O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 15 de Janeiro de 2013

1. Apercebemo-nos do que a fé é e sentimos que a fé está. Mesmo antes de nos apercebermos do que é a fé, sentimos que a fé está.

Numa aproximação inicial, dir-se-ia que a fé está na nossa relação com as coisas e na nossa relação com as pessoas.

 

2. Na nossa relação com as coisas, a fé começa por estar em nós como percepção de que não sabemos. Ou de que não sabemos plenamente.

De facto, num primeiro momento, quando alguém diz «creio» está a dizer que não sabe ou, então, que não sabe com toda a certeza.

Daí que quando alguém diz «creio» esteja — pelo menos, implicitamente — a admitir que o contrário também é possível. Quando alguém diz «crer» que o seu clube vai ganhar sabe que também conta com a possibilidade de perder.

 

3. Neste caso, a fé assemelha-se a uma tentativa de conhecimento antes do acontecimento. Tratar-se-á mais de um desejo do que de um vaticínio.

A fé, assim vista, está mais perto do palpite, do vislumbre, onde tudo parece possível, mas em que nada surge como garantido nem seguro.

Ela parece ficar a meio entre a mera suspeita e o conhecimento exacto. Será superior a um simples alvitre, mas continuará inferior ao verdadeiro saber.

 

4. Já no que toca à relação com as pessoas, a fé assume outras proporções. O índice de certeza e segurança é bastante diferente e incomparavelmente maior.

Quando alguém diz «creio em ti» expressa um acto de confiança que envolve a inteligência, a vontade e o sentimento. Ou seja, abarca a totalidade da pessoa.

 

5. Assim sendo, a fé pressupõe um relacionamento e pode até implicar uma entrega de toda a vida.

Aliás, a etimologia das palavras remete-nos para isso. Em alemão e inglês, acreditar (glauben, believe) tem a mesma raiz de amar (lieben, love). E, no latim, o verbo credere (acreditar) procede, segundo algumas derivações, de cor-dare, dar o coração.

 

6. Isto significa que, no plano pessoal, a fé oferece um conhecimento seguro. A pessoa entrega-se a quem conhece e conhece bem. É impensável que alguém se entregue a quem não conhece.

É claro que pode haver um equívoco acerca da pessoa. A coisa mais fácil do mundo — reconhecia Madre Teresa de Calcutá — é sermos enganados. É, no entanto, com base no relacionamento que presumimos conhecer as pessoas. Não se trata de uma relação sujeito-objecto, mas de uma relação eu-tu.

 

7. É a partir da confiança que nos merece a pessoa que damos assentimento e concordância àquilo que ela diz, àquilo que ela fez.

Esta é, pois, a «porta da fé», expressão usada por Bento XVI e que se encontra no centro do Livro dos Actos dos Apóstolos (17, 24).  

Paulo e Barnabé encontram-se em Antioquia e relatam aos cristãos como, apesar das dificuldades, muitos se tinham tornado cristãos em diversas cidades, transpondo assim a «porta da fé».

 

8. É uma porta aberta por Deus na medida em que cumpre o que promete, na medida em que diz o que faz e faz o que diz. É uma porta que nunca fecha e que, por conseguinte, está à disposição de todos.

É uma porta que podemos transpor pela resposta vivencial à vivencial proposta de Deus.

 

9. A fé é uma porta que dá para uma casa. É a casa do Evangelho. Do Evangelho difundido pela palavra, acolhido pela oração, mantido na caridade e fortalecido pelo testemunho.

 

10. Não fiquemos à porta. Entremos na casa. A fé não é para tudo. Mas é para todos!

publicado por Theosfera às 19:20

Creio que foi Winston Churchill, homem de pensamento (e não só de palavra) sempre afiado, a definir o fanático.

Para ele, fanático é quem está sempre a falar do mesmo tema e não admite mudar de assunto».

Tentando escalpelizar o fenómeno, Oliver Wendell Holmes dissera que «a mente de um fanático é como a pupila do olho: quanto mais luz incide sobre ela, mais ela se irá contrair».

O fanatismo não se alimenta só de ignorância. Alimenta-se sobretudo de resistência obstinada à luz!

publicado por Theosfera às 11:45

Com Marie Chénier, também creio que «Deus fez a liberdade, o homem a escravatura».

E o mais grave é que alguns que se apresentam como homens de Deus têm a boca cheia de liberdade, mas parecem ter as mãos invadidas pela escravatura!

publicado por Theosfera às 11:40

O paradoxo acompanha-nos. O preconceito ameaça-nos.

A opção é indiscutível. Jean-Jacques Rousseau tornou tudo muito claro: «Prefiro ser um homem de paradoxos a ser um homem de preconceitos».

Mas, às vezes, o grande paradoxo é ouvir declarações contra os preconceitos e ver acções que fomentam toneladas de preconceitos!

publicado por Theosfera às 11:37

Hoje, 15 de Janeiro, é dia de Sto. Amaro, S. Plácido, S. Luís Variara, Sto. Arnaldo Jansen, S. Paulo Ermita, S. Remígio e S. Macário o antigo.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 11:33

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2013
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro