O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Segunda-feira, 17 de Maio de 2010

1. O teste da simpatia foi superado com brilho e alguma surpresa. O importante, porém, é que o teste da vivência seja vencido com distinção.

 

Recorde-se que as expectativas para a visita do Papa não eram muito altas.

 

Não estava em causa a mobilização, que já se sabia numerosa. Em causa estava a adesão, a empatia. Em alguns sectores, veiculava-se mesmo o ambiente de uma certa hostilidade.

 

O resultado foi o que se viu. O ambiente abonançou-se. E praticamente toda a gente se rendeu.

 

Mas quem mudou não foi o Papa em relação às pessoas. Foram as pessoas que mudaram em relação ao Papa.

 

Afinal, a imagem estava longe, muito longe, de corresponder à realidade.

 

Já se sabia que Bento XVI era culto, inteligente, quase enciclopédico. Muitos foram os que ficaram a saber que se trata também de uma pessoa afável, serena e até — para espanto de não poucos — bastante sorridente.

 

Tudo isto fez, entretanto, aumentar as expectativas para o dia seguinte, para o tempo que aí vem.

 

Agora, as expectativas são muito altas. A pergunta já não é como vai correr a visita do Papa?, mas que fazer a partir da visita do Papa?.

 

 

 

2. O fundamental não foi o que ocorreu nos quatro dias que Bento XVI passou entre nós. O decisivo é o que pode acontecer a partir desses dias.

 

Ele não veio apenas para confirmar, como é próprio da sua missão de sucessor de Pedro.

 

Ele veio também para alertar, para inquietar, para desassossegar. Aliás, convém não desligar a mensagem que agora nos deixou do apelo que, há três anos, tinha feito aos bispos do nosso país.

 

Espanta-me que ninguém tenha feito a devida articulação entre os dois momentos. Mas convém não perder de vista que, a 10 de Novembro de 2007, o Santo Padre foi bastante acutilante: «É preciso mudar»!

 

E, se repararmos bem, o Bispo de Roma deixou vastos tópicos para que se empreenda essa (tão necessária) mudança.

 

Desde logo, há que olhar, como exortou no encontro com o mundo da cultura, para lá das coisas penúltimas concentrando-nos na procura das coisas últimas.

 

Diria que, com a sua inegável importância, a vinda do Papa até nós pertence ao penúltimo. Último — e verdadeiramente determinante — é o testemunho de cada dia, é a militância de cada instante.

 

A presença do Santo Padre foi um poderoso estímulo. Há-de haver, portanto, sequência, implicação, tradução na vida quotidiana.

 

Muitas vezes, andamos perto de muita coisa, mas distantes do essencial. O Papa alertou-nos para o essencial do acreditar e para o essencial do agir: «A nossa fé tem fundamento, mas é preciso que esta fé se torne vida em cada um de nós».

 

 

3. Por aqui passa, sem dúvida, a aprendizagem que, segundo Bento XVI, a Igreja tem de fazer quanto à sua forma de estar no mundo.

 

Estes dias mostraram que, no fundo, existe uma ligação muito forte e uma identificação muito grande do Papa com o povo.

 

As pessoas acolheram a palavra que escutaram e valorizaram o ânimo que receberam.

 

Vivemos num tempo carente de esperança, em que as atitudes valem tanto como as ideias.

 

Daí o convite a que se façam coisas belas e que se transforme a nossa vida num lugar de beleza.

 

Tudo radica no testemunho. «Há necessidade — insistiu o Papa — de autênticas testemunhas de Jesus Cristo, sobretudo nos meios humanos onde o silêncio da fé é mais amplo».

 

Esse testemunho não se faz, como é bom de ver, pela via da imposição. Só se pode fazer pela via da proposta.

 

É precisamente no testemunho que está a nossa força e também a nossa debilidade.

 

Foi para isso que, ainda no avião, o Santo Padre convocou a nossa atenção. A maior perseguição à Igreja não vem de fora. Vem de dentro. Vem do pecado que existe na Igreja.

 

Também na Igreja urge reaprender, incessantemente, a necessidade do perdão, o qual não colide com a justiça.

 

 

4. O dia seguinte está, pois, à nossa espera ou, melhor, já chegou. Será desta que a mudança vai acontecer?

 

A melhor homenagem ao Papa não é repetir o que ele disse. É pôr em prática o que ele pediu.

 

É, pois, a nossa vez de falar. Agindo.

publicado por Theosfera às 12:01

«A experiência ensina-nos que ser bom é mau».
Assim escreveu (pertinente e magnificamente) Sofocleto.

publicado por Theosfera às 10:52

«Uma consciência culpada precisa de se confessar. Uma obra de arte é uma confissão».

Assim escreveu (misteriosa e magnificamente) Albert Camus.

publicado por Theosfera às 10:46

«Se consegui ver mais longe, foi porque me coloquei sobre os ombros de gigantes».

Assim escreveu (arguta e magnificamente) Emanuel Levinas.

publicado por Theosfera às 10:03

«O mundo está a aproximar-se velozmente do fim».

 

Sabe quando foi proferida esta frase? Ontem? Na véspera do ano 2000?

 

Foi em 1014, na diocese inglesa de York pelo arcebispo Wulsftan.

 

Como se vê, o conceito de velocidade é relativo ou o tremendismo foi sempre uma veloz tentação da humanidade.

 

O mundo está, sem dúvida, mais próximo do fim. Mais próximo do que em 1014.

 

Mas esta proximidade pode implicar milhares, milhões de anos. O importante é que se aproxime da sua finalidade, da sua plenitude, do sonho oferecido por Deus.

publicado por Theosfera às 09:59

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
15





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro