O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 14 de Dezembro de 2011
Hoje é dia de S. João da Cruz, um místico espanhol de primeira grandeza e um poeta de apuradíssima sensibilidade.
Optou cedo pela «solidão sonora» como via para encontrar Deus.
A «estranheza ontológica», entre o Homem e Deus, deu lugar à «entranheza pessoal» de Deus no Homem e do Homem em Deus.
Não se esqueceu de advertir, pensando certamente em Mat 25, que, «na tarde da nossa vida, seremos julgados pelo amor».
É esta a (única) pauta para o juízo final!
publicado por Theosfera às 10:37

«Vivemos todos sob o mesmo céu, mas nem todos temos o mesmo horizonte».
Assim escreveu (lúcida e magnificamente) Konrad Adenauer.
publicado por Theosfera às 10:36

A palavra «Deus» em certos lábios arrepia.
Não falta quem se julgue Seu porta-voz, quase Seu substituto. E que, nessa medida, comine com todas as ameaças e críticas quem não se revê em tais invocações.
Hitler, há sete decénios, apelou à «Divina Providência» e à «a vontade de Deus», «Senhor do Universo» para fazer a guerra e eliminar milhões de seres humanos.
A voz de Deus não passa, necessariamente, por quem mais fala d'Ele. Ele só passa por quem O vive.
É nas pessoas simples e puras, nos corações bondosos e solidários, que Ele está. E nem precisam de falar muito d'Ele. A sua vida é uma revelação constante!
publicado por Theosfera às 10:35

É preocupante, e já vais nas imediações do alarmismo, esta onda de violência.
Pessoas que são assaltadas no multibanco. Pessoas que são agredidas em casa. Pessoas que são atingidas no seu local de trabalho.
Além do acto em si, há a registar o número de ocorrências. Porventura, a cifra vai aumentar.
A responsabilidade de quem comete estes actos não pode ser esquecida. Mas as causas últimas envolvem também as políticas que têm vindo a ser seguidas.
Bertold Brecht alertou em tempos: «Do rio que tudo arrasta se diz que é violento. Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem».
O poder comprime, asfixia, abafa. Há quem não aguente e despeje a revolta sobre quem não tem culpa!
publicado por Theosfera às 10:33

«Qualquer um pode tomar o leme quando o mar está calmo».
Públio Siro expendeu, à guisa do «ovo de Colombo, uma elementar evidência.
O problema é manter a serenidade no meio da tormenta, a luz no meio das trevas, a paz no meio da violência.
Não é fácil. Mas não é impossível.
Nessas alturas (as alturas em que se move a nossa vida presente), o melhor é conservar os ouvidos atentos, os olhos abertos e a boca fechada. E seguir em frente!
publicado por Theosfera às 10:32

«Todos os homens matam aquilo que amam».
Mais uma frase de Oscar Wilde que sempre me deixou desconcertado.
Será que há coisas que só os génios entendem? Ou não será que aos génios assiste errar genialmente?
Será concebível que matar seja prova de amor? Ou será que o amor tem de passar sempre pelo poço da morte?
E sobreviverá a tal prova?
publicado por Theosfera às 10:30

Até nas imediações do Natal, a maldade tem o desplante de passear pelo coração humano.
Pelo menos três pessoas morreram e várias ficaram feridas, esta terça-feira, no centro de Liége, na Bélgica, na sequência de um ataque com granadas e armas de fogo, executado por vários indivíduos.
Ele veio há dois mil anos! Quando começará a mudança que veio trazer?
publicado por Theosfera às 10:29

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12




Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro