O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 11 de Dezembro de 2012

1. O Natal é a festa do nascimento de Jesus? Sem dúvida. Mas, pelos vistos, não falta quem Lhe dispute as atenções.

Há uns anos, era o Pai Natal que competia com Ele em protagonismo. Agora, parecem ser a vaca e o burro que com Ele rivalizam em popularidade.

Acresce que na origem desta última contenda está uma figura de peso: o próprio Papa. Teria sido, de facto, Bento XVI a desaconselhar que se colocassem estes dois simpáticos animais no presépio.

 

2. Por exemplo, o site da RTP colocava em título: «Papa retira vaca e burro ao presépio». Do mesmo modo, o site da TVI referia que «afinal, vaca e burro não fazem parte do presépio». Quase todos os jornais alinharam por igual registo. E não foi só em Portugal. Veja-se o caso do Diário de Pernambuco, no Brasil: «Papa acaba com os animais do presépio».

O mais curioso é que o Papa, num livro que escreveu sobre a infância de Jesus, afirma precisamente o contrário. Ou seja, não só não retira a vaca e o burro do presépio como diz, expressamente (p. 62), que «nenhuma representação do presépio prescindirá do boi e do jumento»!

 

3. Que se terá passado então? Só pode ter sido uma leitura apressada do texto, um olhar enviesado sobre o livro ou, então, uma tomada de posição a partir de comentários distorcidos sobre a obra. Nada, pois, como ir à fonte.

Refira-se, desde já, que Bento XVI não inclui qualquer novidade. O que ele diz não tem dias, tem anos: dois mil anos! Na verdade, o Papa limita-se a anotar (p. 61) que, «no Evangelho, não se fala de animais».

 

4. Acontece que, como o mesmo Papa explica, «a meditação guiada pela fé, lendo o Antigo e o Novo Testamentos correlacionados, não tardou a preencher esta lacuna reportando-se a Isaías 1, 3: “O boi conhece o seu dono e o jumento o estábulo do seu senhor, mas Israel, Meu povo, nada entende» (p. 61).

Estes dois animais aparecem como «representação da humanidade, por si mesma desprovida de compreensão, que, diante do Menino, diante da aparição humilde de Deus no estábulo, chega ao conhecimento e, na pobreza de tal nascimento, recebe a epifania que agora a todos ensina a ver» (p. 62). E o certo é que as representações mais antigas do Natal já incluíam a vaca e o burro!

 

5. Na parcimónia de elementos que nos traz, o Evangelho aponta que Maria deu à luz o Menino, «envolveu-O em panos e recostou-O numa manjedoura, por não haver lugar para eles na hospedaria»(Lc 2, 7).

Como é sabido, a manjedoura é o lugar onde os animais comem. «Agora, porém, jaz na manjedoura Aquele que havia de apresentar-Se a Si mesmo como o verdadeiro pão descido do céu». Neste sentido, a manjedoura passou a ser vista «como uma espécie de altar» (p.61).

 

6. Sigamos, então, o conselho do Papa. Deixemos ficar no presépio a vaca e o burrinho. E, como eles, façamos companhia a Jesus já que, em Jesus, é o próprio Deus que vem fazer companhia a cada um de nós.

 

7. Feliz Natal!

publicado por Theosfera às 23:24

O cuidado não é um freio; é uma atenção.

Ter cuidado não é o mesmo que ficar bloqueado.

Ter cuidado não é o mesmo que não ousar.

Ter cuidado significa ter consciência dos perigos.

Victor Hugo avisa: «O mundo é um grande órgão e o diabo sabe tocar todos os tubos».

Mas se o diabo sabe tocar todos os tubos, Deus sabe compor as mais belas melodias. Onde? Também no mundo.

Aquele que viria a ser o (bom) Papa João XXIII afirmou em 1935: «Toda a natureza, impregnada pela graça divina, constitui o maior instrumento musical que existe. Que o divino Espírito sopre! E que nós O escutemos! E que não O extingamos»!

publicado por Theosfera às 10:43

Os bens podem ser herdados. Mas o bem tem de ser transmitido.

Thomas Paine notou que, «ao planearmos para a posteridade, deveríamos lembrar que a virtude não é hereditária». Tem de ser trabalhada, construída.

É essa a missão maior da educação: pela palavra e sobretudo pelo exemplo.

Por inércia, nada funciona. Ou, melhor, funciona o mal.

Se não trabalharmos a virtude, estamos a contribuir para o alastramento do vício.

Trata-se, literalmente, de um círculo vicioso!

publicado por Theosfera às 10:17

Quando minguam as ideias, facilmente se resvala para o insulto.

Em vez de argumento, propende-se para os rótulos.

Ambrose Bierce reparou que «intolerante é o indivíduo que está, obstinada e zelosamente, vinculado a uma opinião que não partilhamos».

Como não quer mudar, achamos que é teimoso.

No fundo, nem sequer reparamos que intolerantes estamos a ser nós!

publicado por Theosfera às 10:10

A precipitação não faz bem. Mas a indecisão também faz muito mal.

Não é fácil, porém, ser juiz da oportunidade.

O profeta é o que diz o necessário na hora certa. E Victor Hugo asseverou que «nada é tão poderoso no mundo como uma ideia cuja oportunidade chegou».

O povo, na sua sageza simples, tem duas máximas que apelam ao discernimento: «Quem espera sempre alcança». Mas, por outro lado, «quem espera desespera».

Se a espera for excessiva pode tornar-se exasperante.

As boas ideias e os bons ideais nunca prescrevem. São sempre actuais.

Não deixe adiar o bem!

publicado por Theosfera às 10:05

Hoje, 11 de Dezembro, é dia de S. Dâmaso, S. Daniel estilita, S. Martinho de S. Nicolau, S. Melchior de Sto. Agostinho e Sta. Maria Maravilhas de Jesus.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 06:58

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9


27
28



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro