O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 25 de Setembro de 2012

De falências se fala uma vez mais por estes dias.

Estão a falir empresas. Estão a falir políticas. Estão a falir os problemas. Estão a falir as soluções.

Não deixemos falir a esperança. Nem desfaleçamos nós!

publicado por Theosfera às 17:50

A verdade e a falsidade costumam ser localizadas na aparência, na percepção.

É por isso que Montaigne está ungido de pertinência quando observa: «Nada parece verdadeiro que não possa parecer falso».

A inversa também é verdadeira. Nada parecerá falso que não possa parecer verdadeiro.

O importante é não desistirmos da procura. A verdade visita-nos. Mas não se deixa aprisionar!

publicado por Theosfera às 16:48

O mal está disseminado como tumor. Tem muitos avatares no mundo e no espírito humano.

Reinhold Schneider é de opinião que «o mal tem muitas formas». Já o amor, para o mesmo autor, tem uma única forma: Jesus Cristo!

publicado por Theosfera às 10:46

Já estivemos lá em cima e caímos. Já estivemos lá no fundo e reerguemo-nos.

Portugal é como um alpinista que não cessa de tentar. E que, apesar das quedas sucessivas, vai resistindo.

Também pode ser comparado a uma nau. Andamos há séculos em intempérie. Sempre a vacilar, mas nunca a naufragar.

Uma vez mais, parece que estamos no abismo. Mas estou certo de que (uma vez mais também) havemos de o deixar. Para dele nos voltarmos a aproximar. E para, de novo, dele nos voltarmos a afastar.

Está no nosso código genético. Sempre a vacilar, nunca a naufragar!

publicado por Theosfera às 10:22

Nesta altura, muito se fala de oposição e pouco (ou nada) se fala de proposição.

A oposição é legítima. Mas a proposição não é menos necessária.

É fundamental que haja quem diga o que está errado. Mas é urgente que apareça quem aponte o que pode estar certo.

A oposição só ganha quando surge emoldurada pela proposição. A denúncia não basta.

À denúncia tem de seguir sempre o anúncio!

publicado por Theosfera às 10:16

É no futuro que está a nossa esperança.

É no futuro que está o nosso medo.

É no futuro que está, assim o cremos, a nossa vida.

E é no futuro que está, assim o sabemos, a nossa morte.

O futuro é, pois, uma mistura de tudo e de nada.

Não conjecturemos em excesso.

Olhemos sempre para o futuro. E continuemos a dar tudo no presente.

Até porque a eternidade acompanha-nos no tempo. E continuará a acompanhar-nos para lá do tempo!

publicado por Theosfera às 09:59

São os meios que, afinal, mais esvaziam a mediação.

Hoje em dia, tudo é imediato. Mas esta imediatez ocorre através dos meios. A própria democracia se ressente desta tendência.

A oposição mais acutilante não é aquela que os mediadores do povo fazem no parlamento. É aquela que as pessoas realizam na rua.

Espantosamente, essa acção imediata é dinamizada, uma vez mais, através dos meios, através sobretudo das redes sociais.

É curioso notar que, no plano teológico. Karl Rahner considera o Cristianismo como a religião da imediatez mediada.

É o mediador, Jesus Cristo, que nos coloca numa relação imediata com o Pai.

A vida é, decidida e fecundamente, paradoxal!

publicado por Theosfera às 09:52

Não é a TSU, é o IRS.

A alternativa a impostos são, pois, outros impostos.

Muda a forma, mantém-se a substância.

Tudo parece cair, excepto a dívida e a receita.

Mas se os cidadãos cortam na despesa, porque é que o Estado não segue o exemplo e a sua própria imposição?

Porque é que o Estado também não corta nas (suas) despesas?

Mais medidas foram anunciadas e nenhum vislumbre de reforma da admnistração central.

Afinal, Benjamin Franklin continua actual quando diz que, «neste mundo, nada é mais certo do que a morte e...os impostos»!

publicado por Theosfera às 09:44

O valor das palavras não está na quantidade nem no volume.

O valor das palavras está no efeito. Está sobretudo no bem que difundem.

Aquiesço, pois, a George Bernanos: «Boas palavras custam pouco e valem muito».

Neste, dia, diga uma boa palavra a alguém. Seja uma boa palavra para todos!

publicado por Theosfera às 09:36

«O silêncio é a mais perfeita expressão do desprezo».

Percebo o intento de Bernard Shaw. Mas não iria tanto por aqui.

Na intempérie, o silêncio não tem o ornamento do desprezo, mas da segurança.

Quem está seguro com os actos que pratica dispensa justificações.

Umas vezes, as palavras são necessárias. Outras vezes, o silêncio é fundamental.

No fundo, é sempre preciso comunicar, revelar. Mas há mensagens que não vêm pelos lábios. O silêncio também fala!

publicado por Theosfera às 09:28

Hoje, 25 de Setembro, é dia de S. Firmino, Sto. Hermano, S. João Baptista Mazzuconi e Sta. Josefa Vaal.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 07:05

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro