O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Terça-feira, 14 de Dezembro de 2010

S. João da Cruz foi um grande santo e, como tal, incompreendido, posto de lado.

 

Passou pela noite do espírito. Foi tentado pela desesperança.

 

A vida não é fácil para ninguém. Nem para os que estão mais perto da Luz.

publicado por Theosfera às 11:41

A verdadeira alegria está na autenticidade.

 

Exibir um riso de circunstância, só para ornamentar a face, é uma forma de hipocrisia.

 

A alegria é, antes de mais, a verdade.

 

Por isso é que Paul Claudel estava certo quando asseverou que «a alegria é a coisa mais séria deste mundo».

 

Podemos acrescentar que a seriedade é a coisa mais alegre desta vida.

publicado por Theosfera às 11:39

É habitual ouvirmos, por esta altura, muitos hinos à caridade. E também é certo que não faltam campanhas de solidariedade em favor dos mais pobres.
 
Mas parece que é tudo muito artificial. Muito fingido. E muito corrido.
 
Damos as sobras. Os restos.
 
Acabamos por não permitir que se faça o essencial. Isto é, que se instaure uma verdadeira cultura da partilha e da repartição dos bens.
 
Estes são pois uns dias de excepção e não tanto de coroamento de uma sensibilidade. No fundo, tudo isto mostra que continua a prevalecer o egoísmo.
 
Ainda vivemos muito para dentro de nós. Descontando estes (poucos) dias…
publicado por Theosfera às 11:38

Este caso WikiLeaks mostra bem duas coisas:

 

- uma avidez pela informação totalmente descontrolada; nem o supostamente secreto fica de lado;

 

- a necessidade de termos cada vez mais cuidado; mesmo em circuitos privados, é preciso ponderar muito bem; no fundo, nada deve ser dito em privado que não possa ser assumido em público.

 

O problema é que, deste modo, a desconfiança tenderá a aumentar. Um segredo será, cada vez mais, o que está dentro de nós. Para lá disso, é um risco total e deveras perigoso. Mas ainda há excepções.

publicado por Theosfera às 11:34

O caso WikiLeaks não é o vendaval tempestuoso que se antecipava, mas não deixa de provocar estragos em todo o planeta. Trata-se de uma vaga de chuva que se fez sentir um pouco por toda a parte.

 

O Vaticano terá sido descrito, nas escutas interceptadas, com um estado ou um poder «fechado, provinciano e antiquado».

 

Não me vou deter sequer nos (des)qualificativos.

 

A questão coloca-se, desde logo, no substantivo.

 

Sabemos que, sem entrar em polémicas, o facto de a Igreja ser dirigida a partir de um estado encerra um considerável índice de problematicidade.

 

É certo que, hoje em dia, não estão em jogo as pretensões de outrora. Trata-se-á de uma forma de agilizar uma presença que se deseja universal, junto de todos.

 

Mas não há dúvida de que a figura de um estado é difícil de articular com o princípio bíblico-teológico que alicerça a Igreja.

 

Não esqueçamos que o Fundador (e perene Fundamento) da Igreja deixou bem claro que recusava qualquer reino deste mundo.

 

No seu propósito de presença em todos os espaços, a Igreja foi assimilando as formas de ser e estar de cada ambiente. Em Roma, assimilou o império.

 

Daí que tenha pertinência a observação do Prof. Juan Laboa Gallego, reputado historiador, quando dá voz «à impressão de que em Jerusalém ficou a coroa de espínhos e em Roma a tiara». Já agora, também em Belém terá ficado a manjedoura.

 

É claro que há sempre o risco de subsistir algum simplismo nestas sínteses. Elas valem sobretudo pela sua dimensão simbólica. É sabido que Pedro e Paulo não foram para Roma à procura de qualquer poder. Eles mantiveram-se sempre pobres e foram até martirizados. O problema veio depois.

 

Talvez impressione que, volvidos tantos séculos e atenta a vontade de refontalização, ainda não se tenha optado por um despojamento maior.

 

Ninguém estará à espera de que, nos próximos tempos, apareça um papa Cirilo (personagem central de As sandálias do pescador, de Morris West) a desfazer-se por completo do Vaticano.

 

Mas não há dúvida de que era tempo de, também neste ponto, nos aproximarmos mais de Jesus. Não convencemos apenas pelas palavras. Aliás, ninguém será convencido pelas palavras se os gestos não estiverem em conformidade com elas.

 

Reitero que não valerá a pena criar polémicas. Mas é indiscutível que o estado do Vaticano é mais filho do tempo do que emanação de Cristo.

 

Uma Igreja pobre será a maior riqueza que teremos para oferecer.

publicado por Theosfera às 11:06

A Igreja é memorial. Mas, por vezes, há nela tantos esquecimentos. Sobretudo do essencial.

 

A Igreja é disse-o Walter Kasper «a casa da verdade». Mas, por vezes, resvalamos nela para a mentira.

 

A Igreja é comunidade. Mas, por vezes, cultivamos nela o mais arrepiante individualismo.

 

A Igreja é a morada da paz. Mas, por vezes, arquitectamos nela tantos focos de acrimónia, agressividade e violência.

 

O que vale é que a Igreja é sempre Igreja. Mesmo quando, em Igreja, não a construímos, nem a amamos.

publicado por Theosfera às 11:03

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9


22



Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro