O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 02 de Março de 2011

A gaguez deve ser vista não apenas como uma deficiência, mas sobretudo como um aviso.

 

Divisa-se, hoje em dia, na panóplia de meios de comunicação, uma tentação muito grande.

 

Há quem goste muito de falar, mesmo quando nada tem para dizer.

 

A gaguez pode ajudar, por estranho que pareça, a melhorar a qualidade da comunicação.

 

Ela pode ser até uma terapia para a comunicação.

 

A comunicação tem de ser vista como presença, como partilha, como oferta, como acolhimento. E não como mero ruído ou flatus vocis.

 

Mais do que curar a gaguez, importa curar (ou, pelo menos, não descurar) a comunicação.

 

Se pensarmos na estética e na ética, o panorama actual não é muito animador.

 

Não se comunica bem. Não se comunica o bem.

 

A gramática sofre agressões constantes. As pessoas acumulam insinuações contínuas.

 

Há falta de qualidade e défice de elevação.

 

Há abundância. Mas o ar está pesado. O clima comunicacional está longe de ser sadio.

 

As excepções, como sempre, confirmam a regra. E acabam por infirmar a tendência dominante.

publicado por Theosfera às 11:41

Nada fazia prever que fosse rei. Não era o primogénito e era gago profundo. Mas o irmão abdicou e tudo se alterou.

 

O Discurso do Rei, o filme mais premiado na noite dos óscares, não é (ou, no fundo, até será) uma história de amor. Mas é uma profunda história de persistência.

 

Esta não é uma ficção, mas o retrato de uma situação real.

 

Jorge VI não nasceu para reinar nem para falar. Mas como viver é ultrapassar-se, acabou por desempenhar os ofícios que mais lhe custavam exercer.

 

E a história assinala que não se saiu mal no seu desempenho.

 

Quando a rádio emergia como o grande meio de comunicação, as palavras reais eram escutadas com reverente respeito.

 

Jorge VI contou com a apoio da família e com a preciosa ajuda de Lionel Logan, um terapeuta com métodos pouco convencionais e que, no fundo, se resumiam a levar o monarca a acreditar em si mesmo.

 

O discurso em que anuncia a entrada da Inglaterra na guerra parece um concerto. O rei fala e o terapeuta orienta como se fosse um solista a estar à sua frente.

 

O rei não abandonou o seu povo na hora crítica e tributou-lhe um sentido aplauso.

 

O pai de Isabel II foi grato ao homem que o ajudou e sentiu-se sempre reconfortado na retaguarda familiar que sempre o acompanhou.

 

O segredo de Jorge VI não esteve na vitória sobre a gaguez, mas no acolhimento da gaguez.

 

A adversidade nem sempre pode ser superada. Será menos adversa se formos capazes de a integrar.

 

Há muito, mesmo muito, tempo que não via um filme. Não podia deixar de ver este.

 

Tocou-me a sobriedade digna que perpassa o ambiente e uma solenidade longe da afectação que percorre os cenários.

 

Vale a pena ver. E meditar.

publicado por Theosfera às 00:10

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

13
19

20



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro