O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quinta-feira, 05 de Julho de 2012

Oscar Wilde avisa: «É perigoso querer corrigir seja quem for».

Não existe muita predisposição para aceitar uma correcção. É importante corrigir com caridade, com delicadeza.

Por vezes, há quem corrija humilhando.

E, depois, não basta ter razão. é preciso ter autoridade.

Quem se apercebe das falhas dos outros deve, primeiro, olhar para eventuais erros seus!

publicado por Theosfera às 19:02

Costumam dizer os advogados que um mau acordo é melhor que uma boa demanda.

É o que, «mutatis mutandis» Thomas Fuller quer dizer quando afirma ser «melhor uma paz magra do que uma vitória gorda».

Confesso que tenho medo dos que ganham contra alguém.

A paz na derrota sabe muito melhor do que a vitória na violência!

publicado por Theosfera às 09:55

A vida raramente segue em linha recta. Ela é uma estrada quase sempre curvilínea.

Mas Emerson já dizia que o universo procede da mesma (e intrigante) forma: «No universo tudo procede por vias indirectas. Não existem linhas rectas».

Há que estar atento às surpresas que nos surgem em cada curva!

publicado por Theosfera às 09:54

Manuel Loff verte a percepção óbvia quando diz que «a crise parece-se com as cheias: raramente chega aos andares de cima».

Os que estão em baixo são os primeiros (muitas vezes, os únicos) a afogar-se!

publicado por Theosfera às 09:54

George Perros deixa o alerta: «O suicídio não é querer morrer, é querer desaparecer».

No fundo, quem se mata não quer morrer; quer pôr termo à dor.

O suicídio é um grito enorme que vem das profundezas de uma enorme (e dolorosa) solidão!

publicado por Theosfera às 09:53

A licenciatura reduzida não será tanto um problema de legalidade. Será sobretudo (o que não é menos preocupante) um problema de mentalidade.

Frequentar uma escola devia corresponder, acima de tudo, a uma vontade de aprender. Não se espera, pois, que haja pressa de sair.

O mais importante numa escola nem sequer é o diploma. É a formação.

Por isso, mais do que zurzir nas instituições e nas pessoas, importante será reflectir sobre os procedimentos.

Este não é o caminho. O fundamental não é que toda a gente tenha um diploma. É que toda a gente tenha acesso a uma formação de qualidade.

Só uma adenda: o pararelismo com o doutoramento «honoris causa» não tem cabimento.

Um doutoramento, pela sua natureza, tem uma componente de trabalho e uma componente de reconhecimento. É o corolário de todo um percurso.

Acresce que o doutorado «honoris causa» não passa a ser doutorado academicamente.

Uma licenciatura, também pela sua natureza, é uma habilitação.

Pressupõe, por isso, frequência de curso e prestação de provas!
publicado por Theosfera às 09:51

Um gesto muito belo e muito raro.

O Papa escreveu uma carta ao cardeal Bertone a apoiá-lo e a agradecer-lhe.

Será redundante até porque o Papa privará diariamente com o seu principal colaborador. Mas é significativo.

Porque, exposto à crítica, o normal poderia ser deixá-lo cair. Ou, então, ficar por uma palavra de alento em privado. Mas Bento XVI mostra, ao tornar pública a carta, que nas horas difíceis é que se testa a amizade e se vêem os amigos!

publicado por Theosfera às 09:49

Hoje, 05 de Julho, é dia de Sto. António Maria Zacarias e Sta. Godoleva, invocada para as doenças da garganta e para a amigdalite.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 07:12

1. Na vida, não basta haver caminhos. É necessário que, sem tutelas, haja uma indicação clara acerca dos caminhos.

Sem indicações, não sabemos para onde os caminhos nos levam. Todos são equivalentes. A indecisão será inevitável e o desnorte total.

O mundo de hoje é marcado, em todos os domínios, pelo pluralismo. O que falta é uma bússola, um critério, uma orientação, uma regra, uma referência, em suma, um cânone. Assim, a mesma coisa pode ser excelente ou execrável, conforme a vontade de cada um.

 

2. A música clássica, por exemplo, é um primor para os peritos e um tédio insuportável para as multidões. 

Estas idolatram cada vez mais o espectáculo e tendem a valorizar o que tem ritmo, o que provoca agitação.

É por isso que, numa época que esvaziou quase todos os cânones, o espectáculo desponta como o padrão mais destacado.

 

3. Aliás, nem o fenómeno religioso escapa a este enquadramento. Parte do princípio de que as iniciativas, para obterem adesão, têm de acolher alguma cedência ao espectáculo.

E é assim que, em vez de se apostar na alternativa, avulta a redundância. Prefere-se a repetição à diferença.

Certos sectores procuram mais deslumbrar do que esclarecer, empenhando-se mais em emocionar do que em aprofundar.

Quantas vezes já não ouvimos descrever certos actos e determinados intervenientes com estes qualificativos: «Esta procissão foi um espectáculo!» ou «Este padre é mesmo um espectáculo!».

 

4. Estamos, pois, em plena «civilização do espectáculo», título aliás do mais recente ensaio de Mario Vargas Llosa, Prémio Nobel da Literatura.

Não é difícil descortinar a causa de tudo isto. Actualmente, a cultura deixou de estar nas mãos de uma elite. A cultura globalizou-se, democratizou-se; mais, massificou-se. 

Praticamente todos têm acesso ao seu consumo. Mas será que todos têm a preocupação de apurar minimamente um critério?

 

5. Nos tempos que correm, deve haver poucos conceitos tão elásticos como cultura. Nela cabe o mais erudito e o mais popular, o mais elaborado e o mais rudimentar, o mais sublime e o mais boçal.

Provavelmente, os maiores aplausos vão para o mais prosaico. Na maior parte dos casos, a quantidade vai num sentido oposto ao da qualidade.

 

6. É por isso que, havendo uma grande oferta cultural, subsiste um enorme mal-estar em torno do universo da cultura.

Vargas Llosa rebela-se contra a corrente dominante, que identifica a cultura com «todas as manifestações da vida de uma comunidade». A indeterminação é tal que a cultura pode chegar a ser entendida «apenas como uma forma agradável de passar o tempo».

O resultado é que «tudo se iguala e unifica até ao extremo de uma ópera de Verdi, a filosofia de Kant, um concerto dos Rolling Stones e uma actuação do Cirque du Soleil se equivalerem». Estamos no domínio da cultura ou do mero divertimento?

 

7. Como quase tudo funciona em termos de espectáculo, é natural que também quase todos se posicionem em termos de encenação

A vida torna-se um espectáculo para si própria e uma espectadora de si mesma. Ao enriquecimento da pessoa segue-se um embotamento do humano.

As escolhas são comandadas por um processo de futilização, pelo qual o mais medíocre é bem capaz de ser o mais apreciado.

 

8. Outrora, os critérios vinham das elites, cuja autoridade era reconhecida e incorporada. Hoje, a revolução individualista impõe que cada seja a referência definitiva para si mesmo.

É sempre salutar o exercício da liberdade pessoal. Mas a consequência, neste caso, é um subjectivismo quase total, sem qualquer ponta de objectividade.

 

9. O desabar das hierarquias leva a que não haja o menor escalonamento no campo da qualidade. É possível que a obra mais valiosa esteja ao lado do produto mais sofrível.

A ausência de um cânone implica que não se distinga o melhor do somente aceitável e do francamente mau. O maior talento e o mero aprendiz podem confundir-se «porque ambos são vítimas de mecanismo como os da publicidade, que, no fundo, detém a última palavra».

Em último caso, é a publicidade (e não a qualidade) que determina o êxito.

 

10. O que mais assusta é o clima de conformismo que se verifica, quando é suposto que a cultura forneça uma fonte de inconformismo e lucidez.

É por isso que as ditaduras abominam a criação cultural. Vargas Llosa recorda que o primeiro acto do nazismo, assim que chegou ao poder, foi queimar livros em frente da Universidade Humboldt.

 

11. Na hora que passa, a cultura está a ser posta em causa não pelo autoritarismo, mas pela frivolidade. Ela só sobreviverá, segundo Vargas Llosa, «com uma vida espiritual intensa, que mantenha viva uma hierarquia de valores respeitada pelo corpo social».

É por isso que, sendo o conhecimento importante, a cultura é «algo anterior ao conhecimento». Trata-se de «uma propensão do espírito, de uma sensibilidade e de um investimento na forma que dá sentido ao próprio conhecimento».

 

12. Daí que a cultura não consista na quantidade de conhecimentos, mas na qualidade dos conhecimentos.

Uma vez mais sobressai o papel de uma educação que congregue aqueles que deveriam ser os seus dois grandes objectivos: criar bons profissionais e ajudar a preencher os vazios no campo espiritual!

publicado por Theosfera às 06:14

mais sobre mim
pesquisar
 
Julho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro