O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 15 de Janeiro de 2014

1. Atravessados em filigrana por uma tumultuosa contradição, os nossos tempos são tecidos, em simultâneo, por um altruísmo ardente e por um individualismo feroz.

Será possível explicar?

 

2. As distâncias físicas como que foram anuladas. Vivemos, cada vez mais, ao lado uns dos outros.

Sabemos — ou presumimos saber — tudo o que se passa com os outros. Estamos perto de muitos e as vias de comunicação colocam-nos não longe de todos.

 

3. A passagem de uma civilização de pendor rural para uma civilização de teor urbano leva-nos a estar rodeados de ajuntamentos e a posicionarmo-nos constantemente em multidão.

E é assim que apontamos o dedo quando um não vai ao encontro de muitos. Mas não nos preocupamos quando muitos se recusam a ir ao encontro de um.

 

4. Esquecemos que o outro não tem valor quando é multiplicado por muitos.

O valor do outro consiste em ser pessoa, em ser único, irrepetível.

 

5. Por um lado, parece haver uma espécie de alterlatria, de culto do outro. Só que nem sempre este reconhecimento do outro convive pacificamente com um genuíno respeito pela identidade do outro, pela maneira de ser do outro.

Ou seja, queremos o outro à nossa medida. Afinal, estamos muito perto, mas não nos sentimos muito próximos.

 

6. Se repararmos no grande ícone da nossa época — as manifestações —, notaremos que é praticamente impossível encontrar uma multidão totalmente unânime.

É raro haver uma multidão que se dissolva sem um foco de violência ou um vulcão de apupos.

 

7. Hoje em dia, as multidões juntam-se mais facilmente contra alguém do que por alguém.

Flávio Paranhos adverte-nos para o perigo de uma alterfobia, que, no limite, leva a ver no outro um invasor, um intruso, um colonizador.

 

8. As relações que mantemos com os outros continuam a ser, tendencialmente, de controlo e de dominação.

Acresce que este impulso não se limita ao exterior. Muitos são os grupos que deixam de se preocupar com o adversário comum e começam a dividir-se, a desentender-se e até a agredir-se!

 

9. Acontece que uma comunidade terá dificuldade em subsistir quando se desagrega, quando exclui em vez de incluir.

O progresso terá de passar, por isso, por uma harmonia maior com o outro.

 

10. É claro que se trata de um processo, longo. Difícil. E muito dificultado.

Mas esse momento há-de chegar. O melhor ainda está para vir!

publicado por Theosfera às 11:27

Miguel Torga achava que só prestava para ser livre. A liberdade é fundamental, estruturante.

O mesmo Torga notava que existe «a liberdade de falar e a liberdade de viver, mas esta só existe quando se dá às pessoas a sua irreversível dignidade de viver».

Quem retira dignidade torpedeia a liberdade!

publicado por Theosfera às 10:05

O Espírito será invisível. Mas as Suas manifestações são continuamente visíveis.

Hegel percebeu: «A necessidade, a natureza e a história não são mais do que instrumentos da revelação do Espírito»!

publicado por Theosfera às 10:01

Muitas promessas dão habitualmente lugar a muitas decepções.

Daí que Demófilo recomende: «Promete pouco e cumpre muito». Procuremos cumprir sempre!

publicado por Theosfera às 09:58

Os sonhos devem ser sempre grandes. Até porque nunca os realizaremos na totalidade.

É por isso que quanto maiores forem, tanto mais possível será a sua «taxa» de realização.

Já William Faulkner notava: «A sabedoria suprema é ter sonhos bastante grandes para não se perderem de vista enquanto os perseguimos»!

publicado por Theosfera às 09:55

Um conselho de Saadi Muslah-Al-Din: «Rompe com o amigo que frequenta os teus inimigos».

Acho que não se deve romper com ninguém.

O amigo do inimigo será amigo do inimigo? Não absorverá também a sua inimizade?

O amiguismo é a degenerescência da amizade.

Enquanto por aqui andarmos, temos de lançar pontes. Até que as recusas dêem lugar à aceitação!

publicado por Theosfera às 09:52

Hoje, 15 de Janeiro, é dia de Sto. Amaro, S. Plácido, S. Luís Variara, Sto. Arnaldo Jansen, S. Paulo Ermita, S. Remígio e S. Macário o antigo.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2014
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro