O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 21 de Abril de 2014

1. Há coisas em que parecemos incorrigíveis.

Muitas vezes, quando olhamos para cima, não olhamos para o céu, nem para Deus. Olhamos para a frente, para os lugares da frente. E, no fundo, sentimos algum pesar por lá não estarmos.

 

2. Acontece que nem sempre há grandeza no que é grande. Pelo contrário, há sempre muita grandeza no pequeno.

Para Deus, sobe-se descendo. As pessoas mais parecidas com Deus são as mais simples, as mais humildes.

 

3. As melhores pessoas são as mais simples. Infelizmente, são as mais esquecidas. Mas são elas que trabalham para outros possam brilhar. Até nisso são grandes. Dão tudo pelos outros e até são capazes de dar o palco aos outros.

As pessoas humildes são sãs, são chãs. Sabem à terra. E sabem a Deus na Terra!

 

4. Diz a parábola que havia três irmãos (a água, o nevoeiro e a vergonha) que, um dia, resolveram apartar-se. Para facilitarem o reencontro, combinaram o lugar onde cada um estaria.

A água andaria pelo fundo das terras e o nevoeiro pelos vales. O problema era a vergonha. Quem a perdesse, nunca mais a encontraria.

 

5. O progresso, que há anos parecia irreversível, parece estar a recuar. O descontentamento é crescente. A revolta é preocupante. Que se passa, afinal?

Francis Fukuyama entende que estamos a assistir a uma «revolução global da classe média». É esta classe que não quer voltar para onde já esteve. Mas que, ao mesmo tempo, sente que não está a conseguir estar onde se habituou a estar.

 

6. Sabemos falar as línguas que se usam lá fora e temos dificuldade em entender a linguagem que se usa cá dentro.

Por vezes, temos a sensação de que é mais fácil falar inglês, francês e até alemão do que perceber o português que alguns usam em Portugal.

 

7. Parece uma novilíngua de sabor cabalístico. Quando ouvimos falar de «swaps», «contratos tóxicos», «mercados», etc., ficamos com a impressão de que nos estão a esconder algo em vez de nos estarem a dizer alguma coisa.

Dizem que é a falar que a gente se entende. Mas, às vezes, parece que é a falar que alguns nos querem impedir de entender.

 

8. Que se pode obter na educação? Ciência, sem dúvida. Mas também consciência. E também conduta.

Nietzsche achava que a educação até nos devia ajudar a lidar com a solidão: «Paulatinamente esclareceu-se, para mim, a mais comum deficiência de nosso tipo de formação e educação: ninguém aprende, ninguém aspira, ninguém ensina a suportar a solidão».

 

9. É importante estarmos abertos ao convívio. Mas é indispensável não estarmos totalmente impreparados para a solidão.

Tudo é preciso na vida.

 

10. Da aurora dos tempos vem-nos, via Pitágoras, um precioso (e imprescritível) conselho: «Escuta e serás sábio. O começo da sabedoria é o silêncio».

Diria que é o começo e, não poucas vezes, o meio e o fim. Da sabedoria e de (quase) tudo!

 

 

 

 

 

publicado por Theosfera às 23:24

O dinheiro pode ser fonte de muitas alegrias. Mas acaba por ser também a nascente de muitas frustrações.

Quando ele falta, parece que falta tudo.

É por isso que precisamos de fé.

Só com a fé somos capazes de lidar serenamente com o que não conseguimos (ob)ter!

publicado por Theosfera às 10:30

Não vence quem se preocupa com as derrotas. Vence quem se preocupa com as vitórias.

Como alertou Fernando Pessoa, «vence quem pensa só no que precisa para vencer». E consegue encontrar o que precisa!

publicado por Theosfera às 10:27

A crítica é necessária. Mas, às vezes, surte o efeito contrário ao pretendido.

A mágoa que provoca apaga, quase sempre, a melhoria que se pretende.

Não raramente, fica a dúvida. Será que se deseja melhorar ou vincar as limitações dos outros?

Foi por isso que Schopenhauer aconselhou: «Devemos abster-nos, na conversação, de observações críticas, mesmo que sejam as mais bem intencionadas, pois magoar as pessoas é fácil; difícil, se não impossível, é melhorá-las»!

publicado por Theosfera às 10:09

Hoje, 21 de Abril (Segunda-Feira da Oitava da Páscoa), é dia de Sto. Anselmo de Aosta, S. Conrado de Parzham e S. Maximiano de Constantinopla.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro