão importante como o acto. Mas há sempre que acreditar na transformação para melhor.

Se até da morte pode surgir a vida, acreditemos numa recomposição da nossa vivência cristã!

publicado por Theosfera às 18:17

É verdadeiramente em Sábado que vivemos.

Já sabemos que a morte foi vencida e que a ressurreição nos é oferecida.

Este é o tempo de, como Jesus, estarmos na terra.

Neste dia, não há celebração da Eucaristia.

É como se tratasse de um convite para acompanharmos o Salvador no silêncio da terra e na solidão da morte.

A Liturgia das Horas está cheia de apelos a que mergulhemos nesse silêncio e nessa solidão.

A Vigília só cronologicamente começa em sábado. Toda ela já é pascal. Toda ela é anúncio do grande (e eterno) dia da Ressurreição.

Na terra onde repousa Jesus somos chamados a dar frutos de amor e paz. Sempre com Jesus!

publicado por Theosfera às 11:30

Seria de esperar que o mundo fosse governado pela compaixão, pela racionalidade e pelo bem.

Só que, como já Kant tinha reparado, ele parece ser (des)governado, antes, pela paixão, pela irracionalidade e pelos males.

O problema não é os males existirem. Já sabemos que são inevitáveis. O problema é sermos (des)comandados por eles.

Hoje é dia para olhar para alguém que altera tudo.

Jesus é o paradigma maior de uma cultura inteira do serviço.

Ele está não para Se servir, mas (unicamente) para servir!

publicado por Theosfera às 11:15

O processo de Jesus configura a condenação da ousadia, da coragem de ser diferente, da liberdade de ser fiel à própria consciência.

 

Jesus corporizou maximamente o «franc parler» (falar franco) e o «free speech»(falar livre).

 

Pagou um preço elevado? Sem dúvida.

 

Já Eugénio de Andrade percebeu que «a independência tem um preço». Mas vale a pena pagá-lo!
publicado por Theosfera às 10:28

Onde esteve Jesus desde a Sua morte até à Sua ressurreição?

 

Eis um dos mais estimulantes convites à procura do saber e, ao mesmo tempo, um dos mais poderosos certificados do não-saber. Não é ilícito procurar aquele, mas é importante aceitar este: não é o não-saber uma das expressões mais vivas do saber?

 

Escutemos o que diz Hans Urs von Balthasar: «Eloquentes quando descrevem a paixão de Jesus vivo até à morte e sepultura, os Evangelhos tornam-se naturalmente silenciosos quando se trata do tempo

que medeia entre o sepultamento e a ressurreição.

 

Devemos estar-lhes gratos por isso. O silêncio pertence à morte, não apenas no que se refere à tristeza dos que sobrevivem, mas, principalmente, em relação ao paradeiro e à situação do morto».

 

Mas, sinceramente, quem lê este magnífico texto fica com a impressão de que von Balthasar até presenciou o que aconteceu.

 

O saber que resulta deste não-saber primordial permite-nos chegar ao essencial: este acontecimento (descida de Jesus à terra) «é sobretudo salvífico, significa a introdução dos frutos da Cruz no abismo da perdição e da morte».

 

Há uma passagem no Evangelho de Nicodemos que ilustra esta afirmação: «À meia-noite, um clarão de sol penetrou naquelas trevas e todos os recantos do Hades tornaram-se luminosos»!

 

Mas, amigo leitor, leia mesmo este texto de von Balthasar. Ficará como eu: extasiado!

publicado por Theosfera às 02:32

De um autor antigo, provavelmente do século IV:

 


«Um grande silêncio reina sobre a terra. Um grande silêncio e uma grande solidão. Um grande silêncio, porque o Rei está dormindo; a terra estremeceu e ficou silenciosa, porque o Deus feito homem adormeceu e acordou os que dormiam há séculos.

Deus morreu na carne e despertou a mansão dos mortos.

O Senhor entrou onde eles estavam, levando em suas mãos a arma da cruz vitoriosa. Quando Adão, nosso primeiro pai, o viu, exclamou para todos os demais, batendo no peito e cheio de admiração: "O meu Senhor está no meio de nós". E Cristo respondeu a Adão: "E com o teu espírito". E, tomando-o pela mão, disse: "Acorda, tu que dormes, levante-te dentre os mortos, e Cristo te iluminará"».

No silêncio, somos convidados a fazer uma viagem até ao nosso interior e meditar sobre o sentido da nossa vida e avaliar a qualidade da nossa relação com o Senhor. Silêncio que nos leva perceber o mistério que envolve a nossa vida e nos fala da necessidade de estarmos com Deus.

Sábado Santo é dia de recolhimento, de encontro com o Ressuscitado, na oração e na contemplação. É preparação para liturgia da Vigília Pascal, a grande festa, a mãe de todas as vigílias e a fonte de todas as liturgias.

publicado por Theosfera às 02:29

O Sábado Santo é uma espécie de entretanto entre a comemoração da morte e a celebração da vida. Entre a Cruz e a Ressurreição, há a sepultura.

 

O trânsito ocorre aqui. A Páscoa está, literalmente, em marcha. A passagem da morte para a vida faz-se no silêncio da espera.

 

Nada há mais distante. Nada existe tão próximo. A morte é a negação da vida. A vida é a superação da morte. Entre uma e outra um dia de espera, de expectativa.

 

Há, aqui, uma realidade e um sentido, um significante e um significado.

 

Desde logo, não é para o alto que devemos olhar. É para as profundidades que temos de nos dirigir.

 

Estamos no fundo? Mas é do fundo que tudo parte.

 

A grande lição do Sábado Santo é que não há motivos para o derrotismo (próprio de Sexta-Feira Santa), mas também não há ainda razões para a euforia (aceitável em Domingo de Páscoa).

 

O Sábado Santo é a grande metáfora da vida humana. É preciso nunca deixar de acreditar, nunca desistir de trabalhar. Não há obstáculos intransponíveis.

 

Deixo, a este propósito, um texto magnífico de Carlo Maria Martini: «Estamos no sábado do tempo, caminhando em direcção ao oitavo dia: entre o "já" e o "ainda não", devemos evitar absolutizar o hoje com atitudes de triunfalismo, ou, pelo contrário, de derrotismo.

 

Não podemos deter-nos na escuridão de Sexta-Feira Santa, numa espécie de "cristianismo sem redenção"; mas também não devemos apressar a plena revelação da vitória da Páscoa em nós, que se realizará na segunda vinda do Filho do Homem.

 

Somos convidados a viver como peregrinos na noite iluminada pela esperança da fé e acalentada pela autenticidade do amor».

publicado por Theosfera às 01:25

Hoje, as igrejas estão vazias. Os altares desnudados. Os tabernáculos abertos e vazios. As velas apagadas.

O silêncio invade todos os ambientes. É uma experiência de recolhimento e atitude de espera.

Tudo para lembrar que Cristo desce à mansão dos mortos e assume o destino e a limitação do ser humano.

Ele é solidário até ao fim e faz a descida da morte, entra no seu mistério, para sair vitorioso e abrir para todos um caminho de luz e esperança.

publicado por Theosfera às 00:21

Hoje é dia do Padroeiro da internet, Sto. Isidoro de Sevilha.

São dele estas palavras: «É melhor orar em silêncio, com o coração, do que só com as palavras e sem a atenção da mente; aquilo que o coração ora calado também a voz deve silenciar, para se esconder dos homens».

É por ele esta oração: «Deus eterno e todo-poderoso, que nos criastes à Vossa imagem e semelhança e nos fizestes procurar tudo o que é bom, verdadeiro e belo, especialmente na divina pessoa de Vosso Filho unigénito, Nosso Senhor Jesus Cristo, permiti-nos que, através da intercessão de Santo Isidoro, bispo e doutor,durante as nossas visitas pela Internet dirijamos as nossas mãos e os nossos olhos apenas para o que Vos é agradável a Vós e tratemos com caridade e paciência todas as almas que encontremos.Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen»!

publicado por Theosfera às 00:14

Hoje, 04 de Abril (Sábado Santo), é dia de Sto. Isidoro de Sevilha, Padroeiro da Internet, S. Bento, o Africano, Sta. Irene e S. José Bento Dusmet.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro