O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 05 de Junho de 2012

«Não há mestre que não possa ser aluno».

Gracián y Morales tem razão.

O mestre é o que nunca deixa de ser aluno.

Só sabe ensinar quem nunca deixa de aprender!

publicado por Theosfera às 13:49

Albert Guinon escreveu: «As pessoas que não suportam ficar sozinhas são, geralmente, a pior companhia».

Na solidão fermenta um mistério que é sempre bom acolher!

publicado por Theosfera às 13:48

Uma frase de Bismark que mantém plena (e flagrante) actualidade: «Um grande estado não pode ser governado com base nas opiniões de um partido».

Antes os contributos de vários partidos que as disputas entre facções de um mesmo partido.

Raymond Aron exarou o essencial quando escreveu que «a democracia é obra comum de partidos rivais».

A rivalidade não pode impedir a confluência e pode fomentar o desenvolvimento.

Entre partidos diferentes é possível haver convergência. Já dentro do mesmo partido é frequente surgirem inimizades.

Todos são necessários para tudo!

publicado por Theosfera às 13:47

Agradar é o supremo desígnio de muita gente. E, para tal, não falta quem se desdobre.

Há, de facto, quem consiga ter muitas linguagens, muitas caras e até muitas personalidades.

La Rochefoucauld avisou que «não podemos agradar durante muito tempo quando temos apenas uma espécie de espírito».

Haverá quem consiga a proeza da multiplicação de espíritos? Não escasseia quem, pelo menos, intente a multiplicação de aparências.

O agrado geral nem sempre é um bom sintoma de autenticidade.

A unanimidade não é grande alicerce da verdade!

publicado por Theosfera às 13:46

Do futebol o que se retém, habitualmente, são os golos, os resultados e os títulos.

Mas o espectador, que faz uma implacável cobrança, quer mais. Também quer arte.

É por isso que o Brasil de outros tempos seduzia. É por isso que o Barcelona destes tempos cativa.

Entre as épocas do Sporting que mais recordo não se encontram, curiosamente, as que ganharam campeonatos.

Estão duas em que, não ganhando, a equipa jogava como um coral: com harmonia, com arte.

À sua frente estiveram Mirko Jozik e José Peseiro.

A falta de paciência levou a que tivessem de sair.

Palpita-me que o Sp. de Braga, que já é grande, se vai tornar ainda maior.

José Peseiro vai fazer soprar torrentes de arte pelos estádios do país e da Europa!

publicado por Theosfera às 13:44

Sou republicano por uma questão de princípio, mas reconheço o valor da monarquia.

Entendo que todo o poder deve emanar do povo, mas, muitas vezes, os mecanismos da eleição obscurecem o respectivo desempenho.

A demagogia é o vício que salta mais à vista. Para se obter o poder, recorre-se a tudo. Falta, por vezes, um certo aprumo, uma certa transcendência, um certo mistério.

A autoridade deve estar perto do povo, mas não se deve vulgarizar. A monarquia inglesa (por contraste, por exemplo, com a espanhola) cultiva uma proximidade distante e uma distância próxima.

A rainha aparece, acena, mas quase não fala, nem dá entrevistas.

Esta elevação (feita de silêncio e discrição) oferece uma estética que se diferencia do ruído ensurdecedor a que estamos habituados!
publicado por Theosfera às 13:42

Sou crente. Mas não me sinto anti-ateu.

Aliás, penso que nenhum crente pode ser anti-ateu e que nenhum ateu pode ser anti-crente.

São duas posições com resultados simetricamente opostos, mas com percursos umbilicalmente ligados.

Um ateu nem sequer é um descrente. Um ateu também acaba por crer. Crê que Deus não existe.

Para um crente, o ateu não consegue provar que Deus não existe.

Para um ateu, o crente não consegue provar que Deus existe.

O crente testemunha que Deus existe. O ateu garante que Deus não existe.

Cada um, a seu modo, contribui para a actualidade da questão de Deus.

O crente faz sentir a Sua presença. O ateu faz notar a Sua ausência. O ateu entende que falta evidência à presença.

O crente responderá que da ausência de evidência não decorre a evidência da ausência.

O mais curioso é que muitos ateus acham que Deus está ausente em muitos que se dizem crentes. E, se calhar, acabará por estar presente em muitos que O dizem ausente.

Muito tenho aprendido com os irmãos ateus. Nunca deixo de encontrar Deus neles. Nunca deixo de os (re)encontrar em Deus.

O Deus em que acredito está presente em todo o Homem. Mesmo naquele que se diz ausente de Deus.

É bem verdade que Deus, quanto mais Se esconde, mais Se revela!
publicado por Theosfera às 13:40

Hoje, 05 de Junho, é dia de S. Bonifácio e S. Doroteu, o Moço.

Refira-se que S. Bonifácio era inglês e foi o grande cristianizador da Alemanha.

Fez suas as (fortes) palavras de S. Gregório, apelando aos pastores para não serem «cães mudos nem sentinelas silenciosas».

O silêncio da escuta tem de desaguar na palavra corajosa e habitada pela esperança.

Um santo e abençoado dia para todos!

publicado por Theosfera às 07:17

Habitualmente, estas efemérides assinalam aquilo que está em causa.

 

O Dia Mundial do Ambiente chama a atenção para o nosso (des)cuidado para com a natureza.

 

Nos últimos tempos, tem havido sobejos intentos de uma Teologia ecológica.

 

A partir da criação, há elementos de sobra para um crente se empenhar activamente na promoção de uma cultura de respeito para com a totalidade da obra de Deus.

 

Jürgen Moltmann, por exemplo, mobiliza-nos para a urgência de uma ética da reconciliação com Deus, com os homens e com a criação.

 

Haja em vista, desde logo, uma evidência: por cada vitória do Homem contra a natureza, surge uma revolta da natureza contra o Homem.

 

É que Deus perdoa sempre, o Homem perdoa às vezes, mas a natureza não perdoa nunca.

 

Ela sente-se. Estrebucha. Estremece. E revolta-se.

 

Saibamos, pois, respeitá-la e promovamos um ambiente são, harmonioso, sereno e pacificante.

publicado por Theosfera às 00:34

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro