O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sábado, 09 de Agosto de 2014

O tempo dá ou tira?

La Rochefoucauld era arrasador: «Os defeitos do espírito aumentam com a idade, tal como os do rosto».

Pode ser que sim. Mas será que é assim? Creio que não tem de ser obrigatoriamente assim.

Nem sempre a idade traz defeitos: nem ao espírito nem ao rosto.

O cair da tarde não é menos encantador que o viço da manhã!

publicado por Theosfera às 12:09

As revoluções fazem-se para ter. Para ter mais território, para ter melhor nível de vida, para ter mais liberdade ou para ter mais poder.

Ao fim e ao cabo, somos mais «ter» que «ser».

Daí que Agostinho da Silva, com o talante provocador do seu génio, tenha advogado uma revolução não só para não ter mas sobretudo para deixar de ter: «A única revolução definitiva é a de despojar-se cada um das propriedades que o limitam e acabarão por o destruir, propriedade de coisas, propriedade de gente, propriedade de si próprio».

E, de facto, ter umas vezes ajuda, outras vezes complica.

A vida não é linear. Há que escutá-la em todos os seus sussurros!

publicado por Theosfera às 12:04

A segunda bomba atómica foi lançada neste dia. Há 69 anos. «Ontem», portanto.

Que tenha sido a última vez.

Este é o nosso desejo. Mas poderá ser a nossa certeza?

publicado por Theosfera às 00:44

Os grandes pólos da missão estão sinalizados no sacrário e na rua.

Cristo está no templo e no tempo. Cristo está no pão e no pobre.

Cristo subiu às alturas, mas continua a ser encontrado nas profundidades.

Cristo também está em baixo. Cristo também está do lado de fora.

É preciso saber sair para que muitos possam (re)entrar.

Há, indiscutivelmente, muito que fazer. Mas, como prevenia Sebastião da Gama, há muito mais que amar.

Há que amar humanamente a Deus. E há que (tentar) amar divinamente o próximo.

Há verbos que o padre não pode conjugar: o verbo «impor», o verbo «explorar», o verbo «ofender».

O padre só pode conjugar o verbo «servir», o verbo «dar» (sobretudo na forma reflexa: «dar-se»), em suma, o verbo «amar».

publicado por Theosfera às 00:25

Da universidade para o convento e do convento para o campo de concentração.

 

Assim pode ser condensado o percurso de uma das mulheres mais brilhantes do último século.

 

Edith Stein, transfigurada em Teresa Benedita da Cruz, investiu tudo na procura da verdade. Ao encontrá-la, mudou a vida, mudou de vida.

 

Deixou de ser discípula de um dos mais brilhantes filósofos do seu tempo para se tornar apóstola do mestre de todos os tempos.

 

De Husserl a Jesus, Edith Stein cresceu na sabedoria e desaguou na santidade.

 

Três anos antes do lançamento da segunda bomba atómica, esta mulher exalava o seu último suspiro.

 

Mas nem a morte apagou o rasto da sua vida.

publicado por Theosfera às 00:18

Hoje, 09 de Agosto, é dia de Sta. Teresa Benedita da Cruz (nome religioso da filósofa Edith Stein), S. Carlos Maria Leisner, S. Samuel de Edessa e S. João de Fermo ou da Alvérnia.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro