O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 20 de Novembro de 2013

1. A crise não é só (nem principalmente) financeira ou económica. Antes da crise financeira e económica, há toda uma crise de valores.

 

O problema é que nós só olhamos para esta quando nos sentimos mergulhados naquela.

 

 

 

2. A crise financeira e económica é um sintoma. A crise de valores é a causa, a raiz e a substância.

 

Esta crise não começou com a falta de dinheiro. Esta crise começou com a abundância de dinheiro. Foi a prosperidade que nos trouxe até à adversidade.

 

 

 

3. Fizemos do consumo o objectivo prioritário e da diversão o valor supremo. O deslumbramento retirou-nos lucidez.

 

Foi a ilusão de estarmos no alto que nos arrastou para a queda. Mas só notámos que estávamos a cair quando já nos encontrávamos no chão.

 

 

 

4. Pensávamos que a prosperidade era irreversível e que o crescimento seria infinito. Mas como é que num mundo finito poderia haver um crescimento infinito?

 

Faltou-nos pois compreender que a austeridade é, obviamente, limitadora, mas o crescimento também não é ilimitado.

 

 

 

5. E, no entanto, parece que ainda não aprendemos.

 

O nervo da crise, segundo Antonio Gramsci, reside particularmente nesta indefinição, nesta nostalgia: «Uma crise consiste no facto de que o que é velho já morreu e o que é novo ainda não conseguiu nascer».

 

 

 

6. Estranho é que, em vez do procurarmos o novo, pretendamos revivescer o antigo: o padrão de vida antigo, um padrão gastador.

 

Trata-se de um padrão assente mais no dinheiro fácil do que na educação difícil. Trata-se, em suma, de um padrão que faz da educação um meio de ascender ao dinheiro quando devia fazer do dinheiro um meio de crescer na educação.

 

 

 

7. Achamos que saber é apenas conhecer. E presumimos que saber é sobretudo possuir.

 

Devíamos aproveitar esta situação para deixar o mesmo e para apostar no diferente.

 

 

 

8. Quando Sofocleto dizia que «o saber é a parte mais considerável da felicidade», não estava certamente a pensar no saber ter.

 

Saber é mais do que saber ter. Saber é também saber acolher, saber ouvir, saber dizer, saber estar, saber viver. Afinal, quem não sabe viver saberá alguma coisa?

 

 

 

9. Não deixemos que a crise vença as pessoas. Façamos tudo para que as pessoas vençam a crise.

 

Não seremos mais felizes se todos tiverem acesso ao essencial? Como poderemos ser felizes quando alguns têm acesso a quase tudo deixando outros com quase nada?

 

 

 

10. Enfim, a crise é um problema. Saberemos transformá-la em oportunidade? Há medidas no exterior. Mas urgente é trabalhar o interior. Se olharmos mais para dentro, poderemos chegar (muito) mais longe.

 

Uma vida modesta não é — necessariamente — uma vida funesta. A simplicidade até pode catapultar-nos para a felicidade!

 

publicado por Theosfera às 11:05

A amnésia é preocupante. Mas a hipertimésia também não é saudável.

Esquecer tudo não entusiasma. Mas lembrar tudo também não empolga.

Há coisas que gostaríamos de recordar. E há coisas que daríamos tudo para esquecer.

Mas são precisamente essas (quais intrusas!) que estão sempre a reaparecer!

publicado por Theosfera às 10:25

Muito se aprende com o pranto. E nada se desaprende com o riso.

John Cleese até acha que «aquele que ri mais é o que aprende melhor».

Não sei. Só sei que, a chorar ou a rir, estamos sempre a aprender!

publicado por Theosfera às 10:03

O maior problema do mundo, avisa Joahann Baptist Metz, não é a culpa; é o sofrimento.

Aliás, a maior culpa devia estar na indiferença perante o sofrimento.

Franz Kafka notou:«Podes conter-te diante dos sofrimentos do mundo. É algo que tens liberdade de fazer e corresponde à tua natureza, mas talvez seja esse autocontrol0 o único sofrimento que poderias evitar».

Não raramente, esta indiferença é acrescida de provocação. Além da indiferença perante o sofrimento, não falta quem provoque sofrimento.

Sejamos alívio para a dor. Não provoquemos dor!

publicado por Theosfera às 10:00

A dor dói. É redundante, mas é a verdade.

Porém, quando se supera a dor, a lembrança da dor infunde serenidade. Sobretudo quando a dor foi encarada com dignidade.

Aí notaremos que até valeu a pena ter doído, ter sofrido.

Já dizia Cícero: «A lembrança serena de uma dor passada traz um prazer».

Quando se faz o que deve, tudo nos pode escapar. Mas a paz não fugirá!

publicado por Theosfera às 09:42

Hoje, 20 de Novembro, Dia da Dedicação da Sé Catedral de Lamego, é também dia de Sto. Edmundo, Sta. Maria Fortunata e S. Félix Valois.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro