O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sábado, 14 de Junho de 2014

Há mortes que fazem viver. E há vidas que fazem morrer.

Até ao fim de Abril, 294 pessoas puseram fim à vida.

Estará a vida a tornar-se inviável?

A resposta dos que partiram não deixa margem para dúvidas.

Urge repor as razões da esperança!

publicado por Theosfera às 11:59

Fragmentar é amputar, é fazer perder os elos.

Os fragmentos tornam-se volteios sem que se consiga captar o sentido.

Dizem que a pós-modernidade é o tempo do fragmento.

O problema é a sinédoque, a propensão para tomar o fragmento pela totalidade. Nem o conhecimento fica de fora.

O segredo do conhecimento é juntar elementos e não estacionar em cada um deles.

Voltando a Kant, diria que «o conhecimento começa com intuições, passa aos conceitos e termina com ideias».

Às vezes, ouve-se propagar ideias que não passam de impulsos momentâneos. No momento seguinte, nem recordações se tornam!

publicado por Theosfera às 11:54

A suspeita é uma forma de preconceito.

Conclui antes de pensar. Proclama antes de ver. Ou, então, aplica a todos o que encontra em alguns.

Hoje em dia, existe uma desconfiança em relação às pessoas que falam pouco e que propendem para a solidão.

Fácil é acoimá-los de associais ou anti-sociais. Eu diria: depende.

Não há uma lei uniforme. Cada ser humano é uma surpresa, até para si.

Há pessoas aparentemente sociáveis que cometem as maiores atrocidades. Há pessoas solitárias que são de um aprumo imaculado e de uma correcção inatacável.

Em síntese, em todos pode haver de tudo.

E, quanto à solidão já reza o ditado: «Homo solus, aut Deus, aut bestia».

Comentando esta afirmação, diz o Padre Manuel Bernardes: «O homem que está só, ou se faz semelhante a Deus, ou a um animal; porque ou ocupa o coração com a presença de Deus em actos pios e meditações santas, e então recebe muito de Deus; ou se deixa levar da natureza, cuidando em coisas inúteis ou perversas, e então se parece com os animais, que ociosos criam malícia. Porém, não entendo que está solitário o homem que estiver com bons livros, porque isto é o mesmo que conversar mudamente com os Varões Santos, ou doutos e discretos, que os compuseram».

Não existe uma linha unidireccional.

Às vezes nunca nos sentimos tão sós como quando estamos acompanhados.

E, outras vezes, nunca nos sentimos tão acompanhados como quando estamos sós!

publicado por Theosfera às 11:38

Se fosse vivo, meu querido Pai faria hoje 111 anos!

 

Meu Pai está vivo. No Céu. Em Deus. Em mim.

 

Como sinto a sua falta!

 

Parabéns, Pai!

publicado por Theosfera às 00:13

Hoje, 14 de Junho, é dia de Sto. Eliseu, Sta. Anastásia, S. Félix, Sta. Digna e Sta. Maria Micaela do Santíssimo Sacramento.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro