O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Domingo, 04 de Abril de 2010
publicado por Theosfera às 17:46

Eu sei, todos sabemos, que é muito doloroso pôr o dedo em certas feridas. Sobretudo nas nossas. São as que doem mais. Porque são as nossas.

 

É sempre mais fácil apontar as feridas dos outros. Que também as podem ter. Mas não esqueçamos as nossas.. Que, no limite, podem agravar as feridas dos outros.

 

Temos uma missão: apontar caminhos. Mas como se nós mesmos não os pisamos?

 

Claro que ninguém é impecável, irrepreensível. Mas haja ao menos humildade. E partamos do princípio que lá fora, onde nem tudo está bem, mora, pelo menos, gente humilde.

 

Temos a melhor mensagem do mundo. Mas, em contrapartida, não abdicamos de ter, muitas vezes, práticas em sentido oposto. Que credibilidade a nossa?

 

Temos de ter presente que os grandes problemas da Igreja não são apenas os que chegam do exterior. São, antes, o que nascem no seu interior.

 

De resto, não esqueçamos a prevenção de Jesus: «Nada há fora do homem que, entrando nele, o possa tornar impuro»(Mc 7, 15).

 

Há, sem dúvida, desafios que vêm de fora. Não os podemos desatender. Mas há, acima de tudo, deficiências que emergem a partir de dentro: falta de oração, falta de missão, falta de profecia, falta de fraternidade.

 

Quando as coisas não correm bem, voltamo-nos para fora e apontamos o dedo. Não digo que não haja factores exógenos (se é que, para um cristão, pode haver algo exógeno) a condicionar fortemente a acção da Igreja. Importa, porém, que não nos desviemos do núcleo do problema: ele mora no nosso interior.

 

A mudança tem de começar, pois, dentro, no fundo. Fazer profecia tem de ser um desígnio global. É bom chamar a atenção para o que está mal lá fora. É imperioso emendar o que não está bem...cá dentro!

publicado por Theosfera às 17:38

Não recuou no caminho. Não vacilou perante as ameaças. Não abdicou de lutar. Não deixou de perseverar.

 

Foi incompreendido. Foi incomodado. Foi atacado. E foi morto, liquidado.

 

Faz hoje, 4 de Abril, 42 anos que Martin Luther King tombou sob o crivo impiedoso de balas assassinas.

 

Mas também a sua foi uma morte morticida.

 

Não sei porquê, mas nos últimos tempos tenho-me lembrado muito dele.

 

Precisamos, urgentemente, de homens como Luther King. Que não tenham medo em tocar nas feridas. Que não usem (nem abusem) de eufemismos. Que sejam íntegros e verticais.

 

Há mortes que sabem a vida. A vida nova. A vida outra. A vida pura. A vida refrescante.

 

Quem morre assim morrerá?

publicado por Theosfera às 16:47

Nos últimos dias, não se fala de outra coisa nesta (habitualmente) pacata cidade de Lamego.

 

Um jovem de nome Artur perdeu a vida num passeio de finalistas.

 

Muita gente tem vindo ter comigo, incluindo alguns pais que também tinham os filhos nessa viagem.

 

Que dizer?

 

Não digo nada.

 

Rezo e partilho a dor.

 

Há momentos em que as palavras soam a puro fraseado sem substância.

 

As palavras existem para dizer a vida, não a morte.

 

A única palavra é a palavra da presença. De uma presença humilde, orante, fraterna e solidária.

 

Os meus sentidos pêsames aos pais, irmãos e amigos do Artur.

 

O céu parece ter pressa em receber os bons...

publicado por Theosfera às 12:09

Neste dia de alegria, continuam a soar ecos de escândalos que não podem deixar de nos envolver.

 

Há proporções que estão a crescer e limites que, porventura, estarão em vias de ser ultrapassados.

 

Os desvios são muitos e dolorosos.

 

Há preocupações que deviam estar concentradas nas vítimas e parecem estar orientadas sobretudo nos agressores e nas instituições.

 

E até as comparações parecem desfocadas.

 

Até quando, meu Deus, toda esta tormenta?

 

Há muito a fazer e bastante a escutar.

 

Não deixemos de ouvir o clamor das vítimas.

 

Não deixemos de prestar atenção a quem nunca foi ouvido.

 

O Espírito paira em todos.

 

Aprendamos a lição deste dia de Páscoa: para Deus sobe-se descendo.

publicado por Theosfera às 12:04

publicado por Theosfera às 12:02

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9





Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro