O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 02 de Março de 2015

1. Andamos à volta de quase tudo e no centro de quase nada. Conhecemos quase tudo por fora e ignoramos quase tudo por dentro. Somos íntimos de muitos e estranhos em relação a quase todos, a começar por nós.

É o resultado da abundância de ruído e da ausência de silêncio. É pelo silêncio que entramos em nós. É pelo silêncio que acolhemos os outros em nós.

 

  1. Certeiro foi Sócrates, o preclaro filósofo da antiga Grécia, quando sinalizou: «O verdadeiro conhecimento vem de dentro».

O verdadeiro conhecimento vem de dentro dos outros para dentro de nós. E vai de dentro de nós para dentro dos outros.

 

  1. Em relação aos outros animais, temos tudo para ser diferentes, melhores. Mas, às vezes, parecemos iguais, para não dizer piores. Jules Renard só entrevia uma diferença: «Descobri finalmente aquilo que distingue o homem dos outros animais: são os problemas de dinheiro».

Não iria tão longe. Uma coisa, porém, é certa. Ninguém é tão humano como os homens. Mas também ninguém consegue ser tão desumano como os homens. Aproveitemos cada instante para corrigir a trajectória. Não nos desumanizemos mais. Procuremos humanizar-nos cada vez mais.

 

  1. A guerra é abominável. Mas há quem não consiga sobreviver fora dela. Há quem só se sinta bem fazendo o mal. Há quem só viva matando. Vergílio Ferreira deu conta deste absurdo: «O mais odioso da guerra é a paixão que por ela se tem».

Quando a guerra não existe, inventam-na. Quando ela parece longe, trazem-na para perto. É preciso restaurar a paz onde ela é mais violada: no coração das pessoas.

 

  1. Uma opção tem de ser tomada. John Kennedy identificou-a: «A humanidade tem de acabar com a guerra antes que a guerra acabe com a humanidade».

Se adiarmos para tarde, pode ser tarde demais.

 

  1. A inveja dói. Mas, como já dizia Heródoto, «mais vale ser invejado que lastimado».

A inveja é uma coisa má por causa de uma coisa boa. A inveja é uma espécie de tributo que a incompetência e a raiva prestam ao mérito.

 

  1. Porque é que tão poucos suportam a verdade? A sabedoria judaica acha que é por causa do peso: «A verdade é pesada; por isso poucos a suportam».

Mas, pensando bem, o peso da verdade é bem leve. O peso da mentira é muito mais difícil de suportar.

 

  1. A dor dói, mas ensina. Ensina sobre o mundo. Ensina sobre a vida. Ensina sobre Deus.

Guerra Junqueiro assinalou: «Quem fraterniza com a dor, comunga no grémio de Deus».

 

  1. A tecnologia consegue muito. Mas a imaginação consegue muito mais. A imaginação é a alma que pode optimizar a tecnologia. Arthur Clarke percebeu: «Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinta de magia».

Não nos maquinizemos em demasia. Deixemos algum espaço para a magia. E muito espaço para fé. É ela o grande carburante da esperança.

 

  1. Deixemos que o futuro seja futuro. Hoje, há um excesso de futuro nas palavras e, ao mesmo tempo, um défice de futuro nas acções. Tanto se fala de futuro, tanto programamos o futuro que até o comprometemos, que até o adiamos.

A melhor oferta que podemos dar ao futuro é dar o nosso melhor no presente. O dia mais importante é hoje. Cada hoje. Não o desfeiteemos. Nem o desaproveitemos!

 

publicado por Theosfera às 10:33

O nosso (incorrigível) hábito de pôr um preço em tudo leva-nos a indexar o valor ao preço.

Quase por instinto, depreendemos que quanto maior o preço, tanto mais alto o valor.

Infelizmente, é por este meridiano que nos movemos.

Para muitos, o que tem baixo preço tem baixo valor. E, como corolário, o que não tem preço não terá qualquer valor.

Engano total, este.

Esquecemos que o mais valioso não tem preço. Para o mais valioso, nenhum preço basta.

Oliveira Martins assim o notou: «Nem tudo tem preço, mas tudo tem valor e o que tem mais valor é o que não tem preço».

publicado por Theosfera às 09:29

É difícil perceber a vontade, a roçar a sofreguidão, de, hoje em dia, se expor tudo.

Para quê tanto afã? Para quê tanto trabalho?

O tempo faz tudo isso. Já Sófocles o reconhecia: «O tempo vê, escuta e revela tudo». Até o que não é verdade. Até o que não existe.

O que colhemos no tempo nem sempre corresponde ao que o tempo (nos) mostra!

publicado por Theosfera às 09:22

Hoje, 02 de Março, é dia dos Mártires dos Lombrados, Sta. Inês da Boémia e Sta. Ângela da Cruz Guerrero González.

Um santo e abençoado dia de Quaresma para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro