O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 21 de Outubro de 2014

 

  1. Há quem diga — Longanesi, por exemplo — que é próprio dos grandes homens não serem compreendidos.

Trata-se, por conseguinte, de uma grandeza trágica.

 

  1. Quem é excepcional é quase sempre conhecido, mas raramente é reconhecido.

Tem encontro assegurado com a História e desencontros garantidos ao longo da sua história.

 

  1. Poucas figuras terão sido tão incompreendidas como Paulo VI.

Gastou a vida a procurar compreender os outros. E desgastou-se em vida ao ser incompreendido por outros.

 

  1. Desencantou os que pretendiam homéricas transformações. E, como é óbvio, não deixou de desapontar os que não toleravam a mais leve alteração.

Tornou-se, assim, demasiado progressista para os conservadores e excessivamente conservador para os progressistas.

 

  1. Houve quem lhe apoucasse a profundidade, reduzindo-a a mera hesitação. Não faltou sequer quem lhe apontasse uma indecisão crónica, «hamletiana».

Trata-se, porém, de uma leitura apressada, que esquece a sua inteligência e negligencia o seu carácter.

 

  1. Paulo VI sopesava todas as dimensões de um problema e valorizava todos os pontos de vista de uma discussão.

Não era indiferente às mudanças no mundo. Mas foi sempre fiel às exigências da missão.

 

  1. Uma coisa é hesitar, outra coisa é amadurecer. Afinal, o que parecia indecisão era maturidade.

Paulo VI não hesitava na decisão; amadurecia a decisão, amadurecia para a decisão.

 

  1. Foi o Papa do diálogo (tema aliás da sua primeira encíclica), dos reencontros (o abraço trocado com Atenágoras comoveu o mundo) e das sínteses.

Procurou a confluência entre a tradição e a modernidade e jamais optou entre a verdade e a caridade. Muito antes da eleição papal, orava para que «todas as inteligências se reunissem na verdade e todos os corações se encontrassem na caridade». Não é tarefa fácil, mas Paulo VI não se resignou a considerá-la impossível.

 

 

  1. Nunca decidiu em função da sua sensibilidade pessoal. Daí o seu aspecto sofrido. E daí também o seu ar tranquilo. Para ele, Deus vinha primeiro e a Igreja estava antes. O importante não era a sua vontade, mas o seu dever.

Não terá sido muito aplaudido. Mas nota-se que é cada vez mais respeitado. No fundo e apesar de parecer comedido, até foi bastante ousado, evangelicamente ousado. Lançou as sementes e rasgou horizontes. Mas guardou sempre as raízes. Procurou ver além de si mesmo e agir para lá de si próprio.  

 

  1. Acresce que Paulo VI foi o primeiro Papa a vir a Fátima. E de Fátima gritou para o mundo: «Homens, sede homens!»

Ainda falta muito para que nós, homens, sejamos autenticamente humanos. Ainda falta muito para que nós, cristãos, sejamos verdadeiramente cristãos. Ainda há muito Evangelho para semear em nós. E para colher à nossa volta!

publicado por Theosfera às 11:50

Geralmente, é só na ausência que valorizamos. Mas, às vezes, pode ser tarde.

Thomas Fuller notou que «nunca sabemos o valor da água até o poço secar». 

A ingratidão é que não parece parar de crescer!

publicado por Theosfera às 10:46

É preciso ter muita força para vencer as dificuldades e superar os obstáculos.

Mas o excesso de força pode ser prejudicial.

É cada vez mais necessário condimentar a força com doses de prudência.

Aliás, era o que recomendava Píndaro: «Quem quer vencer um obstáculo deve armar-se da força do leão e da prudência da serpente»!

publicado por Theosfera às 10:37

Afinal, o que muda em nós quando mudamos?

Será que mudamos assim tanto?

Vergílio Ferreira sustenta: «Não mudamos com a idade na estrutura do que somos. Apenas, como na música, somo-lo noutro tom».

Será?

publicado por Theosfera às 10:33

O segredo da sabedoria não está só (nem principalmente) em conhecer; está sobretudo em caminhar.

Critério?

Diz a sabedoria jainista que «os ignorantes deixam-se facilmente desencaminhar»!

publicado por Theosfera às 10:30

Hoje, 21 de Outubro, é dia de Sto. Hilarião, Sta. Úrsula e S. Gaspar del Búfalo.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
hora
Relogio com Javascript

blogs SAPO


Universidade de Aveiro