O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2011
1. Ainda «ontem» era Janeiro. Já «hoje» é Dezembro. E «amanhã» volta a ser Janeiro.
Tudo é tão veloz no tempo. Tudo é tão rápido na vida.
Parece que tudo volta ao início, mas neste novo início nós não estamos mais novos. Podemos (e devemos) estar mais renovados. Mas a viagem do tempo vai-nos envelhecendo. E até o começo de um novo ano significa que estamos mais velhos.
 
2. Parece uma contradição, mas no início do novo ano, estamos mais perto do fim, mais perto do fim da nossa vida.
Ainda que duremos cem (ou mais) anos, no dia 1 de Janeiro, estaremos mais perto do nosso fim do que a 31 de Dezembro.
 
3. Com o tempo, notamos que a vida é uma viagem cujo ritmo vai acelerando.
Na infância, chegamos a pensar que o tempo não anda. Depois, achamos que o tempo passa. A seguir, verificamos que o tempo corre. Finalmente, sentimos que o tempo voa.
Estamos todos mais próximos do começo definitivo, da manhã sem tarde, da nascente sem foz. A eternidade espera por nós!
 
4. Não é só na morte que penso. A bem dizer, ninguém morre.
Ninguém faz a experiência da sua morte. Como dizia Epicuro, quando nós estamos, ela ainda não está; quando ela está, nós já não estamos.
 
5. Os outros é que notificam a nossa morte. Para nós, a morte será sempre futuro e nunca presente. Todos dizem «vou morrer». Ninguém afirma «morro» ou «morri».
Mia Couto diz que «se morre nada quando chega a vez. É só um solavanco na estrada por onde já não vamos».
Somos seres feitos para a vida. No tempo e (assim o esperamos) na eternidade!
 
6. Bom seria que a eternidade nos iluminasse no tempo. Que não fizéssemos deste percurso pelo tempo uma «correria» desenfreada. E, sobretudo, que semeássemos as únicas coisas que vale a pena deixar atrás de nós: o bem, a solidariedade, o amor.
 
7. Aesta hora, fazemos muitos votos e acalentamos muitos desejos. Mas, pela (implacável) lei das probabilidades, já sabemos que o novo ano vai ser difícil.
Mas se o novo ano não vai ser melhor, nós podemos ser melhores no ano novo.
E é por isso que um momento como a passagem de ano pode ter um efeito positivo se o aproveitarmos para meditar.
 
8. Poucas transformações dependerão de nós. Mas de nós dependerá a mudança mais importante: a mudança do nosso interior, da nossa vida, do paradigma da nossa actuação.
O mundo será melhor de cada um de nós apostar mais no sentido do outro. A Europa, por exemplo, está a penar porque as perspectivas nacionais asfixiam uma visão de conjunto.
Mas, atenção, não basta uma visão de conjunto. É que uma visão de conjunto pode ser insuficiente e até deslocada.
Pode ser uma visão de conjunto com uma perspectiva tecnocrática. É por isso que, mais do que de uma visão transnacional, do que precisamos, em cada país e na Europa, é de uma visão humanitária!
 
9. Aproveitemos estes dias para recordar o passado. Não se trata de uma cedência à nostalgia. É, acima de tudo, um acto de justiça e um exercício de lucidez. É que, em muitos momentos do passado, o futuro começou a germinar. Pelo contrário, em não poucos momentos do presente, o mesmo futuro dá sinais de vacilar.
 
10. Apesar de tudo, acredito num futuro melhor. Sobretudo porque o «parto» é doloroso. Mas haverá algo de bom e de belo que sobrevenha sem dor?
Afinal, até as rosas têm espinhos. E não são os espinhos que ofuscam a beleza das rosas.
 
11. Um feliz ano novo!
publicado por Theosfera às 19:47

Ao «querido líder» sucede o «líder espantoso».
Não são apenas os sistemas religiosos que criam narrativas de pendor hagiográfico.
Nem o materialismo dispensa as suas liturgias.
Digo isto sem ironia e com o máximo respeito.
Ernst Cassirrer afirmava que o homem é um «animal religioso».
Ninguém foge à sua identidade! Alguém escapará à sua natureza?
publicado por Theosfera às 11:09

Bernstein dizia que «o movimento é tudo, o objectivo não é nada».
E nestas alturas parece que andamos ainda mais descentrados.
As pessoas cantam, gritam, falam. Sinais de alegria? Ou tentativa de abafar a tristeza? Euforia não é o mesmo que alegria.
Nada como a serenidade de um sorriso discreto. Não é preciso haver muita agitação para atrair a esperança!
publicado por Theosfera às 11:08

Confesso que certas datas (como a passagem de ano) infundem em mim um sentimento de tristeza.
É bonita a vontade de juntar as pessoas e de partilhar a alegria. Mas há excessos que perturbam.
Dizem que Roman Abramovich vai gastar cinco milhões de euros na festa que vai dar. O dinheiro é dele. E do dinheiro seu fará o que entender.
Mas se a vontade é soberana, os sentimentos também são legítimos.
E com tanta pobreza no mundo, coisas destas só me infundem tédio.
Nada como a simplicidade e a sobriedade. Nada como passar o ano em família. Nada como passar o ano em oração.
A paz que se respira é impagável. Incomparável. Insuperável!
publicado por Theosfera às 11:04

Não há volta a dar. Nem justificações que convençam.
As imagens que chegaram da Terra Santa dão que pensar e que penar.
Dois grupos de sacerdotes litigam, combatem e agridem-se. Até as vassouras são utilizadas.
«Quem não precisa de conversão?» - perguntava o saudoso D. Hélder da Câmara.
publicado por Theosfera às 11:02

A situação que estamos a viver não põe em causa apenas o nosso modelo de desenvolvimento.
Os últimos acontecimentos certificam, à saciedade, que em causa está cada vez mais a nossa segurança. E, nessa medida, a nossa existência.
É óbvio que nunca estivemos totalmente seguros. Mas é um facto que nos sentimos cada vez mais inseguros.
Há quem não respeite não somente as nossas coisas, mas também a nossa vida. Isto precisa de uma reflexão atenta e de uma inflexão urgente!
publicado por Theosfera às 11:01

O mundo sempre foi o nosso destino. A diáspora atravessa a nossa história. A emigração não se apagará do nosso horizonte.
O problema não é, pois, que o êxodo continue a aumentar. O problema é sentir que, no nosso país, já não há condições para trabalhar. Até quando haverá condições para (sobre)viver?
Uma grande esperança me visita. Mas um forte receio não me larga.
Os próximos tempos não vão ser fáceis. E o problema não estriba apenas nas dificuldades.
O que mais me preocupa é sentir um desalento na alma das pessoas.
Todos os dias nos são servidas notícias deprimentes. E a sensação dominante é a de que ninguém sabe como reagir. A começar pelos que mandam.
Poderá ser inevitável que muitos tenham de sair a fim de ganhar para o país. Mas também é importante ficar para lutar pelo país!
 
publicado por Theosfera às 10:58

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12




Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro