O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 18 de Novembro de 2014
  1. Aquela tinha sido uma semana especialmente complicada. Ficou mesmo conhecida como a «semana negra» do Concílio.

O Vaticano II encaminhava-se para o final da sua terceira sessão e as questões mais sensíveis cavavam divisões entre os participantes.

 

  1. Logo na segunda-feira, anuncia-se que Paulo VI resolvera introduzir uma nota explicativa na constituição dogmática sobre a Igreja.

Aí se reafirma o primado papal acautelando eventuais interpretações conciliaristas da colegialidade episcopal.

 

  1. Na quinta-feira, o decreto sobre o ecumenismo é alterado com 19 emendas do Santo Padre, o que desagradou a muitos dos redactores.

Na sexta-feira, o Sumo Pontífice sugere o adiamento da votação do decreto sobre a liberdade religiosa para a quarta — e última — sessão do Concílio.

 

  1. E foi no sábado, 21 de Novembro de 1964, que Paulo VI atribuiu a Nossa Senhora o título de «Mãe da Igreja».

Enquanto Mãe de Cristo, Ela é Mãe dos membros do Corpo de Cristo: «fiéis e pastores».

 

  1. Foi, portanto, há 50 anos que Maria Se tornou oficialmente reconhecida como Mãe da Igreja. No entanto, a origem deste título é muito antiga.

Segundo Hugo Rahner, irmão de Karl Rahner, terá sido usado pela primeira vez por Sto. Ambrósio, no século IV.

 

  1. Como Mãe da Igreja, Maria avulta como modelo da Igreja mãe.

Na Mãe a Igreja torna-se mãe.

 

  1. O que Maria é corresponde ao que a Igreja é chamada a ser.

O que é conhecido em Maria deveria ser sempre reconhecido na Igreja.

 

  1. Aliás, desde jovem, o futuro Paulo VI defendia a necessidade de a Igreja despontar como mestra da verdade e, ao mesmo tempo, como mãe da caridade.

No dia da sua Missa Nova, distribuiu uma oração atribuída a S. Pio X, onde se pedia: «Que todas as inteligências se reúnam na Verdade e que todos os corações se encontrem na Caridade».

 

  1. Na Mãe, a Igreja Mãe atinge a sua máxima perfeição e encontra o seu maior desafio.

Para a Igreja, Maria é —como assinalou Otto Semelroth — o seu «pléroma» e o seu «gérmen».

 

  1.  João Paulo I, imediato sucessor de Paulo VI, ter-nos-á surpreendido quando recordou que «Deus é Pai e, ainda mais, Mãe». No fundo, Maria traz para nós a paternidade maternal de Deus.

Que a Igreja reaprenda com a Mãe a ser cada vez mais mãe!

 

publicado por Theosfera às 10:48

Importante é ouvir. Mas muito necessário é não dar crédito a tudo o que se ouve.

Já Francisco Quevedo notava, nos idos de Seiscentos, que «quem julga pelo que ouve e não pelo que entende é orelha e não juiz».

É preciso reflectir muito e repensar bastante.

Avaliar não se compadece com improvisar!

publicado por Theosfera às 09:50

Por muita informação que nos chegue, há notícias que demonstram o quanto (ainda) andamos distraídos.

Desta manhã vem um dado que configura um clamor.

Pensava eu que a escratura já não existia. Puro engano.

Neste mundo, há quase 36 milhões de seres humanos que (sobre)vivem na escravidão.

E não se pense que é só lá longe. Portugal ocupa um tristíssimo 10º lugar entre 167 países.

Entre nós, ainda há 1400 trabalhadores escravos. Assustador!

publicado por Theosfera às 09:42

Hoje, 18 de Novembro, é dia da Dedicação das Basílicas de S. Pedro e S. Paulo, Sta. Carolina Kózka, Sto. Odo de Cluny, S. Domingos Jorge, Sta. Isabel Fernandes, Sto. Inácio e Sta. Salomé de Cracóvia.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro