O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 14 de Agosto de 2011

A esperança parece ter em entrado em pousio.

 

Prefiro acreditar que está a germinar, em silêncio, nos corações.

 

Porque é que só nos dão notícias da desesperança?

publicado por Theosfera às 23:08

São muitos os emigrantes que, nesta época do ano, voltam ao nosso país.

 

É bom voltar a vê-los.

 

Uma coisa me impressiona, entretanto.

 

É que a maior parte não tenciona regressar definitivamente.

 

As coisas lá fora não estão bem. Mas cá dentro estão pior.

 

Portugal não cativa, não atrai.

 

Para pensar.

publicado por Theosfera às 23:07

Ao entrar, foi abordado acerca da identidade da pessoa que ia a seu lado:

- É sua irmã?

- Não. É minha Mãe!

O filho ficou contente por a sua Mãe parecer tão jovem.

Já a mãe, que tudo ouvira, ficou preocupada por o filho já parecer tão desgastado!

publicado por Theosfera às 22:58

Para chegar a Jesus, basta ter fé, confiança.

 

Não há fronteiras para ir até Ele.

 

Para lá da instituição, para lá das normas, a compaixão de Jesus tudo abre.

 

Ele nada fecha.

publicado por Theosfera às 12:51

Temos um governo diferente. Mas, pelos vistos, não tão diferente assim.

 

Há menos assessores que antes. Mas não muito menos como se esperava.

 

E continua a haver impostos. Apesar da promessa de menos impostos.

 

O discurso tem cambiantes. Mas a substância permanece.

 

Dizem-nos que não é possível outra coisa. Mas porque é que não no-lo disseram antes?

publicado por Theosfera às 12:48

Há uma necessidade cada vez maior de contar tudo. Sobre si mesmo.

 

Há uma vontade cada vez maior de saber tudo. Sobre os outros.

 

As ideias estão em queda. Os ideais estão em baixa. O que prevalece é a coscuvilhice e o autodeslumbramento.

 

A mediocracia não é apenas o império dos media. É também (e crescentemente) o poder da mediocridade.

 

Conseguiremos sair deste sufoco?

publicado por Theosfera às 12:46

Nos tempos das redes sociais, há neologismos em série.

 

O twitter tornou-se uma das ferramentas mais utilizadas. Permite multiplicar informações constantes em frases curtas.

 

Há pessoas e instituições cujo percurso é conhecido quase ao minuto.

 

Isto significa que, mesmo à distância, conseguimos estar com as pessoas.

 

É claro que estamos de uma maneira muito matizada, muito fabricada. Por vezes, tudo não passa de uma ilusão. E a ilusão é o grande perigo destas formas de comunicação.

 

Estes meios põem-nos em contacto com toda a gente. Até com pessoas que não conhecemos de outra forma, com quem nunca estivemos presencialmente e que, não raramente, ostentam uma identidade que não corresponde à realidade.

 

Por outro lado, cria-se um frenesim contínuo, uma efervescência incontrolável. De resto, no original inglês, twitter tem que ver com chilrear, com agitação.

 

Com o nosso consentimento e com o recurso a estas redes, praticamente deixou de haver privacidade. Invocamos a transparência, mas o que acabamos por fomentar é a intriga, a coscuvilhice, a (in)cultura voyeurista.

 

A vulgaridade passa a ser o padrão que nos ocupa. Que relevância tem saber a que horas determinada pessoa come, passeia, trabalha ou descansa?

 

Relevância pode não ter. Mas tem cada vez mais audiência.

 

As redes sociais encurtam distâncias, mas podem também cavar distâncias.

 

Para estar com quem está longe, corremos o risco de não estar com quem está perto.

 

E, ao apostarmos tanto na presença através destes meios, podemos descurar a presença pessoal.

 

Acresce que o twitter, à semelhança aliás de outros instrumentos similares, está inundado de eu's. São preenchidos (às vezes, poluídos) com informações sobre o eu: o que eu faço, o que eu fiz, o que eu vou fazer, etc.

 

O deslumbramento do eu, fomentado pelo twitter, tem de ser compensado pela abertura ao tu. É esta abertura que dá sentido ao nós.

 

Enfim, pode ser bom twittar, mas é melhor tuitar. Melhor. E muito mais urgente.

 

São palavras homófonas, mas expressam atitudes radicalmente diferentes.

 

É preciso ter consciência de que só no tu acontece a revelação plena do eu.

 

Sem tu, o eu é uma mónada ensimesmada, fechada, autoritária, não solidária, pretensamente auto-suficiente, apesar de estruturalmente insuficiente.

 

O tu do outro é fundamental para o crescimento de cada um.

 

tuidade (vocábulo que recolhi em Xavier Zubiri) é necessária para o conhecimento pessoal.

 

A egopatia é a doença que está na base de todas as enfermidades. É aquela que nos desliga dos outros e que nos torna ameaça para os outros. 

 

Tuitar tem de ser, por isso, a prioridade.  

publicado por Theosfera às 06:01

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

16
17
18
19
20

21



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro