O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sexta-feira, 08 de Agosto de 2014

Neste dia, há 26 anos, iniciava o retiro para a ordenação de diácono. Durante ele, redigi um compromisso que todas as manhãs, diante do Santíssimo, revisito:

 

Cheguei à conclusão de que:

— o ministério que exercemos é o alicerce da espiritualidade que pretendemos e que se nos exige;

— a santidade é o objectivo e se atinge pelo serviço;

— é necessário ser sinal de unidade e factor de comunhão;

Cristo e os irmãos constituem os pólos da espiritualidade sacerdotal;

— urge incrementar o espírito de fraternidade humana e de comunhão universal: «Quem ama a Deus, ame também a seu irmão»(1 Jo 4, 21).

 

Deste modo, e contando com o auxílio divino e a protecção da Mãe do Céu, desejo:

renovar o meu «sim» cada dia;

mudar a minha vida ao ritmo do Evangelho;

moldar o meu pensar pelas determinações do ministério que venha a exercer;

ser sinal de Jesus Cristo em tudo e para todos;

— dedicar-me à oração diária e constante (nomeadamente a Eucaristia, a Liturgia das Horas, o Rosário e a Meditação);

— responder às situações delicadas com a serenidade proveniente da paz de espírito;

— ser delicado e simpático para com todos (em casa e na rua, sem distinção);

entregar-me todos os dias a Jesus e a Maria e estar atento às necessidades dos que me rodeiam;

— ser autenticamente humilde;

— fazer os possíveis por ler isto todos os dias.

publicado por Theosfera às 10:22

Bom livro não é tanto o que nos faz admirar o autor, mas o que nos permite descobrir uma pessoa.

Era o que já pressentia Pascal: «Ao ver um estilo natural, ficamos surpreendidos e encantados, pois esperávamos ver um autor, e encontramos um homem».

Um livro há-de ser uma «explosão» da alma!

publicado por Theosfera às 10:14

Um livro não traz apenas informações. Um livro é também (e bastante) um despertador de horizontes.

Era o que Jean Rostand pedia: «Peço a um livro que crie em mim a necessidade daquilo que ele me traz».

Um bom livro não se esgota na última página.

A última página de um livro há-de ser a primeira de muitas páginas na vida!

publicado por Theosfera às 10:11

Os objectivos são essenciais. São eles que alentam e alimentam.

Podemos não os atingir, mas são eles que nos espevitam enquanto não os conseguimos alcançar.

Acontece que os meios também contam. Não vale tudo.

É preciso que os meios respeitem. É fundamental que os meios não atropelem.

Georges Braque advogava: «Não é o objectivo que tem interesse, são os meios para o alcançar».

É claro que o objectivo tem interesse. Sem ele não sabemos para onde ir.

Mas os meios não têm menos peso. São eles que mostram a forma como queremos chegar.

E há amostras que assustam!

publicado por Theosfera às 10:07

Quanto mais autêntico, tanto mais verdadeiro e bom.

Fernando Pessoa, pensando na poesia, fez a seguinte clarificação: «O poeta superior diz o que efectivamente sente. O poeta médio diz o que decide sentir. O poeta inferior diz o que julga que deve sentir».

Definitivamente, a capacidade repousa na autenticidade.

Quem não se deixa aprisionar é quem mais belamente se expressa e manifesta.

O essencial é abrir a alma. É de lá que tudo vai. É para lá que tudo volta!

publicado por Theosfera às 09:56

A audácia de conquistar não garante a conquista, mas, pelo menos, não nos afasta dela.

Já o medo de perder o que se conquistou, e que também não nos assegura nada, pode levar-nos a perder tudo.

Bem dizia Epicuro: «Pelo medo de ter de se contentar com pouco, a maioria dos homens deixa-se levar a actos que aumentam ainda mais esse medo».

De novo se confirma: quem arrisca pode perder, mas quem não arrisca já está perdida.

A vida é dom contínuo e um risco constante. Viver é arriscar!

publicado por Theosfera às 09:48

Um padre não deixa de ser humano e é vital que nunca seja desumano.

Ele não deixa de ser homem quando sobe as escadas para a igreja. E não deixa de ser padre quando desce as escadas da igreja.

Sempre homem, sempre padre.

Um padre deve cultivar sentimentos evitando alimentar ressentimentos.

É óbvio que um padre também se sente, também sofre.

O que o padre nunca deve é fazer sofrer.

O padre deve estar ao lado, não dos causadores do sofrimento, mas das vítimas do sofrimento.

Nem sempre terá respostas que aquietem todas as perguntas, mas deverá ter perguntas que inquietem muitas respostas.

publicado por Theosfera às 00:22

Senhor,
se necessitas de valentes sob o Teu estandarte,
aí estão Clara, Teresa, Domingos, Francisco, Inácio,...
aí estão Lourenço e Cecília...

Mas, se por acaso, alguma vez precisares de um preguiçoso
e de um medíocre, de um ou outro ignorante, de um orgulhoso,
de um cobarde, de um ingrato ou de um impuro,
de um homem cujo coração esteve fechado e cujo rosto foi duro...,
aqui estou eu!
Quando te faltarem os outros, a mim sempre me terás!

 

 

Uma bela oração de Charles Péguy.

publicado por Theosfera às 00:01

Hoje, 08 de Agosto, é dia de S. Domingos (Fundador da Ordem dos Pregadores), 14 Santos Auxiliadores e Sta. Maria Margarida do Sagrado Coração, Fundadora das Irmãs Mínimas do Sagrado Coração.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9






Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro