O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 24 de Maio de 2010

1. Jesus Cristo está presente na Igreja.

 

Mas esta presença, que é real, não é automática. Ela pode, inclusive, ser ofuscada.

 

Ela ocorre na base de um dom e sob a égide de um compromisso. Se este falha, aquele, mesmo subsistindo, fica sem interlocutor e, portanto, sem visibilidade.

 

Não basta, pois, invocar a pertença à Igreja para presumir a transparência de Cristo.

 

É preciso não esquecer que, como ainda recentemente avisou o Papa, o pecado também invade a Igreja.

 

É por isso que, desde o princípio, se insiste tanto no testemunho e na conversão.

 

Jesus mostra-nos o que é a Igreja. Mas será que a Igreja nos mostra sempre quem é Jesus?

 

Nunca percamos de vista que não é a Igreja o critério para Cristo; Cristo é que é o critério para a Igreja.

 

 

2. Esta preocupação deve acompanhar-nos sempre e gerar em nós uma sadia inquietação.

 

Será que, no fundo, conhecemos bem Jesus Cristo? E será que conhecemos tudo sobre Jesus Cristo?

 

Vinte séculos de experiência podem dar a entender que a novidade se escoou. Daí que seja da maior pertinência prestar atenção ao que Albert Nolan, teólogo dominicano, nos diz num precioso livro a que deu o sugestivo título Jesus antes do Cristianismo.

 

Começa o autor por apontar para o óbvio quando assinala que Jesus «ergue-Se acima do Cristianismo como juiz de tudo o que este fez em Seu nome».

 

Acresce que «o Cristianismo histórico tão-pouco O pode reivindicar como sua propriedade exclusiva. Jesus pertence a toda a humanidade».

 

Impõe-se, assim, alargar incessantemente o nosso olhar para antes e para fora.

 

Isto não significa que o que nos tem sido mostrado não seja relevante. Mas será possível aprender ainda mais e ver ainda melhor.

 

Ninguém questionará que não é o Cristianismo a luz para compreender Cristo. Cristo é que é a luz para compreender o Cristianismo.

 

 

3. Quando deixamos Jesus falar por Si próprio, aparece-nos alguém de uma independência assombrosa e de uma coragem extraordinária.

 

Jesus é um mestre que não fica impressionado com o saber dos mestres. Pelo contrário, questiona permanentemente esse saber, demasiado aprisionado pela Lei e pouco voltado para a Vida.

 

Como nota Albert Nolan, Jesus nunca deixou de «manifestar as Suas convicções».

 

Jamais deu sinais de medo. Não teve medo, com efeito, «de provocar um escândalo, de perder a Sua reputação nem de perder a Sua própria vida».

 

Curiosamente, eram as pessoas religiosas as que mais se incomodavam com Ele. «Nada fez para alcançar o mínimo prestígio aos olhos dos outros. Ele não procurava a aprovação de ninguém».

 

 

4. Não espanta que tivesse problemas com as autoridades. Para Jesus, o importante não é a autoridade, mas a verdade.

 

Ele «proclamava a verdade sem hesitar, quer utilizasse os métodos persuasivos da parábola, quer o tom mais directo das Suas outras palavras».

 

A única autoridade à qual apelava «era à autoridade da própria verdade. Ele não fazia da autoridade a Sua verdade, mas da verdade a Sua autoridade».

 

É a autoridade que nasce da verdade. Não é a verdade que nasce da autoridade.

 

Em Jesus, não existe automatismo da verdade a partir da autoridade. Só há autoridade em quem se dispõe a procurar (e sobretudo a viver) a verdade.

 

E em que consistia a verdade? Na compaixão.

 

Em Jesus, «era o próprio sentimento de compaixão de Deus que O possuía e preenchia. Todas as Suas convicções, a Sua fé e a Sua esperança eram expressões desta experiência fundamental. Se

Deus é compassivo, então a bondade triunfará, o impossível acontecerá e uma esperança brotará para o género humano».

 

 

5. Será que é desta verdade que procuramos dar testemunho? Cristo está, sem dúvida, presente na Igreja. Mas será que a Igreja está sempre presente em Cristo? Será que, para nós, a compaixão é a base da verdade?

 

Acreditar em Jesus «é acreditar que a bondade pode triunfar e triunfará sobre o mal».

 

Assim sendo, a fé é «o poder da bondade e da verdade».

 

É isto o que se vê em Jesus. Será isto o que se vê na Igreja de Jesus?

 

Não aprisionemos Jesus dentro da Igreja. E deixemos que a Igreja se liberte a partir de Jesus!

publicado por Theosfera às 14:13

Marc Lambret descreve a importância do argumento da confiança. Por vezes, quedamo-nos pelo mero argumento da autoridade.

 

É fundamental criarmos confiança, gerarmos confiança, conquistarmos confiança.

 

A autoridade ganha-se assim. Sobrevém depois.

 

Começar e terminar pela autoridade não é bom caminho. A autoridade nem sempre consegue a confiança. Já a confiança assegura sempre autoridade. A melhor autoridade.

publicado por Theosfera às 10:33

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro