O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 08 de Fevereiro de 2011

Com a internet, não é preciso sair de casa para estar no mundo.

 

O mundo está em casa e a casa está no mundo.

 

É um milagre a que muitos se habituam desde a mais tenra idade.

 

O pior é que, nesta interacção, tudo é um pouco indedeterminado.

 

Em casa, entra o melhor e o pior.

 

A imprevidência é gritante. O primeiro impulso é para entrar na corrente.

 

Dão-se informações. Oferecem-se perfis. Marcam-se encontros.

 

É um jogo muito perigoso.

 

Hoje é o dia da internet segura.

 

Se nada é seguro neste mundo, não espanta que a internet não o seja.

 

Mas é preciso prevenir. É fundamental que as novas gerações não fiquem tão expostas.

 

O mundo tem de ser um lugar habitável. 

publicado por Theosfera às 21:43

Há notícias que não deviam ser dadas. Há factos que não deviam ser cometidos.

 

O problema não está nas notícias. Está na realidade.

 

Mais de 40 senhoras foram assassinadas, no decurso do ano pretérito, pelas pessoas com quem viviam.

 

A família, nascida para ser um remanso de paz, está a tornar-se um impetuoso vulcão.

 

No sábado, um indívíduo matou o genro à frente da neta. A vítima estava separada da filha do autor do crime e passava em visita. Cinco tiros assinalaram o desfecho de uma relação que, pelo que dizem, se vinha degradando.

 

A família é um retrato do mundo. A família é um pequeno mundo. Quando é que o mundo se tornará uma grande família?

publicado por Theosfera às 10:46

1. Na paisagem cinzenta dos nossos dias, ainda há vislumbres de sol que prenunciam manhãs de esperança.

 

O Ano Europeu do Voluntariado tem, pelo menos, o condão de servir de alerta para tanto bem que é semeado nas estradas tumultuosas da vida.

 

É claro que tudo se queda por brevíssimas notas de rodapé, já que o sumo dos conteúdos informativos aponta noutro sentido.

 

Quem acompanha o quotidiano noticioso apercebe-se de que, como advertia o Padre Manuel Antunes, o negativo tem mais audiência que o positivo.

 

Como a realidade tende a ser aferida (unilateralmente) pelo que aparece na comunicação, a ideia que se tem é que este mundo não passa de uma selva.

 

Mas, embora haja uma parte de verdade nesta percepção, importa perceber que (ainda) resta muito de bom na alma das pessoas.

 

 

2. O nosso mundo não está tingido apenas pelo negrume da violência e da exploração. Está também adornado por gestos heróicos de amor, partilha e solidariedade.

 

É preciso ter presente que há muita gente que se priva do seu tempo e do seu descanso para se dedicar à arte mais nobre que existe: a arte de praticar o bem.

 

Trata-se de gente de todas as idades e de todas as condições sociais, de todos os quadrantes políticos e de todas as famílias religiosas.

 

Mostram que o bem não é selectivo nem condicionado. Mostram que o bem é para todos e é para sempre.

 

Não reclamam compensações nem ambicionam reconhecimentos. Onde há um perigo, eles encontram uma oportunidade, uma oportunidade de fazer o bem.

 

 

3. Nesta época, que muitos dizem desperdiçada, há muitos jovens, que alguns consideram perdidos, que ocupam as férias em acções de voluntariado.

 

E não falta também quem, ao longo do percurso escolar, desenvolva projectos de voluntariado. São formas de crescer na mais acutilante sabedoria: a da bondade.

 

Também é reconfortante ver profissionais que conseguem inventar tempo para ajudar quem mais precisa.

 

A experiência mostra, aliás, que as pessoas mais ocupadas são também as que conseguem ser mais disponíveis.

 

A sua alma é maior que a sua carga de trabalhos.

 

São pessoas que não se deixam devorar pelo tempo nem consumir pelo desgaste.

 

São pessoas que rejuvenescem com o passar dos anos.

 

São pessoas que transportam um sorriso ainda que alojem mágoas no fundo do seu ser.

 

 

4. Um ano como este serve, por isso e essencialmente, de abanão de muitas consciências que se mantêm adormecidas.

 

Se há projectos que merecem ser apoiados são os de voluntariado. Porque são eles que puxam pelo que de melhor subsiste no interior da pessoa. E porque são eles que, no fundo, revelam o mais importante do ser homem e do estar no mundo.

 

O ser humano nunca pode afirmar-se sem o outro ou contra o outro. O ser humano só pode afirmar-se com o outro, ao lado do outro, em favor do outro.

 

É por isso que, ao contrário do que dizia Sartre, o inferno não são os outros. O inferno, como advertiu o Abbé Pierre, é viver sem os outros.

 

 

5. O Ano Europeu do Voluntariado servirá, por isso, para sensibilizar e para mobilizar.

 

É importante que se conheça o que está a ser feito. É decisivo que cada um veja o que pode (ajudar a) fazer.

 

No voluntariado, há sempre lugar para mais um. Aqui, não prevalece a competição, mas a entreajuda.

 

No voluntariado, cada um luta não para ser o melhor, mas para dar o seu melhor.

 

É por isso que o voluntariado não é jamais um apêndice para quem nada tem para fazer ou para quem acha que já tudo fez.

 

O voluntariado pertence ao essencial da vida. Ele traz a sementeira de uma cultura diferente e a nascente de um mundo renovado.

 

No fundo, são as suas iniciativas que nos levam a acreditar que, afinal, o melhor continua a ser possível.

 

publicado por Theosfera às 00:00

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro