O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2015

Muita coisa (per)passa pelas páginas de um livro. Nele, podemos encontrar imensas preciosidades.

Mas o mais importante num livro não são os possíveis ensinamentos, são as experiências.

Montaigne confessava: «Os livros têm-me servido menos de instrução do que de exercício».

Um livro de papel é um ponto de chegada e um ponto de partida.

O livro da vida está antes. E continua sempre depois!

publicado por Theosfera às 10:45

Fugir nunca resolve. Quem foge nunca deixa de fugir porque acha que há sempre quem o queira perseguir.

Fugir de um problema não afasta o problema. Pode-se estar sempre a fugir, mas o problema estará sempre a ressurgir.

Cesare Pavese observou: «Não conseguimos livrar-nos de uma coisa evitando-a, mas apenas atravessando-a».

Só enfrentando os problemas poderemos resolvê-los.

Se quer vencer um problema,comece por olhar para ele. De frente!

publicado por Theosfera às 10:38

Há países que não se contentam em ser países. Querem, a toda a força, ser impérios.

Mesmo quando se trata de países grandes, há quem não fique saciado.

Em tamanho, a Rússia é o maior país da terra. Porquê todo este afã em anexar mais territórios?

Talvez porque, na sua óptica, só existe império quando um país domina outro(s) país(es).

Há quem diga que, sem a Ucrânia, a Rússia é um país. Com a Ucrânia, a Rússia torna-se um império.

Curiosamente, Ucrânia é uma palavra que significa fronteira. Neste momento, trata-se da fronteira que (ainda) sustém a materialização dos ímpetos imperiais do vizinho.

Mas a Crimeia já foi conquistada e algumas parcelas estão a ser ferozmente disputadas.

Esta manhã, mais vinte mortos sucubiram a esta espiral de violência.

Até quando?

publicado por Theosfera às 10:27

Grande e muito bela é a proximidade.

Ser próximo é mais do que estar perto.

Nem sempre os que estão perto se tornam próximos.

Há quem não queira ser próximo. E também há quem queira deixar de ser próximo.

A proximidade não pode ser imposta. Tem de ser, permanentemente, cultivada e cativada.

Como reagir ao abandono? Com delicadeza, sem estrondo.

Já dizia Anne Louise Germaine de Stael: «Abandonando nobremente quem nos deixa, colocamo-nos acima de quem perdemos».

Mas, pela minha parte, nem colocava a questão em estar acima ou em estar abaixo. Tudo se cinge ao respeito.

Há que acolher quem se aproxima. Há que respeitar quem se afasta.

Sem dramas ou, como diz agora, sem «stress». Ainda que com algumas mágoas. Mas estas devem ser guardadas cá dentro!

publicado por Theosfera às 10:13

Foi por amor à Igreja que João Paulo II entendeu permanecer até ao fim. Foi por amor à Igreja que Bento XVI decidiu sair antes do fim.

Neste sentido, não é correcto dizer que João Paulo II ficou apegado ao lugar nem que Bento XVI optou por fugir da missão.

João Paulo II optou por confiar naqueles que trabalhavam com ele. Há dois anos, Bento XVI optou por confiar o trabalho a outro depois dele.

No fundo, é a mesma leitura crente da realidade. Sejam quais forem as nossas opções, é sempre Deus que conduz a história: antes de nós, connosco e depois de nós!

publicado por Theosfera às 02:16

Não posso esquecer, neste dia de Nossa Senhora de Lourdes, quem é acometido pelo mistério da dor, pelo mistério do sofrimento.

Penso na dor física, na dor moral, na injustiça. Penso nas vítimas da calúnia, da difamação, da inveja, da intriga malsã, da insinuação torpe. Estou com todos. Rezo por todos. 

Não esqueço também tanta gente que, de perto ou de longe, me pede oração.

A minha oração é pobre, muito pobre. Mas ofereço-a com a melhor vontade.

Tenho a certeza de que todos irão melhorar. O sol da felicidade há-de brilhar me todos os corações!

publicado por Theosfera às 01:12

Confesso que sinto uma profunda nostalgia de tempos em que sorríamos de felicidade por ver acontecer aquilo em que acreditávamos.

Um dos dias em que experimentei essa (reconfortante) sensação foi precisamente o dia 11 de Fevereiro de 1990.

Nesse dia, um sorridente e muito calmo Nélson Mandela saía da prisão, onde estivera 27 anos. 

Despojado, disse que vinha «não como profeta, mas como humilde servo do nosso povo».

Que belo o tempo em que se lutava e sofria, não por interesses, mas por ideais! Sobretudo por ideais como a justiça, a liberdade, a paz!

publicado por Theosfera às 00:09

Hoje, 11 de Fevereiro, é dia de Nossa Senhora de Lourdes, Sto. Adolfo e S. Bento de Aniano.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9




Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...

blogs SAPO


Universidade de Aveiro