O acontecimento de Deus nos acontecimentos dos homens. A atmosfera é sempre alimentada por uma surpreendente Theosfera.

Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2010

Tem hoje uma grande oportunidade de encontrar Deus.

 

Ele está dentro de si, na sua consciência.

 

Visite-O nesse santuário. Acolha-O no seu coração.

 

Que Ele lhe dê toda a paz.

 

Uma santa e feliz noite. Sempre com Ele!

publicado por Theosfera às 23:31

Leio, desde há muito, os textos de Catalina Pestana.

 

É uma inconformista, uma pessoa de convicções e uma mulher de fé.

 

No artigo de hoje toca numa ferida muito sensível: a crise das elites que, depois, se dissemina como tumor pelas camadas populares.

 

Os professores universitários, outrora, impunham-se pelo saber e pela excelência. O nível científico e a qualidade humana atingiam patamares superiores.

 

Hoje em dia, «já não se discutem sobretudo conceitos, nem conhecimento, mas pequenos poderes».

 

Isto faz muita diferença. Toda a diferença?

publicado por Theosfera às 20:49

«A virtude mais importante em tempos de crise é o carácter».

Assim escreveu (sábia e magnificamente) Charles de Gaulle.

publicado por Theosfera às 20:46

As mudanças foram corporizadas por quem teve a coragem de romper e a ousadia de arriscar.

 

As situações excepcionais devem ser tratadas excepcionalmente. Às vezes, invoca-se a lei como um escudo contra a justiça.

 

Humildemente, estou com todos os inconformistas. Jesus foi o maior de todos eles. A Sua paz não é um sedativo. É obra do compromisso com a justiça. 

 

E não esqueço o que disse a grande Lourdes Pintasilgo: «A fé é a paz da permanente inquietação».

 

Nunca a fé pode ser vista como anestesia. E a fé está amassada na justiça. Jesus fala muito da justiça. Esta é a prioridade. Sem compromisso com a justiça, haverá fé?
 

publicado por Theosfera às 16:25

Tenho nostalgia de um tempo em que, apesar dos excessos, se acreditava no amanhecer de um dia inteiro e limpo.

 

Acalenta-me, agora, em que vemos os ideais imolados no altar dos interesses, a esperança de que dos escombros uma luz havemos de vislumbrar.

 

Amoz Oz diz que pressente que, depois da sua morte, qualquer coisa de belo irá acontecer.

 

Se tivermos de contribuir com a nossa sementeira, outros virão colher.

 

Há um sermão de Luther King, proferido na véspera de ser assassinado que diz muito. Ele sabia que não ia conseguir realizar o sonho. Mas estava tranquilo porque tinha tentado.

 

Este é o tempo da procura, da persistência. O que não se pode é renunciar.

publicado por Theosfera às 16:21

Falta sol no céu. Falta o Sol nos quiosques.

 

Enquanto as nuvens tapam o sol, as máquinas vão imprimir uma  nova edição do Sol.

 

Fala-se, portanto, muito do Sol.

 

Mas não é entusiasmante o ambiente.

 

Precisamos de uma nova esperança.

publicado por Theosfera às 13:59

«É fácil amar a humanidade, difícil é amar o próximo».
Assim escreveu (pertinente e magnificamente) L. Crescenzo.

 

publicado por Theosfera às 11:42

 

É sabido que o mundo não está bem.
 
A democracia facilitou o acesso ao consumo. Mas tal acesso ao consumo não tem a devida correspondência em justiça e bem-estar.
 
Aflige-me ver tanta gente pobre pelas ruas e pelas casas. E tanto desperdício e tamanha ostentação!
 
Mas quando vejo uma greve geral, a minha sensação é dupla. Compreendo os motivos, sou solidário com quem tem compromissos e não consegue meios para os satisfazer.
 
Por outro lado, continuo a pensar que o diálogo é a melhor via, a única via.  Será que um grito vale mais que uma conversa serena?
 
Uma coisa, no entanto, é certa. É difícil ser político, governante, empresário. Mas duro mesmo, hoje em dia, é ser cidadão.
 
O fim do mês, em muitas casas, vem tingido pelo breu da incerteza...
publicado por Theosfera às 11:37

As normas são para cumprir. A verdade é para respeitar.

 

Sei que não é fácil divisar a medida certa e a linha justa. Mas o que me preocupa não é apenas a divulgação das escutas. É também o conteúdo das mesmas. É tudo o que anda atrelado a estes tempos em que a vontade de poder luta com o poder da vontade.

 

Há quem veja adversários em toda a parte. Daí a tendência para controlar, para afastar.

 

E, neste capítulo, qualquer pretexto serve. Como advertia Chesterton, nem ter bom feitio ajuda. «Infelizmente, acontece o bom feitio ser, às vezes, mais irritante que o mau feitio».

 

É verdade que se o jornalismo não fosse acutilante, não teríamos tanto sensacionalisma. Mas também não teríamos tanta denúncia.

 

Mais uma vez aquiesço a Chesterton: «Não foi o mundo que piorou; as coberturas jornalísticas é que melhoraram muito».

 

No fundo, no fundo, não é fácil conviver com a liberdade. Já dizia Ronald Reagan nos idos de 80: «A tocha da liberdade é quente. Aquece aqueles que a seguram. E queima aqueles que a tentam extinguir».

 

Há que despoluir a convivência. Há que pugnar pela verdade, pela rectidão e pela justiça. Só assim haverá paz.

publicado por Theosfera às 11:26

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2010
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9

15




Últ. comentários
Sublimes palavras Dr. João Teixeira. Maravilhosa h...
E como iremos sentir a sua falta... Alguém tão bom...
Profundo e belo!
Simplesmente sublime!
Só o bem faz bem! Concordo.
Sem o que fomos não somos nem seremos.
Nunca nos renovaremos interiormente,sem aperfeiçoa...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
Sem corrigirmos o que esteve menos bem naquilo que...
online
Number of online users in last 3 minutes
vacation rentals
citação do dia
citações variáveis
visitantes
hora
Relogio com Javascript
relógio
pela vida


petição

blogs SAPO


Universidade de Aveiro