O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Quarta-feira, 05 de Janeiro de 2011

Naquele dia, Francisco Cardoso tinha uma única preocupação: fazer tudo bem, fazer tudo perfeito, sem falhas.

 

A pontualidade, para ele sagrada, foi respeitada ao minuto. Saiu cedo de casa, evitando o maior fluxo do trânsito.

 

Pediram-lhe boleia. Mas nem sequer olhou. Ou, melhor, mal acabou de passar, ficou com a sensação de que era uma mãe com seu filho no colo.

 

Tinha ar aflito, perturbado. Voltar atrás era uma possibilidade. Mas o relógio acusava sem contemplações: faltavam cinco minutos para as nove. Não podia ser. Não podia parar.

 

E continuou. O trabalho foi igual ao de sempre: rotineiro, mas competente. Hoje, porém, iria caprichar.

 

Nem os olhos abriu. Olhos só havia para o trabalho. Ainda houve quem tentasse dialogar, mas sem efeito.

 

Francisco parecia hirto, inflexível, implacável. A certa altura, aquela criança ao colo daquela mãe não lhe saía da cabeça. Que terá acontecido? Iria ao médico?

 

Sabia que não tinha procedido bem, mas não queria falhar em nada, até porque a carreira depende destas coisas, da pontualidade, da eficácia.

 

Só que a sua fé, a sua condição de crente pedia-lhe mais, pedia-lhe atenção, afecto, solidariedade. E Deus não haveria de o julgar pelo amor? Porquê só a preocupação pela eficiência?

 

Bom, mas tinha de ser, pensava. O pragmatismo vence sempre e, desta vez, também.

 

O dia passou num ápice. Faltava ir à Igreja. Como sempre fazia, aliás. Também aqui, gostava de ser pontual.

 

E foi. Muito antes da Missa, já se fazia à estrada. Os pensamentos multiplicavam-se. A certa altura, alguém pede boleia. Duas crianças, desta vez. Hesita: paro, não paro.

 

Não parou Francisco, apesar de chover a cântaros. Deus estava primeiro, assim se consolou.

 

Estacionou. Entrou na Igreja. Concentrado, vai a caminho do sacrário. Quando se prepara para ajoelhar, apercebe-se de um pequeno bilhete em cima de um banco.

 

Por mera curiosidade, toma-o e lê: «Estou aqui à tua espera. Mas já passaste por Mim hoje e não paraste. Nem sequer viste que, neste momento, estou a apanhar chuva»!

 

Francisco ficou lívido. Virou costas, fez um sinal da cruz à pressa e saiu. Pegou no carro e não levou muito tempo a reencontrar as crianças. Levou-as a casa. Olhou para o relógio e, afinal, ainda estava a tempo de participar na Missa.

 

Que grande lição aprendera naquele dia. Cristo está mesmo em toda a parte: na Igreja e fora da Igreja, nos grandes e nos pequenos.

 

Há tempo para tudo. Não podemos desperdiçar nenhuma oportunidade. Ele, Jesus Cristo, espera-nos em qualquer lugar. Até à chuva!

publicado por Theosfera às 10:41

Há, no imaginário colectivo, a percepção de que a paciência é um sinal de fraqueza e um sintoma de debilidade. Daí que desatemos numa espiral de violência e vingança sem freio.

 

Perpassa pelo nosso espírito a ideia de que o violento é que é forte. De que o vingativo é que sai vencedor.

 

Não é, porém, esse o comportamento de Deus. Há palavras que não entram no Seu vocabulário. Há atitudes que não fazem parte da Sua conduta.

 

Se nós somos Sua imagem e semelhança, porque é que não O havemos de imitar?

 

Não penses que é pela arrogância que te afirmas como crente e que te credibilizas como cristão.

 

Deus é paciente. Infinitamente paciente e pacífico. E se Ele o é, porque é que nós também não havemos de sê-lo?

publicado por Theosfera às 10:40

Irmão, vai ao encontro do Senhor. Não hesites em pedir o Seu perdão. Oferece-Lhe o teu arrependimento. Ele presentear-te-á com a torrente da Sua misericórdia.

 

Há quanto tempo não celebras o Sacramento da Reconciliação? Há quanto tempo não te aproximas de Cristo presente no sacerdote?

 

O padre também peca? Pois peca. Tanto ou mais que tu.

 

Mas não achas maravilhoso — e sumamente comovente — acolher o perdão divino através de um instrumento tão frágil? Tão parecido contigo? Porque complicas pois o que Cristo simplificou?

 

Ser um homem como tu a oferecer-te Deus, em forma de perdão, não achas que é um dos maiores prodígios que se pode conceber?

 

publicado por Theosfera às 10:38

O nosso pranto não é inócuo. Às vezes, até pode ser sadio chorar. O adágio segundo o qual «um homem nunca chora» carece de veracidade e sobretudo de sapiência. Porque não chorar?

 

Com efeito, há tanto para chorar à nossa volta. Há tanto para chorar dentro de nós. O nosso egoísmo. O nosso ensimesmamento. A nossa resistência à vontade de Deus. A nossa férrea oposição ao desígnio do Pai. A nossa mediocridade. A nossa indiferença. O nosso repentismo. A nossa tibieza. O nosso calar perante a injustiça. O nosso falar exaltante sobre as falhas dos outros.

 

Não são estes sobejos motivos para chorar?

publicado por Theosfera às 10:36

mais sobre mim
pesquisar
 
Janeiro 2011
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro