O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 30 de Março de 2011
SOS

Há doze mil idosos a viver sozinhos. Isto só em zonas rurais.

 

Sinceramente, não sei quem, no fundo, estará mais só: se os que estão efectivamente sós ou se aqueles que, por uma razão ou outra, consentem que eles estejam sós.

 

São só eles que estão sós em relação a nós? Ou não estaremos também nós sós em relação a eles?

 

Um SOS urgente precisa-se. A sociedade fabrica solidões.

publicado por Theosfera às 12:43

A hora que passa até pode ser benéfica para a Igreja. Neste krónos sombrio, ela até poderá vislumbrar um kairós luminoso.

 

Quem sabe se esta não será uma oportunidade de reencontrar o paradigma perdido: o paradigma das origens, o paradigma do despojamento, o paradigma da simplicidade e do serviço?

 

Numa altura destas, o mais habitual é enveredar por uma atitude reactiva. Estudos sérios atestam esta tendência, este perigo.

 

Assim, Alfredo Teixeira considera que a Igreja Católica enfrenta «tendências de guetização da experiência cristã», que exigem uma «reconstrução criativa».

 

Num texto publicado na mais recente edição do semanário Agência Ecclesia, o professor da Universidade Católica fala de um «processo de desagregação a que Michel de Certeau chamou o fim do cristianismo objectivo».

 

Há quem fique assustado perante as interpelações do tempo e desate a insistir nas fórmulas que fizeram escola, mas que estão, também elas, tingidas pelo desgaste.

 

Não falta quem, apelando muito para a história, acabe por fazê-la estacionar numa determinada época. Daí a propensão para confundir fidelidade com mera repetição e objectivação.

 

Voltando a Alfredo Teixeira, é «talvez por isso que nos encontramos perante algumas tendências de guetização da experiência cristã e as perplexidades dos que escolhem a ambiguidade do mundo como lugar do testemunho».

 

Achamos que toda a novidade é dissolvente e estigmatizamos toda a criatividade como infiel.

 

Por sua vez, o Padre José Frazão Correia diz que o «acto de fé e as práticas crentes deixaram de contar com a protecção de um centro reconhecido e incontestado, bem delimitado e seguro».

 

Ora, isto até pode ser positivo. Jesus nunca apelou para qualquer segurança. Pelo contrário, expôs-se corajosamente a todos os perigos.

 

Nunca alimentou qualquer compromisso com os poderes. Pelo que espanta que, por vezes, a Igreja tenda não só a estar próxima do poder como a conceber-se, ela mesma, em estrutura de poder.

 

Jesus, não excluindo ninguém, sempre Se identificou com os mais pequenos (cf. Mt 25, 40). Acontece que alguns, em Seu nome, parecem distantes daqueles de quem Ele sempre esteve próximo.

 

Assim, diz o Padre José Frazão Correia, «o que estamos a perder não parece essencial à fé em Jesus. Será, antes, uma falsa segurança (cultural, política, ética, etc.) que, em muitos casos e momentos, parece ter obscurecido e enfraquecido o Evangelho».

 

Neste sentido, «a fé em Jesus de Nazaré não quer ser sem a diversidade de pessoas, tempos e modos, os seus dramas e êxitos».

 

A experiência de Jesus não é monolítica. É saudavelmente pluriforme. Tem a forma das pessoas que a fazem. De todas.

publicado por Theosfera às 11:42

Karl Rahner morreu neste dia há 27 anos: 30 de Março de 1984.

 

Um teólogo enorme merecia uma atenção dilatada.

 

O Homem é, como ele bem anotou, o ouvinte da Palavra.

 

Ouçamo-la. Ouçamo-lo.

publicado por Theosfera às 11:11

Não é doutor, mas mostra ser diplomado na universidade da vida.

 

Na sua recente estada em Portugal, Lula da Silva assegurou ser possível articular crescimento económico com distribuição da riqueza.

 

Fala quem tem o lastro de uma experiência bem sucedida.

 

É pena que, entre nós, se continue a cavar diferenças e não se juntem esforços.

 

Os ruído mediático é gerador de fadiga.

 

E há até o risco de alguns se desgastarem mesmo antes de iniciarem funções.

 

Alerta, pois.

publicado por Theosfera às 11:06

O que, muitas vezes, nos paralisa é o estarmos presos na resposta e reféns da sua repetição.

 

Há uma terapia benfazeja na norma, mas ela jamais há-de frear o espírito.

 

Não foi por acaso que Heidegger disse que a pergunta era a oração do pensamento.

 

É pela pergunta que o pensamento avança.

 

O que seria dos que responderam sem os que perguntaram?

 

Será que o caminho passa apenas pelas mesmas respostas para novas perguntas?

 

O perene nunca se dilui quando acolhe o eco do que escorre na contingência de cada instante.

 

Ainda fica mais perene.

 

Não é Jesus o eterno no tempo? E não é o tempo o âmbito da mobilidade, da mudança?

publicado por Theosfera às 00:22

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

13
19

20



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro