O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 18 de Junho de 2012

Tudo é condicionado, a começar pela nossa liberdade. As escolhas que fazemos nem sempre são feitas só por nós.

Muitas vezes, são determinadas pelas circunstâncias que nos rodeiam.

John Tolkien bem nos avisou: «Aquilo que nós mesmos escolhemos é muito pouco; a vida e as circunstâncias fazem quase tudo»!

publicado por Theosfera às 19:22

Muitas são as vezes em que se contrapõe a convicção à responsabilidade. Esta é invocada, não raramente, como um pretexto para se fazer o que convém, aquilo em que não se acredita, mas que é ditado pela corrente dominante. Em tudo isto o que falha é o carácter.

Já Raymond Aron defendeu que «a ética da convicção e a ética da responsabilidade não são contraditórias. Completam-se uma à outra e constituem a expressão do "homem de carácter"»!

publicado por Theosfera às 11:33

O esforço é importante. O talento é necessário. Mas o carácter é decisivo.

Roland Barthes bem o percebeu: «Um responsável nota dez tem dois pontos de esforço, três pontos de talento e cinco pontos de carácter»!

publicado por Theosfera às 11:31

Coisa democrática é a decisão. Mas uma vez que a decisão, em democracia, não passa de uma delegação, ao povo que delega nada mais resta que o desencanto.

Oscar Wilde bem o notou no século XIX: «Democracia quer simplesmente dizer o desencanto do povo, pelo povo, para o povo»!

publicado por Theosfera às 11:29

No sábado, a Grécia decidira prosseguir no Euro. No domingo, a mesma Grécia optou por não sair do Euro.

Num caso, trata-se do futebol. Noutro caso, trata-se do dinheiro.

É claro que os resultados das eleições sabem a Pirro.

O entusiasmo será nulo e só a necessidade terá contribuído para o desfecho. A contestação continuará. O Pasok (que ficou em terceiro lugar) exige que o novo governo integre o Syriza (que ficou em segundo).

É que se o Syriza ficar de fora, como tudo indica, tenderá a capitalizar o descontentamento popular. Será visto como a alternativa à Nova Democracia, partido vencedor por escassa margem.

Daí que o Pasok não esteja só a pensar no interesse geral. Está também a pensar no interesse particular, no seu.

Será que o diálogo conseguirá ultrapassar os obstáculos? O tempo não é muito!
publicado por Theosfera às 11:28

Há, no tempo que passa, muitas vozes exaltadas.
Mas nem essas vozes exaltadas oferecem uma presença exaltante.
Exaltante é só quem dá esperança!

publicado por Theosfera às 11:27

A traição é sempre repelente. Molesta as vítimas e chega um momento em que não beneficia nem os que dela se aproveitam.

Até o traidor acaba por ser traído pela traição.

Victor Hugo já se tinha apercebido: «A traição trai o traidor. Chega o dia em que o traidor se torna odioso mesmo para aquele que beneficia da traição».

publicado por Theosfera às 11:26

Portugal está em crescendo.

Começou bem com a Alemanha (perdeu, mas podia ter ganho), esteve melhor com a Dinamarca (ganhou) e esteve primoroso, ontem, diante da Holanda.

A partir de agora, o mínimo que se pode dizer é que nada é impossível.

O sonho não está assim tão distante!

publicado por Theosfera às 07:17

Hoje, 18 de Junho, é dia de S. Gregório Barbarigo e Sta. Osana. Refira-se que S. Gregório Barbarigo foi alvo de «canonização equipolente». Ou seja, o povo já o venerava como santo e o Papa acabou por reconhecer esse culto.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 07:14

1. Não se pense que Deus só está presente na vida daqueles que O confessam. Ele está também — e bastante — no coração dos que O negam.

 

Entre a fé e o ateísmo, há uma simetria na experiência e, ao mesmo tempo, uma assimetria na direcção que ela acaba por tomar.

 

É por isso que Miguel Torga bem pode servir de fonte de inspiração para sintetizar a trajectória (a)teologal de José Saramago: «Deus. O pesadelo dos meus dias. Tive sempre a coragem de O negar, mas nunca a força de O esquecer».

 

Saramago nunca esqueceu Deus. Mesmo (sobretudo?) quando se assumiu como ateu.

 

E o certo é que foi dos escritores que, nos últimos tempos, mais concorreram para a permanência da questão de Deus como questão central na literatura e, mais vastamente, na vida pública.

 

Acerca de Deus, como alertou Xavier Zubiri, o mais difícil não é descobri-Lo; é encobri-Lo.

 

Se quisesse encobrir Deus, o ateu — sublinha Karl Rahner — «não só teria de esperar que essa palavra desaparecesse por completo, mas também deveria contribuir para esse desaparecimento, guardando completo silêncio, abstendo-se inclusive de se declarar ateu».

 

 

2. No fundo, José Saramago não deixava de ser crente. Acreditava que Deus não existe. Poderá alguém garantir mais do que isto?

 

A crença não é um exclusivo da atitude teísta. Ela abrange também (e bastante) a posição ateísta.

 

André Comte-Sponville, que se considera ateu, assegura que o ateu só pode dizer que acredita que Deus não existe.

 

É que, como nota Hans Küng, «se todas as objecções dos ateus tornam questionável a existência de Deus, não chegam, contudo, a tornar inquestionável a Sua não-existência».

 

Xavier Zubiri assinalava que a relação com Deus pode fazer-se pela via da afirmação, pela via da negação e até pela via da indiferença.

 

Nesta diversidade, os pontos de contacto não escasseiam. Miguel de Unamuno percebeu isto muito bem quando rubricou a célebre frase: «Nada nos une tanto como as nossas discordâncias».

 

A indiferença não foi, seguramente, a via seguida por José Saramago.

 

Deus nunca lhe foi indiferente. Pelo contrário, manteve com Ele uma relação intensa, embora tumultuosa.

 

 

3. Para Saramago, o Homem relativamente a Deus é como o murmúrio de uma ausência: «Deus é o silêncio do universo e o ser humano o grito que dá sentido a esse silêncio».

 

Nos Cadernos de Lanzarote, chegou a escrever que «a existência do Homem é o que prova a inexistência de Deus».

 

Mas não há tantos que fazem exactamente a prova do contrário? Não são tantos os que encontram no Homem a maior epifania de Deus?

 

No passado, Gregório de Nissa falava do Homem como «pequeno Deus» e, mais perto de nós, Xavier Zubiri, apontava o ser humano como «maneira finita de ser Deus».

 

Aqui, prova funciona não como evidência, mas como percepção.

 

A discussão jamais estará concluída. Como refere Philippe van den Bosch, «não há qualquer prova racional da inexistência de Deus. Não há senão convicções individuais e pressupostos».

 

 

4. O que há a destacar é a persistência da procura e a insatisfação do encontro que, por sua vez, desencadeia uma nova procura.

 

Nesta inquietação não laboram apenas os que negam. É conhecido o convite de Santo Agostinho: «Procuremos como quem há-de encontrar e encontremos como quem há-de voltar a procurar».

 

O ateu é alguém que não descansa na procura. É inquieto e inquietante. As suas interpelações não anulam a fé. Espevitam-na e ajudam ao seu aprofundamento.

 

Até o ateu mostra que Deus é uma questão humana. Deve ser também uma questão humanizante, fraternizante.

 

Nem sempre é o isso o que se vê. Deus é vítima de tantas imagens desfocadas e de tantos discursos distorcidos.

 

Em qualquer caso, Ele está em todos. Nos que dizem acreditar. E nos que, não dizendo, acabam por não estar longe d’Ele!

publicado por Theosfera às 05:49

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro