O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quinta-feira, 12 de Setembro de 2013

Será que gostamos mesmo de árvores?

A pergunta parece estulta, mas a inquietação é pertinente. E, ademais, a dúvida já nem sequer é de agora.

Na década de 1960, João de Araújo Correia tinha a certeza de que «Portugal não gosta de árvores. Sacrifica-as porque dão sombra. Sacrifica-as porque dão beleza. Sacrifica-as porque dão saúde. Sacrifica-as porque dão flor. Há, em Portugal, quem sacrifique uma árvore porque lhe tapa a vista. Há quem a sacrifique porque lhe suja o telhado com meia dúzia de folhas. Há quem a sacrifique porque rumoreja. Há quem a sacrifique porque gorjeia. Há quem a sacrifique porque canta. Há quem a sacrifique porque é árvore». E, por isso, atiça-lhe o fogo.

Décadas depois, o escritor tinha muito que acrescentar.

Há quem imole as árvores porque não gosta delas. Porque não gosta de nada nem de ninguém.

Será que gostam de si próprios?

publicado por Theosfera às 11:19

A inteligência é eficaz, mas, por vezes, parece lenta.

Ela aparece-nos, quase sempre, só depois dos acontecimentos.

Léon-Paul Fargue comparava: «A inteligência é um capitão que está sempre atrasado numa batalha. E que discute depois da batalha».

Alguma vez teremos uma inteligência preventiva?

publicado por Theosfera às 10:20

Somos criados para nos superarmos. A exigência não é uma afronta, mas uma aposta.

Rudyard Kipling, grande educador dos jovens, percebeu: «Se encomendares a um homem mais do que ele possa humanamente fazer, fá-lo-á. Se somente lhe encomendares o que pode fazer, não o fará».

A dificuldade aguça o engenho. E espevita a vontade.

Afinal, somos mais que nós próprios. E viver é, mesmo, ultrapassar-se!

publicado por Theosfera às 10:17

As palavras ajudam. Mas, muitas vezes, também atrapalham.

Saramago confessou: «Tenho a impressão de que as palavras atrapalham muito».

Não é por acaso que, em hebraico, a raiz da palavra «palavra» é precisamente a mesma da palavra «peste».

De facto, há palavras que empestam. Mas isso só deve contribuir para que valorizemos as palavras que iluminam.

Estas vêm, quase sempre, dos lábios dos simples. E da vida dos humildes!

publicado por Theosfera às 10:14

«O espírito são procura o real, o espírito insano agarra-se ao irreal».

Hugo Hofmannsthal tem razão.

Eis o critério para aferir a saúde espiritual e a sanidade integral de alguém: saber olhar para a realidade.

Para a compreender. E para procurar transformá-la!

publicado por Theosfera às 10:09

Neste mundo, nesta vida, há quem faça tudo para estar no alto. E muitos nem sequer olham a meios para lá chegar.

A «escada» são os outros, que pisam a toda a hora. Só que o sabor é diminuto.

Cayo Salústio denunciou há séculos: «Quanto mais se está no alto, menos se é livre».

Nada como ser simples. Nada como andar pela base.

É nas profundezas que se conhece a realidade.

É de baixo que se sobe. É do alto que se cai!

publicado por Theosfera às 10:00

Hoje, 12 de Setembro, é dia do Santíssimo Nome de Maria, Sto. Apolinário Franco, S. Tomás de Zumárraga e seus Companheiros mártires, Sta. Maria Vitória Forláni e Sta. Maria de Jesus.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 00:01

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro