O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quinta-feira, 04 de Abril de 2013

1. Francisco não se limitou a ajudar os pobres. Sempre o fizera, mesmo quando era rico. Mas Francisco queria mais porque sentia que Deus lhe pedia mais: que se tornasse pobre!

E como é que ele teve a certeza da vontade divina? Através de um método, então muito em voga: as sortes biblicae. Entrou numa igreja e pediu para que o leccionário fosse aberto três vezes: uma em honra do Pai, outra em honra do Filho e outra em honra do Espírito Santo.

 

2. Na primeira abertura, veio Marcos 10, 17-21, onde se diz: «Vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no Céu; depois, vem e segue-Me».

A segunda abertura caiu em Lucas 9, 1-6 com esta passagem: «Nada leveis para o caminho: nem cajado, nem alforge, nem pão, nem dinheiro; nem tenhais duas túnicas».

A terceira (e última) abertura fez-lhe aparecer Mateus 16, 24-28, onde se encontra este versículo: «Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me»!

 

3. Francisco não pretendeu elaborar uma regra. Só queria seguir uma forma de vida: o Evangelho. Apenas Cristo devia crescer. Ele deveria diminuir. Por isso, considerava-se o menor (minus).

Para ele, o Evangelho era não unicamente para escutar. Era sobretudo para viver: no espírito e na letra.

 

4. Neste sentido, não espanta que Francisco tenha sempre resistido a incluir acrescentos. Ele queria o Evangelho na sua pureza original, na sua autenticidade primordial, sem glosas nem adornos.

Numa altura em que estava doente, deu a sua capa a um mendigo. Vendo, contudo, que lhe fazia falta, os irmãos pediram ao pedinte que lha devolvesse. Então, Francisco insistiu para que lha pagassem.

 

5. Francisco sempre pregou mais pelo exemplo do que pelas palavras. Como anota Augustine Thompson, «o seu maior sermão foi a sua vida».

A humildade perante os homens era uma decorrência da profunda humildade perante Deus. Daí o aparente paradoxo de Francisco: tão despojado para consigo mesmo e tão requintado no trato das celebrações. Queria que os cálices, os corporais e as toalhas do altar estivessem primorosamente limpos e devidamente conservados.

 

6. Ficava muito aborrecido quando os sacerdotes não guardavam a Hóstia em lugares decentes.

Ele, que era tão radicalmente pobre, pedia aos seus irmãos que levassem as píxides mais preciosas para as igrejas das terras onde estivessem. Ele, que beijava as mãos de qualquer sacerdote que encontrasse, era bastante duro para com os serviços litúrgicos desmazelados.

 

7. É por isso que Francisco é um sopro para pôr fim a esta espécie de espiral recessiva em que nos deixamos, tantas vezes, envolver dentro da Igreja.

É por isso que Francisco é uma inspiração para que Francisco promova um emagrecimento nas estruturas, uma espécie de downsizing nas instituições. É por isso que Francisco é uma inspiração para Francisco nos transportar ao Evangelho, a Jesus, aos pobres.

 

8. Já foi possível no passado. Não será impossível no presente.

Neste presente. Em cada presente!

publicado por Theosfera às 10:04

A primeira condição para transformar a realidade é conhecê-la.

António Gramsci recomenda: «É preciso atrair violentamente a atenção para o presente do modo como ele é, se se quer transformá-lo. Pessimismo da inteligência, optimismo da vontade»!

publicado por Theosfera às 09:48

Há quem não hesite em recorrer à «via provocationis».

George Bernard Shaw achava que «tudo o que os jovens podem fazer pelos velhos é escandalizá-los e mantê-los actualizados».

Será o escândalo a melhor via de actualização? Duvido.

publicado por Theosfera às 09:46

Podemos não ganhar muito com a esperança. Mas acabamos por perder tudo com a desesperança.

Mariano da Fonseca asseverou: «A esperança descobre recursos, a desesperança renuncia a eles»!

publicado por Theosfera às 09:44

Hoje, 04 de Abril (Quinta-Feira da Oitava da Páscoa), é dia de Sto. Isidoro de Sevilha, Padroeiro da Internet, S. Bento, o Africano, Sta. Irene e S. José Bento Dusmet.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 07:06

Hoje é dia do Padroeiro da internet, Sto. Isidoro de Sevilha.

São dele estas palavras: «É melhor orar em silêncio, com o coração, do que só com as palavras e sem a atenção da mente; aquilo que o coração ora calado também a voz deve silenciar, para se esconder dos homens».

É por ele esta oração: «Deus eterno e todo-poderoso, que nos criastes à Vossa imagem e semelhança e nos fizestes procurar tudo o que é bom, verdadeiro e belo, especialmente na divina pessoa de Vosso Filho unigénito, Nosso Senhor Jesus Cristo, permiti-nos que, através da intercessão de Santo Isidoro, bispo e doutor,durante as nossas visitas pela Internet dirijamos as nossas mãos e os nossos olhos apenas para o que Vos é agradável a Vós e tratemos com caridade e paciência todas as almas que encontremos.Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen»!

publicado por Theosfera às 06:15

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro